Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Amolados

por Nuno Castelo-Branco, em 05.07.13

 

1. Depois da asneira feita*, Paulo Portas bem pode agora vir dizer que o acordo é bom para o país e para a coligação. Se tal garantia é mesmo verdadeira, então porque não tentou fazer o que era urgente, renunciando a todo este circo de intrigalhadas que precisamente debilita a coligação e muito pior ainda - e mais importante - prejudica Portugal? 

 

2. Há quem diga ser a situação bem mais grave que aquela conhecida pela  opinião pública. Em conformidade, os desconfiados garantem ser o móbil deste carnaval tardio, o desejo de despoletar uma crise que precipite o rápido abandono do barco em naufrágio. Sendo ou não verdade, neste momento já ninguém se compadece com os interesses desta partidocracia que se insistir em erros que agora são crimes, levará a soluções tão imprevistas como indesejáveis. Isto, logicamente dando de barato o facto da democracia portuguesa não passar de uma ficção que dentro de portas serve uns tantos e lá fora salva as aparências. 

 

3. Um secundário e trânsfuga pescador de um lugar na política, diz agora que "não é o apocalipse do país (...) não tentem assustar-nos". Para ele e para os seus nada haverá a temer, mas quanto aos outros, a imensa maioria, é mesmo o 2ª resgate à espreita e tudo o  que isso significará. 

 

É de banzar, a ligeireza com a qual os agentes políticos alvitram calendários eleitorais, aparentando um total desconhecimento daquilo que até ao anunciado fim do período de intervenção e mesmo para além dele, ainda teremos de enfrentar. 

 

*Salazar tinha razão quando dizia que "em política, o que parece, é"

publicado às 23:59


Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds