Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Trituradora de Swaps

por John Wolf, em 22.08.13

Muito provavelmente foi com uma máquina-trituradora igual a esta que a Inspecção de Finanças destruiu papéis essenciais para avaliar swaps. Os documentos dos inspectores que sobreviveram à razia foram aqueles respeitantes à CP e à Carris. Ouviram bem? CP e Carris. Não foi à toa, não. Estes sistemas de transporte podem ser utilizados como carro de fuga no assalto. Qualquer dia embarcam numa carreira e tomam como reféns os passageiros e zarpam rumo a Salamanca ou Perpignan, ou apanham o expresso e inflingem uns murros ao maquinista para que não dê meia-volta. Que normas internas são estas que eliminam sem mais nem menos matéria relevante para tirar tudo a limpo? Quem redigiu estas normas tão convenientes? Que mão invisível pressionou o botão da trituradora? Em condições normais, todos os documentos deveriam ficar congelados num arquivo jurídico - uma espécie de torre dos tombos políticos. A Democracia Portuguesa está a ser continuamente violada com este tipo de práticas. Não foram necessários agentes químicos para exterminar uma parte da "estória" de Portugal, os eventos que também figurarão na histeria do país. O mais grave é a forma descarada como se declara o processo de destruição de provas - com naturalidade. Com tantos incêndios à mão de semear, teria sido preferível forjar um fogo e bradar aos céus que tudo as labaredas levou.

publicado às 11:57


6 comentários

Sem imagem de perfil

De Regina da Cruz a 22.08.2013 às 12:45

Inacreditável... Estas também?!

Sinceramente, não há qualquer tipo de remédio para este país.
Sem imagem de perfil

De murphy a 22.08.2013 às 16:31

Srs jornalistas já foram perguntar ao sec. de Estado e/ou ao ministro da tutela de então, porque mandou destruir estes documentos?
O caso da cobertura informativa dos swap é elucidativo: assim que a “lama” chegou ao PS, o tema desapareceu das manchetes e telejornais!

http://jornalismoassim.blogspot.pt/2013/08/a-razao-de-ser-deste-blog.html
Sem imagem de perfil

De maria a 23.08.2013 às 11:30

quem escreve este comentário só pode ser do partido e, não estar a ver nada de nada.  Ceguinho que nem uma toupeira, pior porque nem cheiro tem.  Estão-nos a enfiar os dedos pelos olhos a dentro e, os portugueses intelectuais respondem com politiquice de partido.  Como podemos combater estas cegueiras????
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 23.08.2013 às 12:59


A destruição dos documentos foi feita já durante este Governo. São de 2008, tiveram de esperar 3 anos. Após estes 3 anos, já em 2012, é que foram expurgados dos dossiês, e destruídos.
Sem imagem de perfil

De Ana a 22.08.2013 às 22:26

Somente para relembrar memórias: http://www.inverbis.pt/2007-2011/sistemapolitico/anterior-executivo-apaga-informacao-computadores.html
Sem imagem de perfil

De Makiavel a 23.08.2013 às 16:28

Tendo sido destruídos em 2011, e para não ser precipitado no juízo de valor quanto às razões que levaram o decisor a decidir como decidiu, convinha saber de facto quem mandou destruir (estou a falar de pessoa, não de serviços, secretarias de estado ou institutos públicos)  e, já agora, qual a filiação partidária.
Este caso dos SWAPs, iniciado pelo PSD como barreira de fumo contra o regresso de Sócrates à política (em versão comentarista), parece estar a virar-se cada vez mais contra os próprios dirigentes do PSD.

Comentar post







Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas