Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ética republicana

por Nuno Castelo-Branco, em 02.08.13

Já só falta o cartão de visita do ajudante de engenheiro de nome filosofal e num trato destes, é claro que jamais lhes passaria pelo nariz o cheirinho a esturro. No sector em causa, 150% de proventos empochados são qualquer coisa de inimaginável num negócio limpo. Como não vivemos no Zimbabué do grande libertador Mugabe, há limites impossíveis de ultrapassar. Pelo que se sabe através dos escaparates noticiosos, o Sr. Machete teve a inopinada sorte também reservada a Cavaco Silva e a outros menos badalados. Se a isto juntarmos os estranhos e ruinosos assuntos em que o Estado se envolveu desde há muitos anos, teremos então o quadro completo. Por estas e por outras, Álvaro Santos Pereira "foi à vida". 

 

O que diriam os republicanos que tanto barafustaram com o Crédito Predial e os Tabacos, aliás totalmente imputáveis aos chefes políticos e não à Coroa? Sabemos que o quer sangue Mário Soares imita Afonso Costa com os agora costumeiros "por muito menos que isto, rolou no cadafalso a cabeça de...", oportunamente se esquecendo de  episódios de outros tempos em que rutilâncias pedregosas, assuntos orientais e umas tantas minudências eram apontadas a si próprio e à sua entourage.

 

Tudo vinhaça da mesmíssima pipa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:19


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Luís Apolónio a 02.08.2013 às 13:08

 A questão não está nos 150% de lucro - muito mais do que isso teve quem comprou acções Apple há 5 ou 6 anos e as soube vender. O problema está em que 1º as acções não tinham cotação oficial; 2º o preço parece não ser o praticado noutras transacções e, last but not the least, 3º a sociedade em causa estava perto de constituir uma associação de malfeitores.
Em qualquer democracia mais ou menos decente, negócios em tal sociedade teriam como consequência para quem os fizesse o não exercerem qualquer cargo público, injusta ou justamente. 

Comentar post







Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas