Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Austeridade, Áustria e Portugal

por John Wolf, em 27.07.13

Nos últimos quinze anos visitei a Áustria perto de vinte vezes. Não fui na qualidade de turista nem na condição de cidadão. Desloquei-me de acordo com o meu perfil híbrido, remexido pelo pulsar de múltiplas culturas e nações que residem no meu espírito. Pratico uma modalidade de abnegação patriótica - uma disciplina crítica que não coloca nenhum país num pedestal de superioridade. As idiossincrasias nacionais funcionam como uma impressão digital - não há forma de se lhes escapar. As coisas boas e más estão presentes nos quatro cantos cardinais, nas penínsulas e nas centralidades continentais. Nesta minha derradeira deslocação, viajei do reino da Austeridade para um país que já viveu essa experiência no pós-segunda Grande Guerra, mas, que por força do destino económico e social do presente, deixou cair o termo do seu léxico quotidiano, com todas as conotações nefastas a ela associada. A Áustria não tem noção do drama do sul da Europa. No desconcerto das nações europeias, a Áustria permanece na sua ilha de contentamento e esplendor. A sua taxa de desemprego ronda os 4% e a sua posição geo-económica significa que mantém intensas trocas comerciais com os países fronteiriços - uma boa meia dúzia de vizinhos. Como é natural nunca deixei de comparar realidades, com o intuito de tentar perceber as razões dos sucessos e descalabros. Em duas semanas de estadia em Graz (considerada a cidade do mundo com melhor qualidade de vida), vi menos Mercedes, Audis e BMWs por alcatrão quadrado do que em Portugal. Não escutei buzinas, e no centro da cidade 30km/h são 30km/h (poupa-se combustível, nervos e acidentes). Estacionar no centro da cidade implica preços proibitivos - paguei por um devaneio de 6 horas 40 euros! Mas tudo isto tem um custo. A Áustria por viver no auge do conforto e segurança económica e social (por exemplo, o subsídio por filho chega aos €400 mensais até aos quatro anos de idade para estimular a taxa de natalidade) desligou o motor de reflexão sobre os problemas dos outros. O extinto império Austríaco viu nascer tantas escolas de excelência, que facilmente o país vive a plenitude dessa falsa autosuficiência intelectual e cultural. A escola Austríaca de economia moldou tantas outras como a de Chicago ou a de Londres; a psicanalise fundada na persona de Freud e companhia também concedeu essa ilusão de vantagem. E não esqueçamos que a Áustria conseguiu convencer o mundo inteiro que Hitler era Alemão e Beethoven Austríaco, este último reunido com os grandes Haydn ou Mozart. Mas também não devemos omitir que Simon Wiesenthal - o caça nazis -, tinha a sua sede de operações em Viena. Ou seja, a noção de que há uma responsabilidade histórica paira no ar, e, condiciona, se não todos os cidadãos, pelos menos alguns pensadores maiores, incomodados pelas acções colectivas e os desígnios da nação. Thomas Bernard mais antigo e Robert Menasse do nosso tempo, para citar dois exemplos de pensadores irrequietos com a sua identidade. Todos os países vivem o movimento pendular das suas acções - um relógio que obedece a lógicas de paragens e continuidades que obriga os países a reverem a sua condição. Portugal, distante que está da Áustria, partilha algumas particularidades excêntricas. O domínio da língua falada e escrita parece obedecer a uma matriz semelhante de relacionamento ou paternidade. A Áustria está para a Alemanha como o Brasil está para Portugal. Partilham a mesma árvore linguística, mas os desvios no modo de expressar acontecem, num caso, de um modo natural, e noutro, de acordo com uma certa resistência nacionalista. A Alemanha não se sente ameaçada pelo vizinho do lado que usa uma palavra distinta para batata. São estes detalhes que ajudam a formar uma imagem incompleta das terras e das suas gentes. Ao fim de duas semanas, ou de uma vida, não podemos cair na tentação da redução simplista, do certo ou errado, do bom ou o mau. Os vinhos tintos da Áustria não aquecem a alma como os Portugueses, mas os brancos são excepcionais. Não menciono a qualidade do azeite - este vem da Grécia e não se compara ao trago nacional, profundo e perfumado. Faz bem sair para regressar e tornar a partir. Portugal dá luta e isso não deve ser menosprezado.

publicado às 11:46


24 comentários

Sem imagem de perfil

De Cristina Torrão a 27.07.2013 às 14:43

"A Áustria não tem noção do drama do sul da Europa. No desconcerto das nações europeias, a Áustria permanece na sua ilha de contentamento e esplendor" - o mesmo se pode dizer da Alemanha, onde vivo há mais de vinte anos. Os alemães não fazem ideia do que se passa em Portugal, ou na Grécia. Sabem que são países em dificuldades, mas não perdem muito tempo a pensar nisso. Mas sejamos francos: se Portugal estivesse bem, como está a Áustria, perderia tempo a pensar no que se passa na Grécia?
Imagem de perfil

De John Wolf a 27.07.2013 às 14:47

Cara Cristina,
Excelente observação! Obrigado por juntar a sua reflexão ao caldeirão.
Cordialmente,
John
Imagem de perfil

De Fernando Melro dos Santos a 27.07.2013 às 15:44

Quando li "Velhos Mestres: uma Comédia" passei dez dias em ermitério feliz.


Isso é o quê? Riesling? Da Eslovénia vem um tinto Refosk que cresce perto.
Imagem de perfil

De John Wolf a 27.07.2013 às 16:06

Viva Fernando,
Veltliner...
http://en.wikipedia.org/wiki/Grüner_Veltliner

Em breve bebemos uma taça de verde...
Abraço,
John 
Sem imagem de perfil

De Cristiano Lopes a 27.07.2013 às 17:17

Viva!
Como nunca tive oportunidade de conhecer outras culturas agradeço imenso pelo seu post.
Será caso para dizer que "a Europa não existe"? - julgo que foi Eduardo Lourenço que o disse. Existe mas não existe.
Disseram que se Portugal estivesse na mó de cima não quereria saber da Grécia, certo. Mas a dada altura, não querendo comparar sequer a gravidade das situações dos povos, Portugal quis saber de Timor, por exemplo.
Será que a Europa não existe nesse sentido? Será que a Europa vai alguma vez ser mais que um somatório de parcelas estranhas e/ou desconfiadas entre si?

Cumprimentos,
Cristiano Lopes
Imagem de perfil

De John Wolf a 27.07.2013 às 18:36

Caro Cristiano,
Muito obrigado pelo seu comentário. Vivemos nesse estado que descreve, de pertença e recusa, empatia e ignorância. Julgo que a Europa se desenha desse modo, historicamente.
Cordialmente,
John 
Sem imagem de perfil

De Duarte Meira a 27.07.2013 às 20:59


Caro John:

Grande postal, que nos chega arejado de brisas alpinas e aromas de edelweiss. Mande-nos mais, que bem carecemos disso nesta cloaca fétida!
Imagem de perfil

De John Wolf a 28.07.2013 às 07:13

Obrigado, Duarte!
Sem imagem de perfil

De Maria a 28.07.2013 às 01:16

Bonita descrição que fez da  Austria só se esqueceu de referir o civismo deles que é exemplar. Já agora, convido-o a visitar a Noruega, Suécia e o Canadá. Se aceitar o meu convite, passe em Ottawa no parlamento e aprecie os carros dos senhores ministros.  A diferença do nosso adorado país é abismal. Acredite.
Talvez por isso o Álvaro fosse persona não grata.
Imagem de perfil

De John Wolf a 28.07.2013 às 07:12

Obrigado, Maria!
Exemplar o seu grau de civismo. O silêncio é um templo, o tratamento respeitoso de cada indivíduo independente da sua condição, o servir como arte e não como frustração...
Obrigado por acrescentar as dimensões que faltavam.
Cordialmente,
John
Imagem de perfil

De John Wolf a 28.07.2013 às 07:15

Muito obrigado pelos convites!
Atenciosamente,
John
Sem imagem de perfil

De Portal SAPO a 28.07.2013 às 10:28


Bom dia,


Este post está em destaque na área de Opinião do SAPO.


Cumprimentos,


Portal SAPO
Imagem de perfil

De John Wolf a 28.07.2013 às 10:56

Muito obrigado pela honra concedida ao meu post!
Cordialmente,
John
Sem imagem de perfil

De Francisco a 28.07.2013 às 12:29

Nao percebi muito bem o objectivo do texto. Quer o autor dizer que a Austria nao e como Portugal? Uau, que conclusao impressionante. Sao dois paises completamentes distintos em tudo, raca, historia, recursos, posicao geografica.. Portugal num bom dia seria quase humilhado pelo o nivel de desenvolvimento de paises como a Austria ou Alemanha quanto mais agora nesta recessao profunda. Enfim, acho que e um texto inutil honestamente.
Sem imagem de perfil

De Ana Isabel a 28.07.2013 às 14:23

Inútil. Nada é inútil, quando se tem  uma redacção riquíssima e o poder de nos dar a conhecer o que de bom existe nos outros países.
Imagem de perfil

De John Wolf a 28.07.2013 às 15:51

Obrigado, cara Ana Isabel!
Cordialmente,
John
Sem imagem de perfil

De Francisco a 29.07.2013 às 13:30

E interessante em jeito de escrita de postal mas penso que o 'estado sentido' e um blogue de comentario politico. Nao quero de nenhuma forma retirar merito ao autor, mas sinceramente vejo neste blogue uma tendencia de falta de conteudo pragmatico. O formalismo na escrita e sempre de louvar, mas 'e a substancia que altera a mente e a opiniao e esse deve ser o principal objectivo da escrita em jeito de comentario.
Sem imagem de perfil

De Maria a 30.07.2013 às 00:26

Nem só de política se fala aqui o que acho muito bem.  Penso que se devem diversificar os temas desde que sejam tão bons como este.
Sem imagem de perfil

De João José Horta Nobre a 29.07.2013 às 01:48

Excelente texto!

Publiquei:

http://historiamaximus.blogspot.pt/2013/07/austeridade-austria-e-portugal.html
Imagem de perfil

De John Wolf a 29.07.2013 às 08:33

Caro João José Horta Nobre,
Muito obrigado pela gentileza das suas palavras e pelo privilégio de divulgação do post.
Ao seu dispor.
Cordialmente,
John
Sem imagem de perfil

De antónio a 29.07.2013 às 16:34

Não conheço a Áustria tão bem como o autor parece conhecer. Ainda assim já lá fui algumas vezes, e o fresco q o autor nos pinta cruza, sem dúvida, com algumas impressões com que eu próprio fiquei dos meu passeios. Mas confesso que, quer na Áustria quer na Alemanha, mais de uma vez me senti - como dizer - observado, por não ser "aparentemente germânico" . Mais de uma vez me chegaram aos ouvidos comentários do género "mas deixam entrar tantas cabeças negras", ou "tantas cabeças negras juntas" e coisas do género que apenas o meu desconhecimento do alemão me impediram de registar (estes foram traduzidos por amigos mais conhecedores da língua nativa). Tem o autor conhecimento de exemplos destes? Tem o autor conhecimento desses sentimentos austríacos, ou fui eu um azarado que teve a infelicidade de "dar de frente" com exceções que confirmam a regra?

Imagem de perfil

De John Wolf a 29.07.2013 às 20:45

Caro António,
Muito obrigado pelo comentário e as questões que levanta. Embora não tenha directamente sentido ou ouvido formas de expressão de discriminação, é sabido que a Áustria tem uma certa atitude altiva. No entanto, a contradição que podemos verificar, designadamente em Viena, e independentemente de algum "mal-estar" dos nativos, é que a capital será porventura a metrópole mais multi-cultural da Europa. Chamar-lhe-ia o melting pot da Europa, por analogia com Nova Iorque. Em suma, a "internacionalização" da sociedade austríaca produz por um lado uma reacção "nacionalista" e por outro lado a obrigatoriedade de integrar a diversidade.
Cordialmente,
John 

Comentar post







Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas