Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




4 de Dezembro

por Nuno Gonçalo Poças, em 04.12.15

ng2259643.jpg

Nos primeiros dias do ano de 1976, à mesa do Tavares, Francisco Sá Carneiro perguntou a Natália Correia que tal era a sua editora. A mulher chamava-se Snu Abecassis e era responsável pela D. Quixote. E Natália Correia respondeu-lhe assim:
"É melhor não querer saber como ela é. É uma princesa nórdica que jaz adormecida num esquife de gelo à espera que venha o príncipe encantado dar-lhe o beijo de fogo. Esse príncipe encantado é você. Porque ela é a mulher da sua vida. Corra para ela! Telefone-lhe e convide-a."
Sá Carneiro assumia, algum tempo depois, a relação com Snu. Casado, separado, não divorciado – e unido de facto. Em 1976. Escândalo político. Uma mancha na vida pública. Uma vergonha doméstica. Um amor. O amor. E Sá Carneiro resistia. O caso era tema político – como um lodo que nos entra pelos lençóis. Manuela Eanes recusava-se a ter Snu ao seu lado na recepção a Jimmy Carter. De Sá Carneiro dizia-se que não se podia esperar que um homem incapaz de governar a sua casa fosse capaz de governar o país.
Mas o homem era de ferro. Contorceu-se, entrou, saiu, rodou, voltou. Foi capaz de dizer ‘sim’ e de dizer ‘não’. Teimou, teimou, teimou. Confrontou. Baixou os braços, deprimiu, saiu. Voltou, ganhou, perdeu e, por fim, morreu, na sua “ânsia febril de andar depressa”, como terá dito Marcello Caetano um dia. E escolheu sempre Snu. E esclareceu isso em 1977: “se a situação for considerada incompatível com as minhas funções, escolherei a mulher que amo”. Não foi preciso tanto. Antes das eleições perguntou a Freitas do Amaral e a Ribeiro Telles se a sua condição pessoal era incompatível com uma hipotética condição política. Disseram-lhe que não – eles e o país, que o levou em ombros pouco tempo depois. A ele e a Snu.
É este o legado de Sá Carneiro – digo eu, cheio de incertezas e desconhecimento. Não é político e muito menos ideológico. Não é a social-democracia. O legado de Sá Carneiro é o carácter. A força e a coragem. A capacidade de ir ao choque – e de provocar o confronto. De entrar para sair, de sair para entrar. De abandonar o partido para não abandonar as suas ideias. De edificar para destruir, de destruir para edificar. E o descaramento de conquistar o coração de um povo que o amou e que o chorou – a ele e à sua mulher que as convenções diziam ser ilegítima. O legado de Sá Carneiro é o carácter. O carácter que o fez esquecer as regras e a moral. E é uma pena que tenhamos deixado morrer o homem Francisco, para manter a lenda do político Sá Carneiro. Trinta e cinco anos depois de Camarate, trinta e cinco anos depois da morte de Sá Carneiro, de Adelino Amaro da Costa e de Snu Abecassis, parece-me mais relevante realçar a força de carácter das pessoas que iam a bordo daquele avião do que o seu legado partidário.

publicado às 10:34


6 comentários

Imagem de perfil

De Fernando Melro dos Santos a 04.12.2015 às 12:18

Digo-te desde já que se agora escreves assim, quando tiveres a minha idade o teu punho urdirá peças lendárias.
Imagem de perfil

De José Mendonça da Cruz a 04.12.2015 às 16:20

E agora, meu caro Nuno, valeria a pena recordar como se comportaram em relação a Sá Carneiro e Snu os zelotas da «ética republicana» e das questões fracturantes
Sem imagem de perfil

De Avelino Velez a 04.12.2015 às 19:20

Tinha pouco mais de 12 anos quando comecei a ouvir falar de Sá Carneiro, lá em casa de meus pais. Nunca percebi bem o que me fascinava nele: se a sua política (eu era novo demais para a compreender) se a sua forma segura de estar na vida (e também não tinha maturidade para entender isso), se a sua vida e decisão de optar por quem realmente o arrebatou  amorosamente -  Snu Abecassis. Passaram-se 35 anos após a sua morte e, na verdade, foi o ÚNICO político que me ficou marcado na memória e me faz eco como identidade. Hoje sei o que vejo nesse homem, precisamente o que diz este artigo: não ter medo da morte, não ter medo da vida, não ter medo do amor. Homem resistente, quase de ferro, 100% convicto dos seus ideais e ideias, de grande caracter, de extremos baseados na certeza que tinha daquilo por que optava. Para mim continua vivo não só na minha memória mas como um modelo vivo que admiro e com que me identifico como pessoa, principalmente na personalidade.
Sem imagem de perfil

De Jose Vieira a 04.12.2015 às 22:50

O PSD de SÁ CARNEIRO...Já se esfumou.
Imagem de perfil

De João Villalobos a 06.12.2015 às 09:51

Excelente, Nuno. Abraço.
Imagem de perfil

De João Villalobos a 06.12.2015 às 13:24

Excelente, Nuno. Abraço.

Comentar post







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas