Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O peso da crise

por Nuno Castelo-Branco, em 02.01.09

 

Foi o discurso da "verdade que deve ser dita", contra o das "ilusões que se pagam caras". Na mensagem de Ano Novo, transmitida ontem à noite pela RTP, o Presidente da República fez críticas contundentes ao Governo, chamando a atenção para a "quase estagnação económica" e exigindo prudência e ponderação nas escolhas dos investimentos públicos.

 

O possível derradeiro "presidente da república" fez ontem uma realista análise do país em que ainda vivemos e segundo a generalidade da imprensa, a palavra mais utilizada pelos assessores que prepararam a ora, foi a Verdade. Finalmente. Após quase três décadas de íntimo e recíproco conhecimento, decidiu brindar o eleitorado/contribuinte com aquilo que dele esperávamos há muito.

 

Quando foi primeiro-ministro, bastante daquilo que ontem apontou no seu discurso de Ano Novo, foi habilidosamente esquecido, desprezado ou pior ainda, escamoteado por uma ambiciosa política eleitoralista. Introduziu o conceito betoneiro que hoje a generalidade dos portugueses tem do sistema político. Foi a áurea época do malbaratar de fundos com autoestradas de e para nenhures. Foi o forte investimento no futuro dos salões de manicuras, massagens e tingimento capilar. Consistiu também na descoberta das delícias caseiras do jacuzzi, jeeps e três ou quatro telemóveis por cabeça. O "crédito fácil" que hoje é tão criticado, nasceu auspiciosamente há duas décadas.

 

O gravíssimo problema  para alguns, consiste no desagradável e inultrapassável pormenor técnico, da boa memória de substancial parte da população. Há vinte e poucos anos, poucos se preocupavam com a competitividade das empresas, cientes do eterno recurso à desvalorização da moeda.  Mantinha-se assim o vício da exportação barata, de má qualidade e sem valor acrescentado que era suficiente para a gestão dos negócios correntes. Isto diz-lhe alguma coisa, senhor professor?

Há vinte e poucos anos, iniciou-se a desregrada espiral de forte endividamento - para o consumo -, concertado com a banca estrangeira. Tem disto notícia, senhor professor?

Há vinte e pouco anos, deu-se um forte impulso á venda do património imobiliário,  industrial e de serviços aos estrangeiros. Lembra-se do ano de 1989, em que um estudo dava a própria Av. da Liberdade como propriedade quase exclusiva de estrangeiros? Quem governava então  o país, senhor professor?

Há vinte e poucos anos, acelerou-se a louca depredação das áreas metropolitanas do continente, com a construção de infectos subúrbios de betão, sem valor e esquecendo a qualidade de vida e que são hoje, meros cenários para a marginalidade. O saudar de 2009 com tiros de armas automáticas, irmana Chelas (Lisboa leste) a Jenin, Beirute ou Kirkuk. Ouviu o tiroteio, senhor professor? O país ouviu e registou com supremo enfado essa similitude.

Há vinte e poucos anos, o Estado - que como bem sabe sempre foi fundamental apoio às sucessivas tentativas de industrialização -, não parecia muito preocupado em proceder a uma decidida política de atracção de capitais e investimentos que modernizassem a nossa indústria, agricultura, comércio e transportes marítimos. Nada se fez, vivendo-se sob o esmagador peso do El Dorado propiciado pelos fundos estruturais europeus.   Tem uma ideia destes problemas, senhor professor?

 

 

Agora, algumas perguntas de cariz construtivo e que por si apontam um caminho possível:

 

1. Como pode V. Exa. esperar  uma estratégia política portuguesa extra-fronteiras, com o actual e absoluto investimento na ideia fátua da UE a todo o transe, esquecendo o enorme potencial dos nossos mercados tradicionais no ultramar?

 

2. Como pode V. Exa. esperar agilizar a coordenação entre os órgãos de soberania, quando estes mesmos sobrevivem mercê da inter-conflitualidade? Quando V. Exa. pede para se deixarem de lado as querelas, não é isto um autêntico ataque suicida ao V. próprio cargo?

 

3. Como pode V. Exa. esperar um bom exemplo pela exigência, quando a instituição que titula é um verdadeiro poço de estéril despesismo, onde a proliferação de parques automóveis, mordomias a título de "ajudas de custo", assessores boys & girls, emula o que se passa nos outros sectores da governação que tanto critica? Tem uma ideia da diferença de "lista civil" entre aquela que o Palácio de Belém aufere e a que se destina à Zarzuela, por exemplo? Para não falar mesmo de Buckingham? Diz bem, quando apela ao exemplo a dar.

 

Muito mais há para questionar e continuaremos a fazê-lo. Contudo, a ambicionada saída desta crise que não é apenas económica ou financeira, tornou-se para muitos óbvia. 

.................................................................................................................

 

Os tiranos abominam os reis, que lhes lembram a sua insignificância passageira, mas raramente se atrevem tocar-lhes. Só nós, portugueses - ou antes, "eles", os tais que tinham 5% em 1910 - quiseram resolver o destino do país matando o Rei na praça pública. Ou seja, neste particular, os republicanos portugueses excederam largamente o atrevimento homicida da Junta Militar birmanesa.

 

 

 

 

publicado às 15:34


1 comentário

Sem imagem de perfil

De De Puta Madre a 03.01.2009 às 17:12

Gostei em especial dos sucessivos "Há vinte e poucos anos," ... a memória anda cada vez mais curta ...~
Vale.

Comentar post







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas