Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Entretanto, as « Festas Nicolinas » já mexem (1)

por Cristina Ribeiro, em 02.12.08

 

« Distintos Professores deste Liceu Central

                                                Não vos zangueis connosco, nem tomeis a mal

                                                Que a gente se divirta assim todos os anos,

                                                Ao menos uma vez...Vós não sereis tiranos.

                                                Se vos queixais de nós, façamos hoje as pazes

                                                Porque vós afinal, também fostes rapazes  »

 

             ( Excerto do « Pregão  Nicolino », de 1921, coligido por Lino Moreira da Silva  in «Guimarães e as Festas Nicolinas » )

 

Insere-se este  «Dia do Pregão» num vasto conjunto de festividades com que os estudantes de Guimarães homenageiam o seu Santo Patrono, São Nicolau, que terá sido Bispo de Mira, na Turquia, no séc. IV: uma semana de folguedo, que se inicia com a Noite do Pinheiro, no dia 29 de Novembro, e termina com o Baile Nicolino, no dia 7 de Dezembro.

 

 

                              «No séc.XVI, deu-se em Guimarães um acontecimento decisivo para as Festas Nicolinas- a instauração da Universidade da Costa ( 1537-1543 ). Com professores e até alunos vindos de fora-Lovaina, Paris, Salamanca....(...) É a partir desta altura que começam a levantar-se, de modo consciente e deliberado, as Nicolinas, enquanto Festas dos Académicos de Guimarães.».

Mas S. Nicolau já era « muito venerado entre nós durante a Alta Idade Média, quando capelas e altares lhe eram dedicados. Concretamente em Guimarães, ele era celebrado na Igreja da Colegiada pelos populares e pelos Estudantes, de quem era Santo Protector »

 

 

 

publicado às 18:25


11 comentários

Sem imagem de perfil

De JuliaML a 02.12.2008 às 22:39

olhe, não conhecia a tradição, que vejo ser interessante, Cristina!

Imagem de perfil

De Cristina Ribeiro a 02.12.2008 às 22:59

Muito bonita, Júlia, e muito vivida pelos estudantes.
Sem imagem de perfil

De carlosbarbosaoli a 02.12.2008 às 23:12

Estou sempre a aprender consigo, Cristina.
Imagem de perfil

De Cristina Ribeiro a 02.12.2008 às 23:23

Mau era, Carlos, que, tão ligada a estas tradições da " terrinha ", e tendo vibrado com elas, nelas não falasse...
Mas, vendo bem, olha quem fala...
Imagem de perfil

De Paulo Cunha Porto a 02.12.2008 às 23:42

Então e a evocação das patuscadas de que tanto gostei, no ano passado?
Beijo
Imagem de perfil

De Cristina Ribeiro a 03.12.2008 às 18:58

Vêm a caminho, Paulo :)
Beijo
Imagem de perfil

De Paulo Cunha Porto a 02.12.2008 às 23:43

gostei... da evocação, as alegrias festivas nem provei.
Sem imagem de perfil

De patti a 02.12.2008 às 23:49

Dis o cortador oficial do pinheiro, que ele mede este ano uns 28 metros!
Imagem de perfil

De Cristina Ribeiro a 03.12.2008 às 18:59

É sempre escolhido a dedo, Patti :)
Sem imagem de perfil

De Tiago Laranjeiro a 03.12.2008 às 01:29

Umas Festas fantásticas! Há nelas qualquer coisa de mágico que prende quem as vive, para sempre.

E as Festas não se ficam pelo Pinheiro... há muito mais até à véspera de Nossa Senhora da Conceição... Que dizer da beleza inigualável de um número como as Maçãzinhas (que, pelo que ouvi, este ano vão ser reforçadas com mais estudantes que nos últimos anos)?


Já agora, fica uma sugestão, em especial para a Cristina. Um blogue sobre as Festas: http://s-nicolau.blogspot.com
Imagem de perfil

De Cristina Ribeiro a 03.12.2008 às 19:02

Obrigada pela indicação, Tiago.
Numa 2ª parte penso falar nelas, tal como as vivi, enquanto aluna do Liceu...

Comentar post







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas