Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Filosofar é aprender a morrer (4)

por Samuel de Paiva Pires, em 11.06.13

 

Alçada Baptista, Peregrinação Interior - Reflexões sobre Deus:

 

«Relato necessário duma peregrinação pessoal, não pretendo com ele ser exibicionista, se bem que viver é também ser capaz de perder um certo pudor. Quando o meu pai morreu, eu já era homem. Já tinha a maturidade que me permitia tirar da sua pessoa todas as cargas míticas e saber olhar objectivamente os seus defeitos e virtudes, e por isso soube avaliar o peso da sua grandeza humana e o significado que ela teve para mim. Algum tempo depois da sua morte, comecei a pensar que nunca lhe dissera nada disso e que a morte o levou sem que eu lhe tivesse abertamente revelado o muito que gostava dele. E se analiso as razões porque o fiz, creio que foi por pudor, por este absurdo que se apodera das pessoas e que não permite que se diga a um pai o muito que se pode gostar dele. Nos meus filhos, passa-se que deixam de me dizer que gostam de mim à medida que não são capazes de me aparecer nus. Assim se prolonga um diálogo insinuado, por suposições, por cálculo, por subjacências, quando nada devia haver de mais simples e aberto do que o diálogo de amor de pais para filhos, de homens para mulheres, de pessoas para pessoas. A literatura está cheia de insinuações veladas de seres que gostaram tremendamente de outros, mas essas vozes de amor transferem-se, curvam-se, corrigem-se, num espartilho vitoriano que nos abafa e comprime e de que a muito custo nos conseguimos libertar. Assim andamos, com o coração apertado na garrafa da vida, a bater timidade pelo gargalo da vida.»

publicado às 10:56


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Duarte Meira a 11.06.2013 às 21:01


Caro Samuel:

Vale a pena citar o subtítulo deste 1º vol. da Peregrinação Interior: "Fragmentos do Memorial do combate que Jacob Alçada Baptista vem travando com o anjo que lhe foi atribuído".
No último parágrafo do penúltimo capítulo (15º) diz assim. "Gostaria de dar luta até ao fim ..."
E logo após, numa epígrafe do 16º, encontra-se a memoranda frase de Platão-Montaigne que o Samuel escolheu para esta série de apontamentos.
Permita-me mais uma citação (do cap. 6º):
"Homem é uma coida que só se decide na hora da morte."

Foi uma sorte grande que lhe calhou na Feira, um tal livro. E por "4 euros"! Aliás merecida, porque eu creio o Samuel aproveitará muito da companhia desse sábio mais avançado na nossa Peregrinação comum. (E lá verá patentes algumas das causas mais secretas e ponderosas da desagregação da situação política anterior, bem como da frustração posterior ao pós-Abril de 74; mas rtambém algumas chaves preciosa para a Resistência ao
novel "regime" em que entrámos no dia 1 de Janeiro de 1986.)


[ Na 3ª linha da sua transcrição entende-se que se fala de "pudor". Porém, na última, não deve ser "timidade". Na edição que tenho, de 1972, está "tìmi-dade", com hifenação de virar de linha e acento grave. Tem-se a impressão de que o autor queria escrever "tìmidamente" (como se usava ainda com acento grave, nestes advérbios de modo)  e que falta uma linha ao texto. A sua edição, pela fotografia, é mais recente, mas mantém o aparente lapso de impressão. De qualquer modo, o sentido não sai muito prejudicado; e os brasileiros parece que já escrevem "timidade" por (sem) timidez, não sei se autorizados pelo Houaiss (não pelo Aulete). ]
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 13.06.2013 às 23:15

Obrigado pelos seus apontamentos, caríssimo Duarte. Talvez não seja coincidência esta sorte, que por ora tenho aproveitado com bastante prazer. 


Esta edição é de 1975, e realmente também estranhei a palavra. Dá, de facto, a impressão que timidamente seria mais apropriado, ainda que o sentido não saia não prejudicado.

Comentar post







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas