Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Um discurso malfadado

por João Pinto Bastos, em 25.04.13

Não percam demasiado tempo a zurzir em Cavaco. É inútil. Se há algo que o discurso do preclaro presidente ensina, concordando ou discordando do seu conteúdo (eu tendo a concordar com alguns aspectos), é que a civilidade política só emerge numa monarquia constitucional. Cavaco pouco ou nada interessa. Não ata nem desata. O fulcro da questão prende-se com a necessidade inadiável de assegurar um cimento aglutinador, que proteja a comunidade política dos inumeráveis achaques dos seus membros mais agitados. That's the question.

publicado às 17:05


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.04.2013 às 03:29

A questão é um regime que atribui poder a alguém por uma questão de nascimento, de sangue, de linhagem. É moralmente indefensável e eticamente questionável. Pode até ter aspectos positivos mas pelo princípio basilar que preconiza, não obrigada. O país não está bem, há muito para mudar, precisamos de muitas coisas mas não será de um rei. Mais uma vez, obviamente não. Muito obrigada.
Sem imagem de perfil

De VH a 26.04.2013 às 10:12

Os britânicos, suecos, dinamarqueses, noruegueses, belgas, holandeses, são imorais e na ética então, nem se fala! Uma podridão.

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds