Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Efeitos imediatos

por João Pinto Bastos, em 05.04.13

O acórdão do Tribunal Constitucional trouxe à colação um dilema de difícil resolução: o Governo deve ou não demitir-se? Sim ou não? Bem sei que a indústria do comentário de uma certa "Lesboa", que vive da e para a intriga, já está assanhada com a possibilidade de o Governo cair a breve trecho, porém, é de bom tom recordar aos mais incautos que, com ou sem demissão, o essencial da política em curso não se alterará. Com a Europa bloqueada no imobilismo merkeliano e uma soberania nacional completamente espartilhada é utópico conceber que um acto eleitoral prenhe de demagogia permita a tão ansiada mudança. Mais: em boa verdade, a situação tenderá a piorar significativamente. Dito isto, é evidente que este arranjo governativo não responde de uma forma satisfatória aos problemas do país. Portugal precisa de paz, de trabalho e, acima de tudo, de um espírito de compromisso. Tenho alertado frequentemente para esta necessidade nos meus escritos. Mas, olhando para os rostos desta elite partidocrática, não me parece de todo crível que esse espírito surja, ou, pelo menos, irrompa no curto prazo. O compromisso histórico português não passa, em bom rigor, de um mero sonho. Perante isto, o mais avisado é acender uma velinha e rezar, porque o futuro mais imediato será negro. Muito negro. No fundo, este regime já deu tudo o que tinha para dar. E falhou no essencial: a consolidação de uma democracia madura e civilizada.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:52


1 comentário

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 06.04.2013 às 00:33

Retrato real. E é bom relembrar que a intriga palaciana e o mexerico de rua, são uma fas especialidades duma certa direita neo-liberal.

Comentar post







Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas