Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Seguro e a apanha do fruto do crescimento

por John Wolf, em 03.06.13

Dizem eles que Seguro vai de partido em partido em busca do consenso e do crescimento. Cá para mim dá ares de outra graça que não tem piada nenhuma. Aliás, é tão caricato que nem chega a ser cómico, mas aparenta qualquer coisa de trágico. No meu entender, como a sua cabeça não é capaz de pensar uma para a cesta, resta-lhe ir bater à porta dos outros para ver se a sopa de pedra se compõe. Como afirma que vai quebrar o gelo, devemos concluir que as soluções de governação estão há muito tempo congeladas na arca frigorífica e que o brilhantismo de Seguro apenas se irá revelar quando o actual governo derreter por completo e ele chegar ao poder. Para além disso, penso que Seguro não quer apenas o governo de Portugal. Deseja um dois em um ou algo que ainda não tem um DNA definido. O consenso, ou a pretensão ecuménica que gira em torno de um abraço alargado aos diferentes actores políticos, parece uma versão B de um governo de salvação nacional. Pelos vistos, se falhar São Bento, poderá sempre se sugerir para Belém enquanto representante de todos os Portugueses (menos os laranjas). Sabemos que os pedidos para reunir com os prospectivos parceiros foram enviados por correio electrónico (já está a funcionar) e que provavelmente as receitas para o crescimento possam ser devolvidas pela mesma via. A pergunta que Seguro coloca aos outros nem precisa de palavras para se entender. O lider do partido socialista estende a mão para que lhe ofereçam umas ideias para o crescimento da economia, outras para o emprego, e se sobrarem algumas, para o próprio consenso que serve neste caso para levar e lavar as soluções pensadas por outros. Uma especie de plágio de amigo político ou compincha sindical, de Peniche. Se Seguro não é capaz de conceber um plano integrado de crescimento, como pode aspirar a ser chefe de governo? Seguro parece ter boa vontade, mas falta-lhe tanto para inspirar competência. Diz ele que o país fica e os políticos passam, mas eu não sei se é bem assim. No meu juízo os políticos não arredam pé e o país vai-se "passando" com a residência permanente de ex-governantes. Quando ele tiver esse consenso que tanto deseja o que fará? Será que leva esses partidos e sindicatos todos para o poder? Ou será que vai bater à porta dos que ele afirma terem vendido a alma à direita. Veremos o que irá acontecer a este quebra-cabeça. Quebra-gelo.

publicado às 12:04


2 comentários

Imagem de perfil

De Equipa SAPO a 04.06.2013 às 13:30

Boa tarde,

O seu post está em destaque na área de Opinião da homepage do SAPO.

Atenciosamente,

Catarina Osório
Gestão de Conteúdos e Redes Sociais - portal SAPO
Imagem de perfil

De John Wolf a 04.06.2013 às 14:17

Boa tarde Cara Catarina Osório,

Muito obrigado pelo destaque concedido ao post. É um prémio recebido com muito gosto e que alimenta futuros artigos.


Cordialmente,


John

Comentar post







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas