Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




 

Roger Scruton, "Identity, family, marriage: our core conservative values have been betrayed":

 

«Burke was a great writer, a profound thinker and a high-ranking political practitioner, with a keen sense both of the damage done by the wrong ideas, and the real need for the right ones. Political wisdom, Burke argued, is not contained in a single head. It does not reside in the plans and schemes of the political class, and can never be reduced to a system. It resides in the social organism as a whole, in the myriad small compromises, in the local negotiations and trusts, through which people adjust to the presence of their neighbours and co-operate in safeguarding what they share. People must be free to associate, to form "little platoons", to dispose of their labour, their property and their affections, according to their own desires and needs.

 

But no freedom is absolute, and all must be qualified for the common good. Until subject to a rule of law, freedom is merely "the dust and powder of individuality". But a rule of law requires a shared allegiance, by which people entrust their collective destiny to sovereign institutions that can speak and decide in their name. This shared allegiance is not, as Rousseau and others argued, a contract among the living. It is a partnership between the living, the unborn and the dead – a continuous trust that no generation can pillage for its own advantage.

 

(...)

 

Our situation today mirrors that faced by Burke. Now, as then, abstract ideas and utopian schemes threaten to displace practical wisdom from the political process. Instead of the common law of England we have the abstract idea of human rights, slapped upon us by European courts whose judges care nothing for our unique social fabric. Instead of our inherited freedoms we have laws forbidding "hate speech" and discrimination that can be used to control what we say and what we do in ever more intrusive ways. The primary institutions of civil society – marriage and the family – have no clear endorsement from our new political class. Most importantly, our parliament has, without consulting the people, handed over sovereignty to Europe, thereby losing control of our borders and our collective assets, the welfare state included.»

publicado às 17:15


6 comentários

Sem imagem de perfil

De JOSE MACEDO a 11.05.2013 às 19:41

For me, this is a very hate speech: «Lech Walesa – 'Gays should be made to sit at the back in parliament'» (http://www.thenews.pl/1/9/Artykul/128799,Lech-Walesa-%E2%80%93-Gays-should-be-made-to-sit-at-the-back-in-parliament). 

So, how to prevent and punish such insults...? Yes, ...they are insults to human dignity.

regards

José Macedo

Sem imagem de perfil

De JOSE MACEDO a 11.05.2013 às 19:46

HOLOCAUST DENIAL IS A FORM OF HATE SPEECH
«Having said that, Holocaust denial constitutes a special category of speech that does not necessarily merit protection, certainly not in all places. We should always bear in mind the given historical context and circumstances. Holocaust denial is far from being innocent. It is a propaganda movement that seeks to deny the reality of the Holocaust, the systematic mass murder of six million Jews and millions of others deemed ‘inferior’ by the Nazi regime. Misrepresenting their propaganda as ‘historical revisionism’, Holocaust deniers attempt to disseminate their extremist ideas by offering unsupported arguments against the well-established historical facts of the Holocaust. Their beliefs include accusations that Jews have falsified and exaggerated the tragic events of the Holocaust in order to exploit non-Jewish guilt. Holocaust denial groups have posted thousands of Web pages, filled with distortions and fabrications, designed to reinforce negative stereotypes.»
http://ojs.ubvu.vu.nl/alf/article/view/105/188 (http://ojs.ubvu.vu.nl/alf/article/view/105/188)


Sem imagem de perfil

De Duarte Meira a 11.05.2013 às 22:21

«This shared allegiance is not, as Rousseau and others argued, a contract among the living. It is a partnership between the living, the unborn and the dead – a continuous trust that no generation can pillage for its own advantage.»

Foi, nos últimos 39 anos, o desprezo por esta verdade capital - que deixou os jovens portugueses de hoje sem vida minimamente digna no seu próprio país.
Sem imagem de perfil

De JOSE MACEDO a 12.05.2013 às 04:26


1.A liberdade individual está acima do interesse da sociedade. Como indivíduo, não me podem obrigar a cumprir determinados preceitos que não estejam escritos na Constituição e/ou nas leis em vigor. Na minha opinião, o verdadeiro liberalismo não pode ser concebido de uma forma segmentada de acordo com os interesses de grupos e estratos sociais, mas sim numa base mais ampla e abrangente que evite o conservadorismo de direita ou o estatismo de esquerda. 

 
2. Nos últimos 39 anos, podem ter sido implementadas muitas políticas erradas, mas, pelo menos, a democracia implementou-se, com percursos mais ou menos bons. O elitismo e a sobreposição do interesse da ordem social e do conservadorismo dos bons costumes que impedia a liberdade individual (pois não é apenas no direito à propriedade em que se deve centrar o liberalismo, embora esta seja importante e a qual defendo como liberal). Queriam então que se mantivessem a sadia e sana estrutura social fascista? Ou a substituição por uma massificação comunista? 



3. Compreendo que determinadas medidas políticas não colham a aceitação dos conservadores, mas determinadas medidas progressistas são necessárias para a evolução das sociedades, pois estas não se desenvolvem apenas com base no liberalismo económico. O progresso também inclui a renovação das mentalidades, o aumento do conhecimento científico e cultural, uma maior aplicação da ciência na sociedade, o afastamento do pessimismo antropológico tão caro à direita, entre outros aspectos. 


Cumprimentos
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 12.05.2013 às 17:01

«...The primary institutions of civil society – marriage and the family – have no clear endorsement from our new political class. Most importantly, our parliament has, without consulting the people, handed over sovereignty to Europe, thereby losing control of our borders and our collective assets, the welfare state included.»

Magnífico extracto. Clarinho como água. Sendo esta, sem esquecer as outras igualmente importantes, uma das grandes tragédias que se abateu sobre as sociedades modernas.
Maria
Sem imagem de perfil

De JOSE MACEDO a 12.05.2013 às 19:31

E a liberdade individual de não seguir essas duas instituições primárias? Quem o fizesse acabaria, certamente, por ficar mais"excluído" de uma sociedade que se tornaria demasiado direccionado apenas num sentido. 


Se a tão apregoada liberdade de escolha ao nível da educação, à qual não me oponho,  feita nomeadamente pela direita conservadora (e liberal), porque razão a direita conservadora apenas admite liberdade de escolha nos assuntos que mais lhe convém? A liberdade apenas serve como justificação para reclamarem aquilo que mais lhe interessa? Ou também advogariam essa mesma liberdade ao casamento e à família? Por certo que não...dois pesos e duas medidas...


Concordo com a defesa da vida, mas terá de existir liberdade ao nível do casamento e da família, no sentido de haver flexibilidade perante os vários tipos de famílias que vão começando a existir. Apoio à família sim e nomeadamente aos filhos e claro uma estreita ligação com os familiares. Quanto ao casamento não é essencial que se mantenha nos moldes tradicionais, uma vez que a educação dos filhos biológicos e/ou adoptados não depende do modelo de um casamento com "aprovação social", mas sim de um casamento, seja ele homossexual ou heterossexual, que diga respeito apenas aos cônjuges, em cumprimento com a lei e a Constituição e não com a tradição transmitida através das gerações, porque se trata de um contrato entre os vivos e as gerações vindouras; assim se justifica a "modernização" e progressão das sociedades modernas e ainda bem!


cumprimentos
Jose 

Comentar post







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas