Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mas... quem é a fulana?

por Nuno Castelo-Branco, em 22.04.13

...“na História de Portugal não há nenhuma mulher com a dimensão de Maria Eugénia Neto”.


Em poucas palavras, a polémica(zinha) gira em torno de um sujeito que dava pelo nome de Neto e que foi em devido tempo abatido aos efectivos da Internacional pelos perigosamente zelosos serviços de saúde da URSS.  Portuguesmente falando, "limparam-lhe o sebo", numa exacta cópia daquilo que prodigalizaram ao argelino Houari Boumedienne. É o que se diz em Luanda.


Antes de Abril de 1974, Neto viu a sua organização tornar-se num ridículo grupúsculo sem qualquer importância e precisamente por isso, os seus tutores de Moscovo preparavam-se para lhe retirar o apoio. No terreno, os pérfidos portugueses tinham vencido a guerra, liquidado a FNLA, colonizado a UNITA e quanto ao MPLA, reduziram o conflito à dimensão de meras patrulhas de manutenção da segurança das fronteiras. Já após o desastre que vitimaria milhões em menos de quinze anos, aconteceu um daqueles típicos ajustes de contas entre camaradas - o bom exemplo de 1936 estava apenas a quatro décadas de distância - e num ápice, foram eliminados mais de trinta mil "divisionistas". O dó e a piedade também não contaram nesta espécie de reedição dos Processos de Moscovo e esta é uma verdade pesada, absoluta. Tal não significa que o Nito Alves ou a Cita Vales fossem grandes peças a considerar ou bípedes merecedores de pranto, mas também não valerá a pena negar aquilo que Angola inteira - do Congo ao Cunene - muito bem sabe.


Talvez fosse positivo ficarmos a saber algo acerca desta "heroína dos trópicos". Quem é? Será mais uma espécie de Jinga-windeck? A verdade é que jamais tinha ouvido falar na dita senhora. 

publicado às 22:36


1 comentário

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 23.04.2013 às 00:40

Mais uma de perna aberta que anda a chupar os pobres coitados que estoiram de fome em Luanda. Fez pela vida, "subiu deitada"!

Comentar post







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas