Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Cabrões

por José Maria Barcia, em 17.04.13

Perdoem-me a linguagem mas não há outra para o sucedido.

 

Em Boston, três pessoas morreram, incluindo um miúdo de 8 anos que esperava o pai. Outros 170 ficaram feridos. Foi um atentado. Um acto terrorista e quem quer que tenha sido o responsável, é um cabrão filho de uma grande puta que não merece um único pingo de misericórdia, perdão ou humanidade. 

 

Mais de 170 pessoas ficaram feridas. Segundo os media internacionais, houve pessoas que perderam as pernas. Outras submeteram-se a grandes cirurgias pois as bombas estavam repletas de pregos.

 

E que respostas há para quem sofreu? E para aqueles com familiares ou amigos que sofreram?

 

O que aconteceu não é obra de pessoas. Não se pode considerar um atentado como uma obra de um ser humano. Como tal, devem ser abatidos tal e qual animais que são. Ao praticar um acto destes, os responsáveis rejeitam a sua humanidade. São uns cabrões. 

 

Que se fodam estes cabrões. Estes que matam uma criança de oito anos. Oito anos. Custa escrever oito. É tão pouco e com tanto que ficou por vir.

 

Ao Martin, o miúdo de oito anos que foi assassinado por cabrões. Pelos Martins desse mundo que são assassinados por cabrões, todos os dias. Sempre com eles, sempre contra os cabrões.

publicado às 02:48


3 comentários

Sem imagem de perfil

De Pedro Miguel a 17.04.2013 às 11:17

Quando três mortos num atentado nos States valem mais do que 55 mortos em vários atentados, no Iraque...
Sem imagem de perfil

De Pedro Miguel a 17.04.2013 às 11:18

http://www.ksn.com/2013/04/15/baghdad-attacks-kill-at-least-55/
Imagem de perfil

De José Maria Barcia a 17.04.2013 às 14:41

Não é uma questão de uma vida valer mais que outra. É trágico, tanta quanto um atentado. Mas e então? Onde quer chegar?

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds