Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A queda e ascensão de Angola

por John Wolf, em 15.10.13
 
Do mesmo modo que a ex-superpotência EUA foi encostada às cordas pela Rússia no processo Síria, o ex-império colonial Portugal foi relegado para segundo plano por Angola. A história de domínio e subjugação é uma moeda de troca constante. A posição muda, os actores permanecem. A relação de forças no mundo já não é o que era. Há países que acordam rapidamente para a nova configuração geopolítica, outros nem por isso...é disso que se trata. Respeito, honra, valores, história e relações privilegiadas significa muito pouco num quadro estratégico alicerçado na oportunidade. O resto são detalhes de Machete e companhia. Deixemo-nos de invocar a ética e parcerias estratégicas (foi tudo oportunismo) - Angola é um país independente, e se profere o discurso de evasão aos condicionalismos portugueses, significa que Portugal não soube conduzir a sua política externa com acutilância suficiente. Outros virão para aproveitar o que Portugal, agora e à meia-volta, declina efusivamente. De repente Angola passou de membro da comunidade lusófona de amizade e negócios para o clube dos párias. Sobre a autoridade moral de uns e de outros - há muita roupa suja para lavar - de Portugal e de Angola. Não há uma linha que divide os campeões dos vilões, os certos dos errados. À medida que outras ex-colónias erguerem a cabeça (Timor, Moçambique ou Cabo Verde), Portugal irá lentamente encaixar nos seus processos mentais que subalternidade é um conceito muito relativo. Acontece aos melhores, aos piores, e àqueles que se encontram em terra de ninguém. Não me admiraria muito se Angola iniciasse parcerias estratégicas com um velho rival da história tordesilhana - Espanha. Angola não faz o que faz por acaso. Atinge Portugal num momento de fraqueza política, económica e social, e demonstra que a condução da sua política externa está a amadurecer. O que está a acontecer faz parte de um processo natural de Realpolitik, mas é também o resultado de um conjunto de pontas soltas de um legado colonial, de uma herança pesada deixada na praia para morrer e renascer.
 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:52


7 comentários

Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 15.10.2013 às 16:35

O que está a acontecer é exactamente aquilo que se esperaria de um país cujo regime há quase duas gerações insiste em renegar o seu próprio legado histórico, aliás perfeitamente compreendido pelos países sa CPLP. 
Aqui mesmo neste blog tenho despretensiosamente chamado a atenção para isto e pelo que parece, os "meias brancas" do regime - da direita à esquerda - continuam deslumbrados pelos fumos do euro-novo riquismo à conta de outrém. Enfim, apesar de tudo creio que a declaração de JES não será irreversível, mas tratar-seá de um sério aviso que talvez ainda possa ser corrigido. Como se dizia, é preciso agir "agora e em força", diga a gente do eixo Balsemão/Belmiro o que bem quiser.


Para o próprio JES, para Angola e para os angolanos que aqui têm interesses, também há algo a perder. O que Portugal têm feito e conseguido, não seria assim tão fácil noutros países, Espanha incluída. Que isto sirva de aviso a quem mantem excelentes relações com a China, Venezuela e outros cujos pergaminhos democráticos "à europeia" são no mínimo questionáveis. 
Imagem de perfil

De John Wolf a 15.10.2013 às 16:41

Viva Nuno,
O legado histórico a morder os calcanhares...o timing de Angola é perfeito - o momento de fraqueza política e económica de Portugal. Nada disto é um devaneio de uma manhã outonal. Há maturidade na política externa angolana.
Um abraço,
John
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 15.10.2013 às 17:15

Não sei se será mesmo isso, pois por vezes parece-me que por lá ainda não descolaram do período da guerra e pior ainda, daquela desconfortável sensação de um poder que longe de conquistado pela força das armas, lhes foi entregue de bandeja, sem a tal "vitória total" que os manuais recomendariam. 
Parece-me que aproveitam bem este momento e às cegas atacam um governo composto sobretudo por amigos. Como podem eles prejudicar quem com eles sempre manteve relações que no mínimo podem ser consideradas como quase cúmplices? Julga JES que a justiça portuguesa - embora muito comprometida com a política - é por cá coisa a quem o governo facilmente dê ordens? Pois não é e o Tribunal Constitucional pode ser visto como um exemplo por estes tempos muito visível, mas apenas um entre outros. É claro que casos como aqueles a que durante anos assistimos - a total impunidade dos meliante, a destruição de "fitas incómodas" para certos políticos - são conhecidos em Luanda, daí o mal entendido que provoca a rápida adopção de reacções a quente.  É assim que ajem os países recentemente chegados à cena internacional, ou seja, a imprevisibilidade dita a norma. mas como prevalecerão sempre os altos valores do business as usual, creio que chegarão a um entendimento. Foi a este ponto que o regime nos trouxe e não existe alternativa senão contactarem directamente com quem manda na política, imprensa  e  justiça angolana. 
Imagem de perfil

De André Miguel a 15.10.2013 às 18:37

"Não me admiraria muito se Angola iniciasse parcerias estratégicas com um velho rival da história tordesilhana - Espanha"

Já está em construção:
Imagem de perfil

De John Wolf a 15.10.2013 às 21:06

Boa noite Caro André Miguel,
Grato pelo anexo que corrobora algumas ideias respeitante ao custo de oportunidade...
Cordialmente,
John
Imagem de perfil

De Equipa SAPO a 16.10.2013 às 08:55

Bom dia,
este post está em destaque na área de Opinião do SAPO.
Cumprimentos,
Ana Barrela - Portal SAPO
Imagem de perfil

De John Wolf a 16.10.2013 às 09:14

Bom dia Ana Barrela,
Muito obrigado pela honra do destaque.
Cordialmente,
John

Comentar post







Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas