Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Chipre: vigarices internacionalistas

por Nuno Castelo-Branco, em 26.03.13

 

Existe um pequeno pormenor habilmente varrido para debaixo do capacho de entrada da crise cipriota. O Partido Progressista dos Trabalhadores (uma espécie de CDU, enfim, o PC local), tem estado no poder desde há alguns anos, mais precisamente durante os momentos fulcrais da adesão de Chipre à UE e correspondentes enxurradas monetárias vindas da nomenklatura russa. O que terão os camaradas portugueses a dizer acerca deste tipo de internacionalismo? A verdade é que este Partido AKEL*, é um dos mais velhos irmãozinhos do PC, perdão, da "CDU". Ou para estas coisas já não se reconhece a família que também se herda?

 

* O leitor zeca marreca oportunamente lembrou tratar-se de um lambda, assim  AKEA deverá ser escrito AKEL em caracteres latinos. O nosso agradecimento ao leitor do PCP. Quanto ao facto de aqui termos deixado a exótica sigla CDU - uma omnipresente recordação alemã -, tal se deve à necessária mudança de nome eleitoral do PC. Já foi FEPU, passou a APU e estamos na fase CDU. O caso cipriota mostra que o PC local transitou calmamente sobre as brasas plutocráticas que herdou devido aos "laços históricos" com os componentes da extinta URSS, aceitando os factos consumados. Neste caso, até alegremente prosseguiu na senda do progresso, como sempre. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:33


7 comentários

Sem imagem de perfil

De zeca marreca a 26.03.2013 às 14:41

Caro Nuno, 3 notas:


1. A transliteração da sigla é AKEL e não AKEA (a última letra é um lâmbeda). e sí. não esperava tamanha falha, ainda se fosse o Samuel, que nem na antiga PGA conseguiria acertar 20% das resposta, agora vocemercê, com esta desiludiu-me (para além de ter confirmado que nunca foi ao KYПP, não faz a mínima ideia do que está a dizer, nem sobre o que está a falar)...


2. A financeirização da  economia do KYПP e a aposta nos mercados dos CEI e médio-oriente, paralelamente ás históricas ligações com o RU e a Grécia foi decidida nos anos 90, enquanto o AKEЛ (e não AKEA, para os mais distraidos) tinha tanta representação KYПP, como o PCP tem em neste antro de trissómicos designado por portugal!


3. O AKEL (transliteração correcta, caro Nuno) alcançou o governo do Chipre em 2008, já o país tinha aderido ao Euro e há decada e meia que era servia de base de investimento para a UE dde paises periféricos (e não só pela questão fiscal, se quiser que  lhe explique porque também posso)


4. (e esta é de bonus). O AKEL é um partido, não é uma coligação, por isso se for para comparar é com o PCP e não com a CDU!
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 26.03.2013 às 15:09

Obrigado pela correcção, já surge no texto principal. Quanto à CDU, também tem razão: trata-se de uma coligação do PCP consigo mesmo. No que respeita ao Samuel, o leitor está totalmente enganado. Não se iluda, como ele não andam muitos por aí.
Imagem de perfil

De João Pinto Bastos a 26.03.2013 às 18:10

O exemplo do AKEL não é único. Basta pensar, por exemplo, no PCdoB brasileiro que sob a égide do senhor Rabelo integrou um governo muito dado à alta finança. Falo, pois, dos Governos Lula. Mas se não quisermos ir a terras de Vera Cruz, olhemos, também, para os comunistas sul-africanos. Com Mandela, Mbeki ou Zuma, os comunistas aceitaram sempre o jugo do neoliberalismo selvagem. 

Nota: é evidente que estou a ser irónico. O grande problema do comunismo é o facto de os seus prosélitos viverem numa realidade oitocentista que, infelizmente, não sai das suas pobres cabeças.
Sem imagem de perfil

De zeca marreca a 26.03.2013 às 18:51


"O grande problema do comunismo é o facto de os seus prosélitos viverem numa realidade oitocentista que, infelizmente, não sai das suas pobres cabeças."


Já os monarquicos são o expoente máximo do vanguardismo pós-moderno!


(Ele há cada interjeção deprimente cá na tasca que eu não sei se me aguentarei muito tempo a corrigir as vossas asneiras e depois é um free-float de AKEAS monarquicos, de queixumes reais e brazonados ("canalhas dos filhos dos trabalhadores, roubaram, com o seu mérito, a minha bolsa  e o meu empregozinho de diplomata- deviam era estar a olear teares, em vez de tirar cursos superiores, os canalhas") e de revoltas quanto aos sistema político que nos leva a este abismo (deputado? eu? propostas? não me lembro! não podia! davam-me um pontapé no rabo! eu era mais a terra, mas não a ecologia, senão tinha que concordar com os comunas verdes...)




Havia de ser bonito o baile dos hipocritas!
Sem imagem de perfil

De Reborn Teixeira a 26.03.2013 às 19:07

"canalhas dos filhos dos trabalhadores, roubaram, com o seu mérito, a minha bolsa  e o meu empregozinho de diplomata- deviam era estar a olear teares, em vez de tirar cursos superiores, os canalhas"



LOLOLOL, estes tipos do PCP estão habituados a nomeações sem concorrência. Os papás eram os donos do partido e nos sistemas que eles dominaram facilitava-lhes muito a vida. Depois do 25 de Abril tomaram de assalto tudo o que lhes foi possível e é vê-los ainda nas autarquias, nas fundações, institutos públicos. Na comunicação social têm um tempo de antena muito desproporcionado em relação aos votos que os portugueses lhes dão. São uns pândegos, agora até se esquecem do inferno poluído que era o leste europeu e dão em verdinhos por fora. Quanto à ecologia em Portugal, isso foi coisa inventada  pelo PPM do Teles. Ainda bem que por agora, os lápis azuis e os vigilantes se limitam a correcções  em blogues. Bem gostavam de poderem fazer outras coisas. Nos bons tempos, o Saramago era mais esperto: saneava quem queria, já que não havia modo de matar 88% do país, a ralé burguesa. Esses sacanas dos monárquicos infelizmente aboliram a pena de morte que dava cá um jeitinho!
Sem imagem de perfil

De zeca marreca a 26.03.2013 às 19:30

"estes tipos do PCP estão habituados a nomeações sem concorrência. Os papás eram os donos do partido e nos sistemas que eles dominaram facilitava-lhes muito a vida. Depois do 25 de Abril tomaram de assalto tudo o que lhes foi possível e é vê-los ainda nas autarquias, nas fundações, institutos públicos. Na comunicação social têm um tempo de antena muito desproporcionado em relação aos votos que os portugueses lhes dão. São uns pândegos, "


É endereçar a mensagem ao Samuel. mas diz que a mama se está a esgotar. Nem as autarquias lhe pegam, e actualmente Universidades e Carreira Diplomática funcionam por concurso!


Cumprimentos!
Sem imagem de perfil

De Pedro Miguel a 26.03.2013 às 21:29

Vendo este vídeo, percebe-se por que é que aparentes inimigos (comunistas e alta finança) têm tão boas relações, quando os primeiros estão no poder...


http://www.youtube.com/watch?v=kEVOIO4TbZs

Comentar post







Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas