Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Pensar a sério dá muito trabalho

por Samuel de Paiva Pires, em 17.05.13

Um texto ilustrativo do modo de pensar ignorante e arrogante de certos progressistas. Atente-se particularmente no desfecho com um tom de ameaça velada e na auto-satisfação por se fazer parte do "lado certo da História." Supimpa!

 

O erro dos progressistas é estarem aprisionados pelo futuro, desconhecido, enquanto acusam os conservadores de serem reféns do passado, quando é no passado que encontramos os fundamentos da civilização e os elementos que permitem explicar o caminho que temos feito até aqui. Ser progressista é, de facto, muito mais fácil, e não admira que seja o tipo de pensamento dominante na civilização do espectáculo, do efémero e do superficial em que vivemos.

 

Afinal, como salientou Chesterton, «O futuro é uma parede em branco, em que qualquer homem pode escrever o seu nome do tamanho que lhe aprouver; o passado é que já vem preenchido com gatafunhos ilegíveis, como Platão, Isaías, Shakespeare, Miguel Ângelo, Napoleão. Não me é custoso estreitar o futuro à minha dimensão; já o passado tem mesmo de ter a amplitude e a turbulência da humanidade. E a conclusão desta atitude moderna é, no fundo, a seguinte: os homens inventaram novos ideais porque não se atrevem a acometer os ideais antigos. Olham para diante com entusiasmo porque têm receio de olhar para trás. (...) Falam-nos hoje muito do valor da audácia com que um qualquer rebelde ataca uma tirania antiga ou uma superstição antiquada. Mas atacar coisas antigas e antiquadas não é grande prova de coragem, como não é prova de coragem atacar uma avó. O homem verdadeiramente corajoso é aquele que desafia as tiranias jovens como a manhã e as superstições frescas como as primeiras flores. O verdadeiro livre-pensador é aquele cujo intelecto estão tão liberto do futuro como do passado. Aquele que se preocupa tão pouco com o que virá a ser como com o que foi; aquele que apenas se preocupa com o que deve ser.»

 

Leitura complementar: A respeito da co-adopção por homossexuais; Resumo de uma semana horribilis; Mais uma fronteira; Co-newspeak; Teoria da representação; Causas invertidas; Afinal, faz ou não sentido que a direita seja liberal e conservadora?

publicado às 20:52


5 comentários

Sem imagem de perfil

De Duarte Meira a 17.05.2013 às 22:07

« .... que apenas se preocupa com o que deve ser.»

Samuel:
 
Há pouco dei-lhe os parabéns pelo seu outro texto de hoje, mas esqueceu-me de fazer ressalva duma reserva no que diz respeito ao deputado Michael Seufert e à atitude tomada por este hoje no parlamento. A lógica deste parece ser: já que se legalizou o mal maior, então legalize-se agora um mal menor. Eis um exemplo bem típico dos "conservadores" que não vale a pena conservar, porque parecem incapazes de conservar, antes de tudo, acima de tudo e sempre... - "o que deve ser"-
Sem imagem de perfil

De JOSE MACEDO a 17.05.2013 às 22:44

Quando o cristianismo começou a rejeitar determinados costumes romanos e gregos já mais ou menos estabelecidos (aqui não incluo a pederastia) e de outras civilizações, a respeito destes assuntos, estaria a ser conservador ou progressista, de acordo com com o seu ponto de vista? cumprimentos
Sem imagem de perfil

De Duarte Meira a 17.05.2013 às 23:38


Sr. José Macedo:

Não é preciso trazer o Cristianismo a uma questão que é de senso comum natural e universal (exceptuando esta parte desvairada do mundo e desgarrada da natureza em que vivemos no "ocidente").

Mas, já que fala nisso, lembre-se de que no velho paganismo grego a homossexualidade era uma instuição em particulares contextos e grupos sociais. Com relação  a isso veja a 1ª carta de Paulo aos Coríntios, 6, 10. (E lembre-se de outra coisa: desde a chamada Renascença, neste mundo ocidental, há muito quem queira retornar a esse paganismo.)
Sem imagem de perfil

De Sofia a 18.05.2013 às 19:01

Excelente, Samuel! Alguém que traga ares de normalidade a este caos. 


Aproveito para lhe dar os parabéns por conseguir gerir um blog em que tem um jovem José Barcia a esboçar um discurso típico do bloco de esterco e sem qualquer noção dos efeitos de longo prazo destes passos para o abismo. Gabo-lhe a paciência. 


Cumprimentos! Continue na defesa daquilo que deve ser. 
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 19.05.2013 às 12:37

Mais uma gaja convencida que dá ordens a comentar. Estas gajas ainda não perceberam. Quanto ao autor, seria boa ideia, duma vez por todas, clarificar na sua cabeça, as suas posições e não andar dum lado para o outro como um catavento. E um pouco de humildade faz falta.

Comentar post







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas