Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A cobardia do Jornal de Angola (e de Portugal)

por José Maria Barcia, em 19.10.13

 

 

O Jornal de Angola, como é do conhecimento comum, é a voz oficial do regime. Por outras palavras, é um folhetim de propaganda para o regime angolano escrever o que ainda não pode dizer em discursos oficiais.

 

O Jornal de Angola queixa-se de Portugal, ora como virgem ofendida porque, imagine-se! alguém fez uma peça jornalística sobre um acontecimento negativo em Angola ou - Deus nos salve! - porque alguém escreveu uma crónica defendendo que chamar democracia a Angola é brincar com os conceitos.

 

O Jornal de Angola viu-se com o poder de ter chamadas de capa no Correio da Manhã porque acusa a TVI de seguir as instruções de Judite de Sousa e José Alberto Carvalho. A pobr'alma que escreveu essa crónica só através de associação de realidades pode chegar a esta acusação. Ora, lá porque em Angola a liberdade de expressão e de imprensa são um mito, não quer dizer que em Portugal também o seja. Lá porque o Jornal de Angola responde a José Eduardo dos Santos, o mesmo não acontece em Portugal.

 

Angola tem um regime com uma elite económica a deter uma enormidade da riqueza baseada em recursos naturais. No ranking do Índice de Desenvolvimento Mundial, Angola ocupa a 148º posição. Para um país que gosta de esbanjar capital em empresas portuguesas, podia pensar em investir parte na pessoas do seu próprio país...

 

Angola tem telhados de vidro para a atitude que tem vindo a ter para com Portugal. Atitude essa justificável na medida em a falta de coragem dos partidos portugueses, empresas portuguesas e até do Presidente da Republica portuguesa são notórias. Se Angola quer rever a colaboração estratégica com Portugal que assim seja. Se Portugal saliva por dinheiro Angolano, pondo-se de quatro ao mínimo susto vindo de Angola, então Portugal merece ser trespassado. Mudem a bandeira, ofereçam os símbolos de soberania a Angola. A Assembleia dava um óptimo salão de festas.

 

E fica o recado ao Jornal de Angola: querem ser credíveis? Querem ser mais que um papel propagandista? É simples. Parem de escrever que sabem que a elite portuguesa é corrupta. Parem de insinuar que sabem que acontecem negociatas com este ou aquele. Nós também sabemos. Comecem a dizer nomes, a apresentar provas. Por outras palavras, façam jornalismo. É que aparentemente no título do vosso pasquim, está primeiro "Jornal" que "Angola". Sejam jornalistas.

 

E para Portugal: já fomos humilhados pela comunidade internacional demasiadas vezes. Pelo Reino Unido, por Espanha, troika, etc. Na ultima humilhação (mapa cor-de-rosa) o regime caiu. Mudou-se de rei para presidente. E agora? Agora que Cavaco é um cobarde? Eu, português, sinto vergonha deste país que não se sabe impor e dar ao respeito. Sinto vergonha por este país que não tem um única voz dentro do poder politico a dizer que tem que bater com a mão na mesa e ganhar um belo par de tomates.

 

 

 

publicado às 14:51


2 comentários

Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 20.10.2013 às 08:32

Era precisamente isso o que quis dizer num post que aqui deixei há alguns dias. O nosso país precisa de Angola e o mesmo se passa em sentido contrário. Se eles conhecem casos e nomes, então que os digam. É um favor, um grande favor que farão a Portugal. Não o fazendo, é o descrédito dos acusadores e um alívio para os alegados bandidos.


O nosso país tem ao longo de mais de trinta anos, transmitido a clara mensagem de por aqui tudo ou quase tudo não passar de um pro forma. Desde a política às finanças, economia e justiça, vivemos de formalidades. Os angolanos entenderam a mensagem e aproveitaram-na como melhor puderam, fazendo política à sua maneira. Não os condeno, cumprem o papel que os seus interesses impõem. 


As humilhações a que este nosso regime tem sujeitado Portugal, exigem um ajuste de contas que já tarda. A incompetência e mentira, o locupletar escandaloso de dinheiro, posições e mordomias, são a imagem de marca. Nós sabemos, o s estrangeiros sabem.
Aquilo que o Jornal de Angola imprime e divulga, é precisamente o mesmo que em Portugal vemos de uma  maneira menos acutilante mas nem por isso substancialmente menos virulenta. Os jornais estão cheios de recados, a SIC, o Expressoe a própria tv do Estado julgam-se no direito de criar ou dstruir governos, promovendo campanhas contra fulano e beltrano - ou a favor deste e daquele -, servem-se da justiça para atingir fins claramente políticos. O contrário também acontece, é uma evidência que não escapa a nacionais e a estrangeiros. O que é isto, José Maria?
Imagem de perfil

De José Maria Barcia a 20.10.2013 às 18:07

Isto, caro Nuno, é um regime assente num clima de impunidade descarada. É um penico de país onde todos se conhecessem e têm telhados de vidro.


É um país que permite a ascensão política de sujeitos que, à partida, deveriam ser barrados de entrar numa jota. É um país sujo de interesses económicos e públicos, onde os dois andam de mão dada para beneficio de só alguns.


No fundo, é uma palhaçada. E nós somos o palhaço que leva com a tarte na cara.

Comentar post







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas