Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Os novos escravos

por Nuno Castelo-Branco, em 25.01.09

 

 

Portugal é um dos países com uma das legislações mais vetustas quanto aos direitos dos animais. As normas ainda consideram os cães, gatos, burros, cavalos ou vacas, como "coisas" à disposição de donos, equiparando-se a uma telha, mesa, cadeira ou penico. Se alguém solicitar a intervenção da polícia para acudir a um gato ou cão atropelado, invariavelmente terá como resposta ..."contacte uma entidade defensora dos animais"..., ou ..."não nos compete fazer algo, até porque juridicamente os animais são coisas"... etc, etc. Muito a propósito, aqui recordo a forma absolutamente criminosa como uma certa personalidade ex-detentora de elevadíssimo cargo republicano, soube contornar a Lei e à boa maneira chico-espertista própria de um qualquer mitra de subúrbio, encontrou "especificidades culturais" que permitiam num certo caso, os touros de morte em Portugal.

 

Na ânsia de obter  tilintantes recursos a qualquer preço, a Câmara Municipal de Lisboa, decidiu iniciar uma campanha de angariação de meios seja de que maneira for. Após as corridas da Renault no Marquês de Pombal e Avenida da Liberdade, tivemos a infecta, rasquíssima e terceiro mundista campanha de Natal da TMN, também na praça do Marquês. Iluminações pífias, plastificados e como símbolos da actual situação, barracas aqui e ali, fizeram o pleno do mau gosto e do vale tudo.

 

Chegou a vez do arquipélago dos Açores. Pela cidade foram surgindo outdoors, iluminações e iniciativas para a promoção da região autónoma. Muito legitimamente, incentiva-se o turismo naquela parte de Portugal. Com o que não posso de forma alguma estar de acordo, é com o desastroso e arrogante sinal de insensibilidade perante o lastimável espectáculo oferecido pelo relvado da Praça de Espanha, pretensamente transformado em campo de pastagem de vacas leiteiras. Um vendaval permanente, um frio de congelar vulcões, a poluição sonora e rodoviária 24 horas por dia. Nem um abrigo pré-fabricado para os animais poderem passar a noite?! Incrível, mas verdadeiro.

 

A desculpa explicativa do imperdoavelmente inexplicável: ..."os animais são monitorizados por tratadores e naquele sítio usufruem de um ambiente idêntico ao do local onde normalmente pastam"...


Além de deles nos servirmos muitas vezes de forma bárbara - alimentando-nos, vestindo-nos e calçando-nos -, os bichos servem para brincadeiras, umas mais tradicionais que outras. Metade do país está armado de espingardas e caça-se não se sabe bem o quê. A taxa de abandono de animais domésticos é vergonhosa. São os novos e indefesos escravos, sempre à disposição.

 

Se a tudo isto somarmos a despótica insensatez dos órgãos componentes do Estado, nada mais há para comentar, a não ser um ...que bestas!

 

 

publicado às 21:13


1 comentário

Sem imagem de perfil

De João Pedro a 26.01.2009 às 13:23

À parte o abandono dos animais, que isso sim, acho inacreditável, estou em total desacordo com o post, Nuno, Mas lá deixarei no meu blog explicacção para isso.

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.







Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds