Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Lisboa em Dallas

por Nuno Castelo-Branco, em 22.11.13

 

Isto diz muito acerca de quem hoje somos. É o dia da esperada cacofonia acerca do assassinato de Kennedy. Nos jornais, nas estações de televisão e nas redes sociais, não se fala noutra coisa senão no impossível deslindar da responsabilidade do crime. Tal não seria de estranhar, se em Portugal não persistisse a deliberada ocultação de um crime que há 105 anos para sempre mudou a história do nosso país, destruindo o regime constitucional e abrindo o caminho à subversão como forma de exercício do poder do Estado.

 

Existiram meia dúzia de cópias do Processo do Regicídio, tendo uma delas ido parar às boas mãos do Sr. Afonso Costa. Compreensivelmente, deu-se-lhe o esperado sumiço. Outra, provavelmente desaparecida aquando do estranho assalto à residência de Sua Majestade o Rei  D. Manuel II, para sempre terá deixado de poder ser consultada. É possível ainda existir qualquer um dos remanescentes exemplares, seguramente guardado a sete chaves por quem julgue ter o dever  de ocultar as responsabilidades criminais e políticas de conhecidos nomes que decoram ruas e praças deste país. 

 

Como quer o sistema ser levado a sério, se passados três regimes desde a subversiva, violenta, ilegal e desastrosa destruição da Monarquia Constitucional, um Processo que já é parte da história - estando mortos todos os envolvidos no crime -, continua sem ser concluído? 

A menos que algo exista que possa fazer perigar a segurança desta república, ou por isso mesmo, já é tempo de sabermos a verdade dos factos.  

publicado às 17:50


Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds