Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Camaradas para sempre

por Nuno Castelo-Branco, em 14.05.13

 

Que estranhas são as actuais lideranças no leste europeu. Odiadas no ocidente pelo "neo-liberalismo" que lhes é apontado como mania, estas chefias provêm do frutuoso labor dos agora extintos partidos comunistas que um dia tiveram um muito capitalista monopólio do poder  em todas as suas vertentes. No país mais poderoso da Europa, pátria de noventa milhões, o dirigente supremo veio do lado de lá da agora invisível barreira que separava a Alemanha de si própria. A Chanceler Merkel tem sido o alvo preferencial da esquerda ocidental, mas a verdade é que a dita senhora foi cuidadosamente preparada pela gente do liquidado regime de Pankow. Enquanto no território que um dia se chamou RFA, os sectores nacional-socialistas contam com um apoio residual, no leste o panorama é bem diverso. O antigo SED parece ter sido uma magnífica escola para os seguidores do partido do Führer, enquanto na Rússia - apesar da "Grande Guerra Patriótica" -, Roménia, Bulgária, Países Bálticos e Hungria,  pululam organizações abertamente hitlerianas.

 

Poderão os nossos leitores do PC explicar a que se deve todo este fervor?

publicado às 00:08


Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds