Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A anarquia é apenas "uma grande confusão"

por Samuel de Paiva Pires, em 25.07.13

 

G. K. Chesterton, Disparates do Mundo:

 

«Só há dois tipos de estruturas sociais possíveis: os governos pessoais e os governos impessoais. Se os meus amigos anarquistas se recusam a aceitar regras, terão de aceitar quem os reja. A preferência pelo governo de base pessoal, com o correspondente tacto e flexibilidade, chama-se monarquismo; a preferência pelo governo impessoal, com os seus dogmas e as suas definições, chama-se republicanismo. Recusar reis e credos em geral chama-se parvoíce; pelo menos eu não conheço outra palavra mais filosófica para designar tal posição. A pessoa pode deixar-se conduzir pela esperteza e a presença de espírito de um governante, ou pela igualdade e a justiça comprovada de uma lei; mas tem de ser conduzida por um ou por outra, porque a alternativa não é uma nação, mas uma grande confusão.»

publicado às 12:48


4 comentários

Imagem de perfil

De Carlos Novais a 25.07.2013 às 13:23

Sim, mas. E o mas é que essa "confusão" aplica-se à ordem internacional. Alias, se há coisa que caracteriza a Idade Média é a ausência do estado moderno com profusão de soberanos territoriais misturado com varias fontes de direito, em vez do direito centralista e constitucional.


E não há noticia do direito e as coisas serem mais confusas que  na Idade Moderna, pelo contrario, p direito muito mais estável e previsível, e uma ordem social conservadora.


Assim, o que se fala aqui é duma "anarquia" utópica que reagia ao paradigma do estado nacional - criação da Reforma.
Sem imagem de perfil

De Jorge Braga a 25.07.2013 às 13:48

Em toda a Europa onde existe monarquia que fazem os monarcas pelo seu reino? Nada, a não ser marcar presença. O presidente é mau, mas o rei iria pelo mesmo caminho ou pior, pois ainda teríamos de gramar os seus descendentes tivessem ou não capacidades para isso.  
Sem imagem de perfil

De XXI a 25.07.2013 às 17:08

Se me permite, "a grande confusão" é confundir (propositadamente?) a ausência de regras com ausência de governo! A ausência de regras (ordem) chama-se Anomia.
Anarquia não é um regime sem regras, é antes um regime sem a autoridade centralizada de um governo, mas com regras comummente aceites, de oura forma não podia ser, repare , anarquia é a forma mais evoluida de organização da sociedade que se conhece e como tal é impensável assumir que não existem regras, o que não existe é um sistema minoritário de coacção e imposição. 
Outra e a mesma questão relacionada com o exercício da autoridade (governação) é a incontestável direcção no sentido de partilha da responsabilidade, desde a representação por um só individuo (Monarquia) à representação multipla indirecta (República) até à futura e "obrigatória" democracia directa, que será o resultado desde apodrecimento politico actual.
Sem imagem de perfil

De Gonçalinho a 25.07.2013 às 17:14

"porque a alternativa não é uma nação, mas uma grande confusão."


E uma nação é nação porque tem governo? Ora essa...! Uma nação define-se por um grupo cultural (língua, costumes, etc) e não por um qualquer limite geográfico mantido pela existência de ditadores (sejam estes eleito, com mandato limitado, ou não).

Comentar post







Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas