Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Regresso ao passado

por Samuel de Paiva Pires, em 28.03.13

Não há muito a dizer sobre a entrevista de José Sócrates. O "animal feroz" continua mal educado, sem vergonha e a utilizar as mesmas tácticas de manipulação e distorção da verdade e de vitimização. Nunca foi, nunca será um estadista. É um politiqueirozinho, uma das piores criações do sistema das jotas, alguém que rebaixou o debate político a níveis que afectam negativa e indelevelmente um regime democrático, que esmagou moralmente Portugal com a sua arrogância, falta de educação, incompetência e nepotismo, e que depois de ter arruinado financeiramente o país é capaz de dizer que não apresentará nenhum pedido de desculpas aos portugueses por ter deixado o país nas mãos da troika porque não aceita esta responsabilidade.


Impõe-se, contudo, fazer duas notas a respeito da RTP. A primeira, para dizer que Paulo Ferreira e Vítor Gonçalves, tal como Judite de Sousa, são jornalistas fracos e mal preparados para enfrentar Sócrates. Não sei se haverá alguém no jornalismo nacional capaz de o enfrentar, mas não creio que custe muito ser combativo, falar mais alto que ele, falar por cima dele - uma das tácticas que o próprio usa amiúde para calar os jornalistas - e interromper os seus monólogos e distorções confrontando-o com factos objectivos, com as suas mentiras e com atitudes deploráveis que tomou e toma mas que tem por costume acusar os seus adversários de tomar, aproveitando logo para se vitimizar. Não é difícil enfrentá-lo, só é preciso ter algo que, infelizmente, parece desaparecido do jornalismo português: coragem.


A segunda, ainda a respeito do programa de comentário político que Sócrates terá na RTP e da contestação ao mesmo. Ao contrário do que algumas viúvas socráticas e o próprio querido líder querem fazer parecer, não está em causa a liberdade de expressão de José Sócrates. Sócrates tem todo o direito de responder aos seus adversários políticos. Pode fazê-lo noutras televisões, nos jornais, ou, por que não, em blog. Com certeza que seria sempre lido e ouvido por muita gente. Mas fazê-lo na televisão pública, paga compulsoriamente por todos nós, é uma afronta difícil de ajectivar. Por isso mesmo, este parágrafo de Esther Mucznik é certeiro. Também e especialmente por se prestar a ser um joguete nas mãos de políticos, a RTP há muito que já deveria ter sido privatizada. 

 

Por último, relembremos estas sábias palavras de José Sócrates:

 

publicado às 13:28


4 comentários

Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 28.03.2013 às 14:49

Conversa do chácha, foi precisamente isso a que ontem assistimos. Números inventados, mentiras despudoradas e sobretudo, ódios rançosos de gente medíocre, sem a menor envergadura política ou intelectual. Dizem muito, estas guerrazinhas de comadres que aviltam quem nelas se vê envolvido e rebaixam o país inteiro.
Já tinha uma ideia muito concreta acerca do tipo de gente que em nós há tanto tempo manda. Umas larachas decoradas em modo de citações, a escabrosa vitimização - nem se dão conta da auto-menorização! -, tricas e mexericos. Isto aplica-se a Sócrates e a muitos mais, ACS incluído. Foi isso que ontem escutámos até à exaustão. Ali não houve um único momento de grandeza, repensar os erros crassos cometidos, aquela magnanimidade e necessária modéstia que mitigasse um pouco tudo aquilo que o país sabe e teima em calar. 


Não tenho muitas ilusões quanto ao que nos espera e para uma vez mais recorrer a exemplos do passado, recordo as palavras de Eduardo VII, quando após o Regicídio, desabafava com Soveral:


- "Que país é esse em que matam na rua o rei e o seu sucessor, dois cavaleiros da Jarreteira e a primeira coisa que fazem é demitir o governo?! A revolução já triunfou, não é verdade?"


Grosso modo, foram estas as palavras do rei.


Precisamente, era disso mesmo que se tratava no momento. Quanto aos nossos dias, nem sequer haverá revolução alguma, apenas um longo estertor, daqueles que aviltam e nada de bom prenunciam. É fantástica a capacidade que esta gente do regime tem para efabular, truncar, descaradamente mentir ou distorcer a realidade!
Sem imagem de perfil

De Textículos a 28.03.2013 às 15:11

Falta talvez um Vincent Browne por aí
This Is What Happens When A Journalist Forces A Banker To Actually Answer A Question
http://www.liveleak.com/view?i=85c_1363743687
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.03.2013 às 17:12

Este homem é execrável em todos os aspectos, até nos ademanes o é.
Ele fez/faz o mal e a caramunha.  Fez/faz sempre de vítima. Como político foi/é um vaidosão e um completo aldrabão; como entrevistado é de uma sobranceria insuportável; como 1º. ministro foi um dos maiores embusteiros (e houve bastantes) que a pseudo democracia deu à luz. Nunca houve em Portugal um político tão rasteiro alcandorado a governante de primeira plana.
Maria 
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.03.2013 às 18:18

Se Sócrates é manipulador, o que dizer de Portas e de Coelho. O PSD é um partido onde se alojou a ladroagem e onde a arrogancia são o mote. Ao contrário de Sócrates, que foi indubitavelmente o melhor PM de Portugal da era moderna, Coelho e este governo causaram o descalabro do economia nacional. Sócrates disse a verdade e isso é irrefutável e podem espumar de ódio que de nada serve. Contra factos näo há argumentos. O PR e este governo devial ser julgados em tribunal militar e talcez isso esteja bem mais perto do que se espera. Quanto a José Gomes Ferreira, Sócrates chega bem psra ele. É o único grande político da era moderna em Portugal.

Comentar post







Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas