Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A Panzerdivision nacional ( e socialista...)

por Nuno Castelo-Branco, em 31.07.08

 

Está prevista para os próximos meses, a chegada dos novos tanques do exército. Chegam discretamente e a compra correspondeu à necessidade do habitual "faz de conta" do sector político que "nunca"  dispende verbas com militarismos ultrapassados. No entanto, compram e do melhor. Desta vez, parece que as FA optaram pela nacionalidade de um certo tipo de equipamento, que melhores provas deu nos campos de batalha. Sucessor dos velhos Tigre da II Guerra Mundial,  o Leopardo 2A6  faz importante figura nas paradas e no campo de operações. Não existe rival que se lhe superiorize e pela primeira vez, a panzerwaffe fornece blindados a Portugal. Apenas 37 unidades, um número modestíssimo, mas suficiente para a manutenção da operacionalidade deste ramo do exército, uma vez que não se conhece qualquer ameaça directa de invasão do território português.

 

Durante umas décadas, os 10 de Junho contarão com a presença destes Leopardos, sem que súbitas avarias transtornem aquele cerimonial, tão oportuna, correcta e  políticamente julgado como maçada militarista. El Dia de la Bandera em Madrid é decerto mais apetecível para algumas das nossas patrióticas autoridades. Mas aqui fica a novidade.

publicado às 18:11


4 comentários

Sem imagem de perfil

De João Quaresma a 31.07.2008 às 22:19

Por acaso esta compra foi decidida por Paulo Portas, e concretizada pelos socialistas. Uma excelente aquisição daquele que é frequentemente apontado como o melhor tanque do Mundo. E neste aspecto estamos pela primeira vez a par dos congéneres europeus desde os anos 70. Desde 1931 que Portugal não comprava tanques. Todos os que tivémos desde então foram-nos fornecidos de graça pela Inglaterra, Canadá e Estados Unidos. É pena é serem apenas 37, mas que serão complementados por 66 blindados Pandur com canhão de 105mm, fabricados em Portugal, e que funcionarão como tanques ligeiros, de rodas.

Todos os países europeus têm tanques, às excepções da Irlanda, Luxemburgo e Islândia. Ninguém está a contar com uma ameaça ao seu território pátrio, mas todos contam com eles. Até a Suíça tem centenas de Leopard 2.

É que mesmo em operações de paz e em guerras de guerrilha, os tanques são muito úteis. Os australianos usaram tanques em Timor para colocar em sentido os indonérios quando estes retiravam. Também no Afeganistão têm sido usados tanqus e o Canadá conta mandar para lá em breve os seus Leopard 2.

Esperemos que os nossos não venham a ser necessários em mais do que exercícios e paradas: assim também se cumpre a missão.
Sem imagem de perfil

De JMB a 31.07.2008 às 22:20

E que novidade. Desconhecia.

Pois...
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 31.07.2008 às 22:38

Nunca fui apologista do populismo fácil de criticar a compra de material bélico. A política é o que é e sem FA, os países perdem e muito, em termos de soberania. São uma bandeira.
O que critico, é o secretismo em que tudo isto anda, como se fosse uma vergonha a modernização de forças armadas que estão amplamente envolvidas em missões NATO, ONU, etc . O secretismo militante acicata a suspeita, a intriga e a maledicência barata. *

* Este tanque é excelente e o preço anunciado, deixou-me surpreendido. Ou será que os "democratas" gostariam de ver as missões de paz portuguesas equipadas com material vergonhosamente obsoleto e vulnerável a qualquer meliante armado de uma vulgar RPG?
Sem imagem de perfil

De Humberto Nuno de Oliveira a 01.08.2008 às 08:58

Obrigado pela notícia. Realmente o segredo é a alma do negócio.
mas parece-me acertadíssima a opção.
Gostei do título do postal... só tu.
Um abraço

Comentar post







Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas