Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O PC TEM razão!

por Nuno Castelo-Branco, em 28.06.13

 

Ao fim de quarenta anos, ainda não entendemos que os direitos dos trabalhadores devem ser ciosamente guardados. O PC é dono e senhor da CGTP-IN e esta deverá exigir de imediato a integral instauração das Leis do Trabalho, Direito à Greve incluído, outrora vigentes na União Soviética. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:29


4 comentários

Sem imagem de perfil

De Pedrovski a 28.06.2013 às 09:31

É triste verificar que as pessoas, em Portugal, não se manifestam por liberdade (redução drástica (ou mesmo total do peso do estado), independentemente do partidos no poder), mas sim pela substituição do sistema globalista pelo sistema socialista /comunista, que, na prática, é uma espécie de primo-direito do primeiro.

Estes manifestantes erraram o alvo. Em vez de ir para a Ponte 25 de Abril, prejudicar a vida aos cada vez menos milhares que ainda têm emprego, deveriam ter ido para a frente da assembleia da república ou para a frente do palácio de belém (tudo com minúsculas, mesmo) e fazer uma vigília, nos mesmos moldes que os manifestantes fizeram na Turquia.

 Dito isto, a ser verdadeiro o que vem descrito no texto (não tenho motivos para pensar no oposto), é profundamente lamentável o comportamento da polícia portuguesa, no tratamento posterior dado aos manifestantes detidos, que, tal como as polícias nos países ocidentais, está cada vez mais militarizada e, deste modo, mais perigosa.
Sem imagem de perfil

De Pedrovski a 28.06.2013 às 09:41

As pessoas andam atrás dos políticos (esquerda, direita, cima e baixo ) tal como um veleiro atrás de um vento: vão para onde sopra o vento do momento. Com isso, perdem a noção do verdadeiro problema: o tamanho do Estado, em termos políticos, legislativos, financeiros, número de empregados, tudo o que se pensar. Mas neste problema não há um único político (quanto mais partido...) que o queira atacar. Pudera, todos vão lá mamar.
E andamos nesta ciclo: a populaça vai atrás do vento do momento, sem atacar o que verdadeiramente interessa. Veja-se a reacção do governo: com um ar pesaroso, diz que as greves são más, devemos garantir o direito de quem trabalha, o país precisa de quem trabalha, os tempos são difíceis, nenhum governo gosta de aumentar os impostos (esta é a minha tanga favorita ), queremos negociar com os "parceiros sociais", entre outras ideias feitas e/ou tangas. Na realidade, o governo não foi afectado por nada (nem nunca é): manifestações num dia (quinta-feira, e muita gente aproveitou para fazer ponte), estes dizem as frases feitas cheias de nada e, tudo espremido, no dia seguinte, ninguém se lembra de nada...
Quase parece uma peça de teatro, com tudo ensaiado, de modo a parecer confronto entre sindicatos / manifestantes e governo, os primeiros gritam muito, mas não mordem, os segundos fingem-se assustados, mas não perdem o sono.
Triste país...
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 28.06.2013 às 09:59

Consta terem estado as praias apinhadas de:
1. Desempregados
2. Grevistas ou forçados à greve.


Quanto ao que diz no texto, estou plenamente de acordo. 
Sem imagem de perfil

De Comentador a 28.06.2013 às 10:19

Posso confirmar que por volta das 13 horas do dia da Greve Geral, havia um transito invulgar de regresso da Costa da Caparica.

Comentar post







Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas