Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Krugman, cállate!

por João Pinto Bastos, em 29.05.13

O espaço público tem vindo a ser desajeitadamente ocupado por nulidades andantes, sobretudo quando está em jogo a emissão de prognósticos sobre a ciência mais oculta da contemporaneidade, comummente conhecida por economia. A indústria do falatório comentadeiro abrange um pouco de tudo: desde economistas nobelizados até políticos falastrões. Hoje, vou falar-vos de um economista nobelizado. Não é português, como, certamente, calculam, porém, a proveniência americana do dito cujo não obstou a que o mesmo, pago principescamente, exerça os seus dotes de cartomante, num estilo que pede meças aos Professores Karamba da Brandoa. Falo, pois, de Paul Krugman, o mago americano. Ontem, num exercício de puro masoquismo, li um dos últimos libelos deste comentadeiro nato. O que disse, então, Krugman? Estão preparados? Pois bem, aqui vai: Krugman, o especialista-mor em boutades rançosas, afirmou que a solução para a crise portuguesa está numa política monetária e orçamental expansionista. Ou seja, depois de nos termos endividado até ao tutano, a única solução que temos à disposição é a continuação deste boníssimo programa de endividamento maciço. Fantástico, não é? A ideologia de Krugman baseia-se num princípio que, em bom rigor, não destoa em nada da visão mirífica do papá da República, Mário Soares. Não há dinheiro? Imprima-se! O país não cresce? Invista-se maciçamente. Os juros sobem? O BCE   imprime dinheiro! O desemprego aumenta? Criem-se mais postos de trabalho na função pública! As empresas fecham? Proíba-se a circulação de capitais. Estão a perceber a lógica da coisa? Esta gente vive numa redoma, bem fechadinha, completamente imune à realidade. Portugal bateu com a cabeça na parede, mas a única coisa que Krugman tem para dizer, logo ele que tem a obrigação de saber um pouco mais da poda, é que a solução para os problemas existentes é a repetição inverosímil do caminho que nos guindou a este caos financeiro e económico. A realidade é, de facto, um instrumento facilmente modificável ao sabor dos nossos desejos abstractos. O que importa é que os nossos sonhos juvenis de crescimento económico eterno, regadinho a crédito, permaneçam indemnes. Nem que para isso os contribuintes sejam fiscalmente sodomizados. Bela solução, caríssimo Paul. É por estas e por outras que o prémio Nobel se encontra nas ruas da amargura. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:11


Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.







Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds