Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Parem com isso!

por Cristina Ribeiro, em 05.08.13

Cumprindo um desejo de meu Pai - que mantivéssemos e, se possível, acrescentássemos a biblioteca que nos legou -, no sábado um irmão adquiriu mais um livro, a que bastava o título para o tornar apetecível. Versa, nem mais nem menos, o excelso labor do padre inglês da congregação religiosa fundada por S. Caetano de Thiene, Rafael Bluteau, que no século XVIII coligiu a lexicografia portuguesa no monumental « Vocabulario Portuguez e Latino ».

Com efeito, na obra de João Paulo Silvestre, ora editada pela Biblioteca Nacional de Portugal, lê-se a dado passo: " Compôs o mais extenso repositório da memória da língua até ser progressivamente substituído pela obra moderna de Morais Silva ".

   Tem tudo para ser um livro daqueles que prendem a atenção de todos quantos se interessem minimamente pela Língua Portuguesa. 

Mas eis que, logo nas primeiras páginas, deparo com um senão que tenho, e felizmente nisso sei que estou muitíssimo bem acompanhada, por intransponível: aderiu ao chamado acordo ortográfico, sendo frequentes os " mamarrachos " como « expetativa ».

                       

                               Meu Deus, até a Biblioteca Nacional!...


Apenas posso desejar que a sensatez resolva visitar aquele palácio para as bandas de S. Bento, que essa monstruosidade seja reduzida a cinzas, e, consequentemente, tal Biblioteca volte a editar este livro, agora em termos decentes...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:13


9 comentários

Sem imagem de perfil

De Drácon a 06.08.2013 às 02:23

Cristina, partilho inteiramente dos seus receios e dos seus votos.
O chamado "AO" não passa de uma nefanda adulteração da Língua Portuguesa, a que urge pôr cobro quanto antes !
Com este governo não se pode contar, pois nada da cultura lhe interessa.
Temos de ser nós, os anónimos Portugueses, a escorraçar o aborto ortográfico !
Sem imagem de perfil

De Bst a 06.08.2013 às 06:58

Já devolveu? Não gasto um cêntimo m nada que seja escrito em acordês.
Trata-se de um crime grave e que não pode aproveitar ao seus autores.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 06.08.2013 às 11:53

Assim houvesse muita gente disposta a assinar e a divulgar a ILC...


http://ilcao.cedilha.net (http://ilcao.cedilha.net) 
http://ilcao.cedilha.net/docs/ilcassinaturaindividual.pdf (http://ilcao.cedilha.net/docs/ilcassinaturaindividual.pdf) 
Sem imagem de perfil

De Antonio Ferreira a 07.08.2013 às 11:16

Bom dia, 
Infelizmente, surpresas desagradáveis com essa acontecem com cada vez mais frequência. 
E posso, creio, atrever-me a compreender a sua desilusão pelo facto de ser o feliz possuidor de uma "Prosodia", bilingue, latim e português, elaborada por frei.Bento Pereira, meu distante antepassado, em Evora, no ano de 1741.
É uma obra completissima, que consulto frequentemente, e que me tem prestado  incontáveis   serviços. 
A que possuo é uma "nona edição" e tem 1359 páginas, das quais 1064 são dedicadas a verter para português os vocábulos latinos ( curiosamente acrescentados de "breves, de que usaram os antigos na letra...X...". Odicionário português-latim ( Thesouro) apenas ocupa as pags.1065 a 1228, sendo o restante reservado a  uma saborosissima suma da "frases portuguezas a que correspondem as mais puras & elegantes latinas : como tiradas de Marco Tullio & outros Authores de primeira claffe"; e também, seguidamente, " dos principaes adagios portuguezes, com seu latim proverbial corresponde~te". Por fim, uma trabalhosa "bibliografia" em jeito de auto-censura, como convinha naqueles conturbados tempos. 
Se residir no Algarve, ou cá se deslocar, terei todo o gosto em disponibilizar a sua consulta, para os fins que entender.
Atenciosamente, Antonio Ferreira.
Sem imagem de perfil

De O Ingles a 08.08.2013 às 00:30

O formalismo na lingua escrita e falada 'e uma componente importante, de rigor, de estetica, de exercicio intelectual, mas simplesmente nao 'e um fim em si mesmo. Uma lingua nao pode ser avaliada em funcao da sua dificuldade. Alvejar exclusividade numa lingua e contraproducente e em ultima analise apenas apressa a sua decadencia.

Na questao da lingua portugues, ha que perceber que Portugal nao tem o monopolio da lingua portuguesa. A internacionalizacao da lingua portuguesa foi um produto do imperio colonial portugues, talvez o unico que ainda permanece activo e vivo actualmente. Como 'e viva, tem um presente e um futuro e nao apenas um passado. Comparacoes constantes do que a lingua era e deixou de ser, por muito atraentes que possam ser, pouco tem de produtivas.

Independemente das varias disputas que existem ao torno da questao, o AO simboliza uma vontade de progresso, e em certa medida, tambem de avanco no sentido de democratizar a lingua portuguesa.  Existe uma vontade de abertura (com ou sem sucesso) da lingua pelos os varios povos que a falam, que a alimentam no fundo. Simbolicamente, isto pode demonstrar uma postura diferente de Portugal em relacao aos PALOP, algo que urge.

Tudo isto para dizer que apoio a decisao da Biblioteca Nacional. Eu por ca tendo adaptar-me as novas regras, ao progresso.
Imagem de perfil

De Bic Laranja a 08.08.2013 às 10:38

Ainda me hão-de explicar que espécie de progresso é havermos um singular «caráter» por causa da fala (brasileira)  e um plural «caracteres» por manutenção do traço etimológico. Será boçal falta de tacto, ou é curto-circuito civilizacional?
Se assim é onde está o progresso? Sim, onde?!...
Cumpts.
Sem imagem de perfil

De O Ingles a 08.08.2013 às 12:03

A simplificacao de uma lingua, para facilitar o seu uso, 'e na minha opiniao uma atitude progressista. Agora, como tudo, existem varios graus de sucesso. Na pratica, a forma como 'e materializada essa simplificacao tem que ser estudada pelos os peritos da lingua, e ao que parece as solucoes que estes peritos apresentam tem gerado imensa controversia.

Eu tambem nao concordo com esta postura excessivamente compromissoria que parece existir (ou resistir..) em todas as tentativas de mudanca em questoes nacionais. Esse exemplo que deu 'e bastante ilustrativo. Ha que haver um compromisso num modelo. Mas ao mesmo tempo, essa dificuldade de compromisso 'e tambem gerada pela dificil adaptacao do povo portugues a novos modelos, algo que obriga a um constante 'agradar a gregos e troianos'.

Agora, fora as validas criticas de natureza 'tecnica', o que parece existir 'e essencialmente uma reacao emotiva por parte das pessoas que estao contra este AO. A lingua e uma ferramenta de trabalho, de transmissao de cultura de entretenimento entre varias outras coisas. Pertence a esfera intima de uma pessoa e por isso 'e natural que suscite posicoes passionais especialmente por parte de intelectuais. Nesse sentido, o que eu aconselho e que haja uma tentativa de distanciamento do problema. Qual 'e o grande problema de se adaptar uma lingua aos varios povos que a falam? Estou a refererir-me essencialmente ao principio subjactence ao AO. As questoes tecnicas podem ser resolvidas, mas ha que existir primeiro uma vontade real de embarcar nisto. Pessoalmente acho interessante esta tentativa de adaptacao mas sem duvida que ha que limar arestas.
Imagem de perfil

De Bic Laranja a 08.08.2013 às 19:06

Vossemecê anda baralhado. Os idiomas regem-se pelo uso e pela Gramática. O progressismo, só por profissão de fé é o enfiará nestas contas.
No mais, a adaptação da ortografia do português aos povos que o falam fez-se concessiva e coerentemente em 45 por um critério fonológico (não confundir com fonético). E a simplificação foi a onde prudentemente se podia em 73 sem negar o critério nem ferir a corência ortográfica.
Depois, antes de pensar em simplificação pela via do Acordo de 90 aprenda que simplificar é manter o nexo, não passar a escrever com menos letras.  Creio que os exemplos que lhe dei bastam.
Já de paixões e reaCções emotivas que isto desencadeia reflicta antes de tudo na contumaz aversão tropical a qualquer ortografia lusitanizante, como disse o insuspeito Houaiss (Folha de S. Paulo, 11/3/86). -- Como se um idioma chamado português pudesse lá ser outra coisa que não lusitanizante?! Quem foge de entender isto foge da realidade e há-de andar à procura dalguma utopia (o tal progressismo como ideal teleológico, na O.N.U. talvez).  Não era um problema de Portugal nem doutros. O Brasil que o resolvesse.
Cumpts.
Imagem de perfil

De Cristina Ribeiro a 08.08.2013 às 16:17

Desculpem, mas só agora vi os comentários. O absurdo deste tratamento de polé é tamanho!!! É fazer tábua rasa da história da Língua, que tem, também ela, as suas raízes, evidenciadas nos étimos dos vocábulos, maioritariamente originários do latim, mas não só.
Os exemplos fornecidos por Bic  Laranja são deveras elucidativos...

Comentar post







Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas