Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Continuando a viajar pela nossa terra,

por Cristina Ribeiro, em 05.05.13

agora pela Beira Alta, por " Terras do Demo ", tantas são as razões porque os olhos ficam maravilhados!

Esta, das que mais me deixaram encantada com o que em Portugal podemos ver e  apreciar, foi fruto do providencial acaso, que nos mandou seguir a direcção da placa que sugeria a visita ao Dólmen da Senhora do Monte.

Estávamos na serra de Leomil ou da Nave, na freguesia de Penela da Beira, concelho de Penedono; alguns klms de caminho poeirento, mas ele, o fascínio, ali estava, à nossa frente.

Descoberto por equipa de arqueólogos em 1961, parece ser caso único no mundo: uma anta com cerca de 5 mil anos, que foi reaproveitado e cristianizado na Idade Média ( século XV? ) ao aproveitar-se a estrutura da construção megalítica para aí se erguer uma capela, servindo a câmara de altar. Fabuloso monumento emoldurado por xistoso muro e ladeado de vegetação a tornar mais vivo tão lindo quadro. 

Mas os vestígios de tão antiga necrópole não se ficam por aí, e muito perto do dólmen principal, outros, de menores dimensões, foram encontrados e explorados nesses anos 60 do passado século, dando-nos conta a placa informativa de aí se ter encontrado rico espólio de setas, machados e cerâmica.

                                                                                                              

 

 

 

 

 

 

publicado às 20:42


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Duarte Meira a 06.05.2013 às 22:30

Terras magníficas, essas, estimada Cristina. Mas, por favor, não contibua para lhes manter o apodo infeliz que por causa de Aquilino se vulgarizou (mas que logo na altura o abade Vasco Moreira, de Sernancelhe, repudiou com toda a dignidade e justiça).

E que volte para passear, de facto, pela serra da Nave ou de Leomil (esta uma simpática aldeia que foi berço da velha família Coutinho). Digo de facto porque a serra abrange os concelhos de Moimenta da Beira e de Vila Nova de Paiva, mas não o de Penedono (de que os Coutinhos foram alcaides-mores), onde a Cristina esteve. Esta terra de Penedono já cheira a Douro, como as outras ao lado (Pesqueira, Armamar, Tabuaço) que, com outras da margem norte do rio, deveriam fazer parte dum distrito que abrangeria grosso modo a zona demarcada vinícola e com capital na velha Lamego. Têm um carácter vincadamente diferente das outras beirãs, integradas no distrito de Viseu.
Imagem de perfil

De Cristina Ribeiro a 06.05.2013 às 22:41

Obrigada pela correctiva, Duarte. Estive nessas regiões de Moimenta da Beira e de Vila Nova de Paiva, donde a generalização. Mas, sim, tenho, assim o possa, de lá voltar porque ficou a sensação de pouco ter visto, apesar de três dias muito cheios.

Comentar post







Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas