Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Buíça para aqui, Buíça para ali.

por Nuno Castelo-Branco, em 16.04.13

 

Na RTP informação - programa Termómetro Político -, uma loura mental que dá pelo nome de Graça Franco, teceu algumas aflitas considerações acerca da disparatada tirada soarista. A respeito de D. Carlos I,a contratada debitou todas as "narrativas" da bem conhecida propaganda da ignorância. Sem sequer se ter dado ao trabalho de rapidamente verificar na Wikipédia quem foi D. Carlos I - sugerir-lhe a leitura de uma biografia séria como aquela escrita por Rui Ramos, seria demais para a tonta cabecinha - , quem era este homem de ciência, o artista e muito mais importante, o estadista, a fulana preencheu o seu tempo com as inanidades que se esperam nestes painéis a soldo. Uma vergonha, principalmente quando tudo isto é pago com dinheiros públicos. A criatura devia entender que a provecta idade do ex-residente em Belém não pode servir de desculpa, pois temos todos a certeza da seriedade das sugestões que tem assoprado. Os outros comentadores estavam visivelmente incomodados com o claro apelo ao sangue que Mário Soares sonoramente fez ouvir no país inteiro, tentando desculpá-lo através de evasivas muito mal conseguidas.

 

O problema reside no oportuno esquecimento que esta gente cultiva como nabos sob chuva fininha e persistente. Temem pelos seus salários ao fim do mês, comprende-se o dilema.

 

A verdade é que Mário Soares tem sistematicamente recorrido ao apelo à violência e em muitas entrevistas chama nomes impublicáveis às autoridades do Estado. Ainda há meses, nas cerimónias comemorativas da grotesca república que nos esmaga, trai, mente e rouba há demasiado tempo, fez precisamente o mesmo numa daquelas tiradas em que a violência verbal se torna norma. Parece  a todo o custo querer sangue. Nada mais, nada menos. É indecente, esta monomaníaca insistência. A família bem podia beneficamente influenciar o homem. O Dr. João Soares, moderado e sensato como é, poderá ser capaz de tentar evitar estes desagradáveis incidentes?

 

Mário Soares lamentavelmente pode citar o Afonso Costa ou o Junqueiro e até regozijar-se com o assassinato de D. Carlos I, um dos seus antecessores na Chefia do Estado. Fica-lhe muito mal. A verdade que devia ser-lhe colocada, considerando a sua filiação republicana, é o absurdo que o situa na mesma fileira do Buíça. Apela ao crime ? Pois então recorde-se da forma como terminou o dito Buíça: em farrapos, pontapeado e cheio de lama, ali mesmo atirado como lixo para o lajedo da Câmara Municipal de Lisboa. Quantos daqueles que rejubilaram com o Regicídio - Machado Santos, António Granjo, Ribeira Brava, entre outros - cairiam da mesma forma e precisamente às mãos dos seus correligionários?

 

Portugal foi pioneiro na abolição da Pena de Morte. Foi a Monarquia quem para sempre a liquidou. Convém lembrar estes pequenos e importantes detalhes. Nestas situações de profunda crise, por vezes acontecem imprevistos e os tiros saem pela culatra. Aqui ficam as fotos. São um alerta, até porque a paciência tem os seus limites.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:56


9 comentários

Sem imagem de perfil

De MIGUEL a 17.04.2013 às 19:56

CARO JOAO
POR MAIS ESTRANHO QUE PAREÇA A OPUS DEI TEM MUITO HAVER COM ISTO TUDO. FALA SE DE POLÍTICOS MAÇONS, COM RAZÃO. NÃO SE FALA DE POLÍTICOS OPUS DEI QUE SÃO OUTROS TANTOS.
PORQUE SE POLÍTICOS JACOBINOS, MAÇONS (IRREGULARES), DESDE QUASE 200 ANOS VIVEM COM A NOSSA DESTRUIÇÃO POR CONTA DE FRANÇA, HÁ 38 ANOS QUE POLÍTICOS OPUS DEI VIVEM PARA NOS DESTRUIR POR CONTA DE ESPANHA. TODOS VÃO NO MESMO SENTIDO... DO NOSSO FIM COMO NAÇAO.
O RESULTADO É ESTE!
QUAL PODE SER O PROGRAMA DUMA SEITA (PALAVRA UTILIZADA POR CARDEAIS EM ROMA) CRIADA COM O APOIO DE FRANCO?


CASO ACADÉMICO =CASO DE ESTUDO


abraço

Comentar post







Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas