Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Desemprego vs ogerpmeseD

por John Wolf, em 07.11.13

Sei que o Natal se aproxima e a simpatia já parece pairar no ar, mas não sei se os mais recentes números respeitantes à diminuição da taxa de desemprego foram fornecidos pelo INE ou pelo INEM. Seja qual for o caso, o trabalhador português encontra-se nas urgências, em muito mau estado - com prognóstico reservado. O recuo do desemprego para os 15,6% tem de ser lido na presença de todos os outros participantes no concurso económico e social. Ou seja, de nada serve a consagração do campeão, se os adversários foram eliminados ainda antes da competição ter terminado. Esse número respeitante ao desemprego compara-se a si, alinha anos homólogos, mas nada diz sobre as vagas de emigração, os desistentes dos centros de empregos ou os trabalhadores que laboram por conta própria. O desemprego olha-se ao espelho e afirma ser o mais belo de todos, mas não partilhou a imagem com as verrugas que mancham a vitrine. O emprego, que joga na outra equipa, continua lesionado com uma ruptura de contratações - não há meio de se tornar titular, de conseguir um contrato de longa duração. E acresce a esta amostra vaidosa de números um facto que pode parecer não ter ligação directa com a empregabilidade. A decisão do Banco Central europeu em baixar a taxa de juro para os 0,25% terá efeitos na perda de poder de compra do Euro. Em termos monetários sabemos que o aumento de liquidez (operado por esta via) tem um efeito inflacionário, e revela que os políticos europeus temem uma espiral deflacionária. Em última instância, aqueles que ainda têm trabalho, embora possam beneficiar com a baixa da taxa de juro (por exemplo, a prestação mensal da casa será afectada positivamente), no médio e longo prazo, a "injecção" de liquidez irá condicionar o poder de compra do euro. São tantos factores de relevo que estão em jogo. São múltiplas dinâmicas internas e externas que se cruzam num magistério que não cumpre a agenda da vontade política exclusiva. Os alegados bons números do desemprego ou das equações estimativas do orçamento de Estado de 2014, poderão ainda ser acorrentados pelos valores da dívida e pelo espírito da lei interpretado pelo tribunal constitucional. Para além disso tudo, Portugal tem de contar com um factor interno de peso - a recusa contínua do PS e de António José Seguro em participar num consenso. E essa intransigência irá acelerar o processo de austeridade, embora insistam continuamente no oposto. O memorando de entendimento parece ter sido branqueado pelos socialistas. Enquanto Seguro discute ninharias como a descida da taxa do IRC, o essencial não se altera - o agravamento da situação económica e social do país. O grande problema que enferma todos os cálculos e resultados que apresentam, tem a ver com a contínua negação da realidade. E essa condição é patológica - não tem cura. Nem sequer tem nome. Chamem-lhe desemprego homónimo ou uma imagem refractada pela distorção política.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:06


2 comentários

Imagem de perfil

De joshua a 08.11.2013 às 10:36

Perfeito. A fase ainda mais alienada do PS e demonizadora do PSD, em última análise, joga contra o próprio PS porque joga contra todos os portugueses e Portugal como um todo. Infelizmente, o ranço imbecil da pequena política não há meio de ser limpo, meu caro.
Imagem de perfil

De John Wolf a 08.11.2013 às 12:04

Caro Joshua,
Obrigado!
Todos eles não estão a ver o filme. O estado de emergência deve ser declarado. Quanto ao Seguro...não nasceu para isto.
Um abraço,
John 

Comentar post







Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas