Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Brincando com o fogo

por Samuel de Paiva Pires, em 17.10.07
Não é sem alguma apreensão que assisto às acções e tomadas de posição de uma administração norte-americana em declínio.

Bush preocupa-se com a ameaça de Ahmadinejad de destruição de Israel e com o desenvolvimento de armas nucleares por parte do regime de Teerão, enquanto Putin afirma que a Rússia não tolerará qualquer tipo de acção militar contra o Irão, declarando que acredita que o programa nuclear do Irão tem apenas fins pacíficos como a utilização de energia nuclear.

É interessante analisar as declarações de Bush: "So I've told people that, if you're interested in avoiding World War III, it seems like you ought to be interested in preventing them from having the knowledge necessary to make a nuclear weapon."

Vêm-me à memória as tomadas de posição que precederam a I Guerra Mundial, quando governos e líderes de cada país interiorizaram cognitivamente que não iam entrar em Guerra porque assim o desejavam, mas sim porque o "outro" não lhe deixava qualquer outra alternativa, desta forma legitimando a sua acção, da qual não teria culpa.

Simultaneamente Bush adverte que a Coreia do Norte poderá enfrentar consequências se não cumprir os compromissos de desmantelamento do seu programa nuclear, e afirma que não é do melhor interesse da Turquia prosseguir com o recém aprovado envio de tropas para o norte do Iraque, com vista a desmantelar a guerrilha do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK).

Como se não bastasse, Bush ainda desafia Pequim recebendo o Dalai Lama e concedendo-lhe a mais alta condecoração civil dos Estados Unidos, a Medalha de Ouro do Congresso.

Pergunto-me se pairará um sentimento de invulnerabilidade pela Casa Branca ou se serão estes espasmos de uma administração a caminho do fim.

De qualquer das formas, é cada vez mais frequente a referência a um futuro conflito de grandes proporções, não restando muitas dúvidas que a região do Médio-oriente e Ásia Central será inicialmente o teatro de operações que concentrará mais atenções.

À medida que avançamos no tempo, com gerações de decisores que se vão esquecendo dos efeitos de uma guerra, mais facilmente se recorrerá a essa instituição geralmente utilizada para corrigir o equilíbrio do sistema internacional.

E ainda vêm idealistas e construtivistas dizer que com a ONU se caminha cada vez mais para um sistema-mundo com um Estado ou entidade supranacional que condiciona a acção de todos os actores.

Ainda que desde a queda do muro de Berlim a agenda internacional se tenha multiplicado em diversas issue areas que se colocam ao mesmo nível de questões de segurança e defesa, serão necessárias mais evidências de que a balança de poderes e a power politics continuam a ser os elementos mais determinantes da política externa dos Estados?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:25


Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.







Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds