Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Até sempre, pai

por Samuel de Paiva Pires, em 26.05.13

 

Não consigo precisar com exactidão há quanto tempo comecei a pensar de forma séria sobre questões existenciais e, portanto, a condição humana e a sua fragilidade. Recordo-me de pensar, quando era criança, que era eterno e, por conseguinte, as pessoas que me são queridas, os meus familiares, eternos seriam. Entretanto cresci e na idade adulta, quando me tornei mais independente e autónomo, comecei a pensar que mais cedo ou mais tarde teria de me começar a despedir de algumas pessoas.

 

A par desta consciencialização, ou talvez em virtude desta, surgiu em mim, há algum tempo, a necessidade de pensar a minha relação com Deus e a minha posição em relação à religião – entre outras coisas, também por saber do conforto que aos crentes esta possibilita em face da finitude. Entre as várias leituras que tenho feito, lembro-me de ter começado a ler, embora não tenha terminado, A Morte, da autoria de Maria Filomena Mónica. O pai da autora era natural de Águas Belas, uma aldeia pertencente ao concelho de Ferreira do Zêzere, e ali tiveram lugar as cerimónias fúnebres daquele. A Igreja sita nesta mesma aldeia está patente em algumas das minhas mais remotas memórias de infância, por ali passar obrigatoriamente com o meu pai a caminho de casa dos meus avós. Por vicissitudes várias estranhas a este propósito estive não sei bem quantos anos, mas creio que 8 ou 9, sem praticamente ali passar. Tantos quantos os anos que estive sem ver o meu pai, de seu nome Diamantino Pires. Foi já aos 18 anos de idade, pouco antes de entrar para a faculdade, que voltei a passar ali e foi inclusive ali perto, mais concretamente junto da Igreja de Ferreira do Zêzere, que me encontrei com o meu pai após aqueles anos. Procurámos, de alguma forma, recuperar o tempo perdido e foi assim que voltei a passar frequentemente pela Igreja de Águas Belas a caminho de casa dos avós.

 

Pelo meio, a minha avó havia já falecido e eu, infelizmente, não estivera presente nesse momento. Estive, mais tarde, com o meu pai, tia e prima junto da sua campa, ao lado daquela que um dia será do meu avô. A ordem natural das coisas leva-nos, claro está, a pensar que serão os mais velhos a deixar-nos primeiro. E a observação das fragilidades a que estão sujeitos, especialmente em virtude da provecta idade que vão alcançando, começa a pairar-nos cada vez mais na mente, de modo que de forma latente estamos sempre a aguardar o fatal telefonema.

 

Assim foi. Só estava longe, muito longe sequer de imaginar que seria o meu pai a ausentar-se, com apenas 58 anos, sem que nada o deixasse antever, sem que sequer tivéssemos tempo de nos despedir, sem que sequer lhe pudesse dizer que o amo. O meu pai, que tanto orgulho tinha em mim, talvez nunca tenha sabido do orgulho que eu tenho nele, de como admiro o seu percurso de vida, as coisas que fez e o seu espírito de aventura. Estando a estudar em Coimbra aquando do 25 de Abril, cansou-se das cargas policiais e decidiu enveredar pela carreira militar, tendo sido paraquedista. Após o conturbado ano de 75, acabou por deixar a tropa e decidiu andar durante uns anos a viajar pelo mundo enquanto trabalhava em navios de marinha mercante. Não sou capaz de enumerar todos os países, cidades e portos por onde passou e, infelizmente, sei poucas das milhentas histórias que certamente teria ainda para me contar e aos futuros netos. Em meados dos anos 80 casou-se com a minha mãe e estabeleceram-se na Islândia, onde eu vim a nascer. Antes de regressarmos a Portugal, tinha eu pouco menos de um ano de idade, ainda teve tempo para aprender a pilotar pequenos aviões. Entretanto fundou com o meu tio uma empresa de construção civil, onde esteve até há alguns anos, antes de retornar a Ferreira do Zêzere e ao campo, onde além de cuidar do que à nossa família pertence, ainda ajudava, amiúde, vizinhos e amigos. A minha avó sempre foi tida por todos como uma santa, e ainda é com muita frequência que oiço pessoas contarem episódios na primeira pessoa em que a minha avó teria ajudado a alimentá-los e os teria acarinhado. Da mesma maneira, o meu pai era genuinamente boa pessoa, como já há poucas, e entregava a sua generosidade a todos quanto podia e o melhor que podia.

 

Depois da paixão pelos ares e pelos mares, porém, surgiu-lhe a paixão pelas motas, que lhe valeu uns quantos acidentes graves que o levaram a retornar à primeira paixão, acabando por se tornar parapentista. Talvez tivesse preferido deixar a nossa companhia enquanto viajava pelo ar. Sei bem da sensação de paz que se sente lá em cima quando apenas se ouve o vento, e da de liberdade que nos perpassa o corpo e o espírito quando sentimos que nos podemos deslocar em qualquer direcção sem nada encontrarmos a obstar-nos o caminho. Mas foi em terra, no mesmo sítio que o viu nascer e crescer e na mesma data do falecimento da minha avó, 22 de Maio, que o meu pai deixou a existência para ascender à essência, ao princípio e ao fim de tudo. Do pó vimos e ao pó retornamos, deixando a matéria para vivermos apenas na memória dos nossos entes queridos.

 

Só gostava de ter tido mais tempo contigo, meu pai, e especialmente de me ter podido despedir de ti e dizer-te o quanto te amo ainda em vida. Obrigado por tudo. Até sempre, pai. 

publicado às 19:10


22 comentários

Sem imagem de perfil

De Isabel Metello a 26.05.2013 às 20:41

Os meus sinceros sentimentos, Samuel!

Isabel Metello
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 26.05.2013 às 23:52

Muito obrigado, cara Isabel.
Sem imagem de perfil

De Nelson Mendes a 26.05.2013 às 20:58

Muita Força Caríssimo. 
Os meus sinceros pêsames. 
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 26.05.2013 às 23:54

Obrigado, caríssimo! Um abraço
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 26.05.2013 às 23:17

Espero que te lembres do que te disse. Amanhã falaremos.
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 26.05.2013 às 23:55

Claro que sim. Grande abraço
Imagem de perfil

De João Pedro a 27.05.2013 às 01:46

Belíssimo texto, Samuel. Se se pode falar de um estado sentido, é pelo sentimento que de lá emana". Os meus sentimentos.
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 27.05.2013 às 09:16

Muito obrigado, meu caro João Pedro! Um abraço
Imagem de perfil

De Pedro Quartin Graça a 27.05.2013 às 07:51

Grande abraço Samuel!
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 27.05.2013 às 09:17

Muito obrigado, Pedro. Um abraço
Imagem de perfil

De João Távora a 27.05.2013 às 09:16

Um belo texto, uma bela homenagem à corrente de Vida que sempre continua. Que Deus guarde o seu pai na Sua infinita misericórdia, Samuel. 
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 27.05.2013 às 09:22

Muito obrigado, meu caro João. Um grande abraço
Sem imagem de perfil

De Carlos Velasco a 27.05.2013 às 10:48

Samuel,

Sinto muito pela sua perda. É natural que um filho enterre o seu pai, mas a despedida nunca é isenta de dor, especialmente quando o pai é ainda tão jovem.
Que não te faltem forças e que a Providência receba o seu pai de braços abertos.

Um abraço.
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 27.05.2013 às 12:56

Muito obrigado, caro Carlos. Um grande abraço
Sem imagem de perfil

De soliplass a 27.05.2013 às 23:33

Caro Samuel,


Só agora vi esta triste notícia, as minhas condolências neste momento sempre difícil que atravessa. 


É provável que tenha conhecido, ou que me tenha cruzado com o seu pai. Parapentistas não fomos muitos.
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 28.05.2013 às 16:33

Muito obrigado meu caro, pelo comentário e pelo post. É bem provável, também estive em Linhares uma vez num festival com o meu pai. Um abraço
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 28.05.2013 às 02:15

Sentidos pêsames, Samuel. Um abraço.
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 28.05.2013 às 16:33

Muito obrigado, caro Pedro. Um abraço
Sem imagem de perfil

De Nuno a 28.05.2013 às 13:47

Caro Samuel, sem o conhecer para além da minha leitura atenta das suas palavras, obviamente serei breve e conciso, pois, nesta hora, as palavras assumem um peso irreprimível. Por conseguinte, a minha solidariedade e a crença de que, perante este seu post, a memória do seu pai está muito bem entregue em si. 
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 28.05.2013 às 16:36

Muito obrigado, caríssimo Nuno. Um abraço

Comentar post


Pág. 1/2







Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas