Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O povo é quem mais ordena

por Nuno Castelo-Branco, em 18.02.13

Pois é assim mesmo. Sempre que vota, ordena. Votou, ordenou. Os grupinhos mais excitados que esperem pelas próximas eleições.

publicado às 22:50


5 comentários

Imagem de perfil

De jojoratazana a 18.02.2013 às 22:59

Se há ministro que não merece que lhe cantem a "Grândola Vila Morena" é este.
Sejamos comedidos, para ele a "Raspa" condiz muito melhor.
Até pelo respeito, que Grândola Vila Morena merece.
Sem imagem de perfil

De Filipe Ramos a 19.02.2013 às 00:50

Para quem está constantemente a dizer mal do regime (e nesse ponto com razão), a defesa constante do pior governo de Portugal das últimas décadas (o actual), é, no mínimo, bizarra.
Sem imagem de perfil

De Filipe Ramos a 19.02.2013 às 01:13

E acrescento: É isto um governante dum País Europeu? As soluções começam a escassear, até ao dia em que só com uma ''limpeza'' desta gente poderemos ter alguma esperança. E já agora, seria bom relembrar que a vingança serve-se fria e isso mesmo também é válido na política.
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 19.02.2013 às 15:19

Precisamente, Filipe, a questão está na "vingança" que o leitor pretende e que já adivinho. Por muito mau que um governo possa ser - e já tivemos outros bem piores e que nem sequer tinham legitimidade para governar, recordando-lhe apenas os catastróficos "governos provisórios" -, trata-se apenas de uma questão de legitimidade. Mil, dez mil, cem mil ou milhão de pessoas aos berros num dado momento, nada mais significam senão aquilo que na realidade são: um grupo menor ou maior de furibundos com o sistema mas que apenas se representam a si mesmos. Se quiser discutir o sistema eleitoral que temos, então podermos fazê-lo. O que se torna irónico é verificarmos que quem mais barafusta contra o actual intervencionismo extorsionista do Estado, são precisamente aqueles que idealizam um Estado omnipotente, infalível e quiçá, totalitário. Um absurdo. 
Sem imagem de perfil

De Filipe Ramos a 20.02.2013 às 01:18

Não caro Nuno, quem mais 'barafusta' contra o actual GOVERNO extorcionista, é quem se sente lesado, por inúmeras razões. Lembro-lhe algumas: mentiras, falta de carácter de ministros (com m pequeno), atitude arrogante e desprezo por quem os elegeu, extorcionismo a quem menos tem, produz e tem contribuido para o pouco que tinhamos (patrImónio esse delapidado por BPN's e bandidos, cuja grande maioria está, duma forma ou doutra, ligada ao PSD e ao PS), roubo escandaloso a quem pagou impostos significativos durante décadas (para quem tem memória curta ou não sabe, 11% SS + 23,75% SS paga pela empresa do trabalho produzido PELO TRABALHADOR + IRS) e agora vê a sua reforma actual ou futura ROUBADA, ao mesmo tempo que ladrões e criminosos do BPN e outros - alguns até conselheiros do PR e PM - ficam impunes, pela obsessão da austeridade direccionada aos mais fracos, enquanto a escumalha de ministros, secretários Estado, ajudantes e assessores de merda gastam como nunca vimos em Portugal, quando, com base na crise, são retirados direitos e são agravadas as diferenças sociais, com total desprezo pela classe média, etc., etc.
E não duvide que a vingança que mencionei, será uma realidade, nem que para isso, aqueles que foram desprezados. cometam a loucura de votar em quem nunca votaram, mesmo sabendo que isso conduzirá o País à bancarota. Como se costuma dizer, perdido por cem, perdido por mil...o último a rir é quem ri melhor, etc.
A legitimidade dum governo ou dos seus ministros, não está apenas ligada aos votos. A partir do momento em que se comprovam irregularidades como as que são conhecidas a Relvas e quando um PM, na sua arrogância e com a atitude típica de quem nunca trabalhou e nada fez de útil na vida o defende e protege, essa legitimidade é perdida. Por menos que isso, o Silva forçou a demissão do anterior governo, que foi o 2ºpior que tivémos em Portugal nos últimos 40 anos. O pior é mesmo este.

Comentar post







Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas