Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Cabralismo socrático

por João Pinto Bastos, em 26.10.13

 Há algumas constantes na política portuguesa, sobretudo neste regime diligentemente saído das torvas ideias de meia dúzia de jacobinos peralvilhos unidos a uma caterva de oficiais desoficializados, que irritam até um cego, surdo e mudo. Veja-se, por exemplo, o marketing rasteiro que ciranda em torno da figura acima retratada. Repare-se que o sobretido "engenheiro" esteve uma boa carrada de anos no poder, arruinando porfiadamente os portugueses, e, no fim, como prenda de tamanhos serviços, tem ao seu dispor a máquina mediática e parasitária dos grupelhos que vivem agachados à espera de um salvador que distribua mais alguns torrõezinhos de açúcar, parafraseando uma triste "notabilidade" do século XIX. É assim que se faz política na terra da República que produziu em 100 anos uma miríade de falências corrigidas a golpes de caixa forâneos. Sócrates, no fundo, não tem culpa. Como alguns antes dele, não passa de um sibarita ambicioso que não vê mais nada à frente a não ser o poder de aparecer e dizer "eu faço".  Não faz nada, como é evidente, a não ser que fazer seja, nos dias que correm, sinónimo de desfazer e destruir. Com tanta novilíngua por aí, não seria, pois, de surpreender que esta troca semântica fosse, de feito, uma realidade tangível. Mas deixando isso de lado, retornemos à desconstrução analítica da semana em que Sócrates foi alcandorado a uma espécie de astro de Hollywood, sem desprimor para os Pitts e Clooneys desta vida. As entrevistas concedidas na última semana, num derradeiro esforço de autopromoção, denotam, em última instância, que Sócrates vive imerso numa bolha indestrutível. Por mais que a realidade diga o contrário, o bastardo parisiense não entende nem conseguirá entender o juízo declinado pelos portugueses no já longínquo ano de 2011. O mais grave é que, nesta senda de ilusionismo mequetrefe, Sócrates tem tido o auxílio prestimoso das Ferreiras Alves do comentário e da "Lesboa" dos poderzinhos, que, em boa verdade, jamais seriam alguma coisa se não tivessem este género de prebostes a dar a cara. Há uns tempos atrás, não sem alguma razão, dei por mim a pensar que Sócrates é um émulo coevo da estultícia de Costa Cabral. Creio, cada vez mais, que tinha razão. Há, de facto, algo em Sócrates que traz à colação a figura de Costa Cabral. Com duas nuances: Cabral era infinitamente mais inteligente e arguto (não gosto do personagem, note-se), e não tinha, descontando alguns casos paradigmáticos, a imprensa a seus pés. Um mundo de diferenças, portanto. Sócrates vai trilhando dia a dia o seu caminho de azares com uma elite ensoberbecida que não aprende com a desgraça alheia. Que faça o seu proveito, é o que lhe desejo. Só espero, contudo, que não obtenha o aval do povo português para mais uma aventura de decretinices declamadas numa televisão perto de nós. O mundo mudou, e Sócrates terá, forçosamente, de aceitar a dureza dos factos tangíveis. É a lei da vida.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:50

Não é por nada...

por João Pinto Bastos, em 19.09.13

Mas a sobredita apresentação da magnum opus de Sócrates após as eleições autárquicas visa, exactamente, o quê e quem? Vá, não sejam inocentes.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:46


Algo de muito errado se passa. Sócrates, o enjeitado pelas audiências, vai lançar um livro de Ciência Política, "brilhantemente" prefaciado por Lula, enquanto Domingos Névoa, através da sua dedicadíssima progénie, prepara-se, igualmente, para publicar um livro sobre as suas desventuras enquanto caçador de subornos públicos. De facto, algo de muito errado se passa. Este país não é para gente séria e bem apessoada.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:43

Filosofar é aprender a morrer (3)

por Samuel de Paiva Pires, em 03.06.13

 

(Jacques-Louis David, A Morte de Sócrates)

 

Platão, Apology:

 

«Not much time will be gained, O Athenians, in return for the evil name which you will get from the detractors of the city, who will say that you killed Socrates, a wise man; for they will call me wise even although I am not wise when they want to reproach you. If you had waited a little while, your desire would have been fulfilled in the course of nature. For I am far advanced in years, as you may perceive, and not far from death. I am speaking now only to those of you who have condemned me to death. And I have another thing to say to them: You think that I was convicted through deficiency of words - I mean, that if I had thought fit to leave nothing undone, nothing unsaid, I might have gained an acquittal. Not so; the deficiency which led to my conviction was not of words - certainly not. But I had not the boldness or impudence or inclination to address you as you would have liked me to address you, weeping and wailing and lamenting, and saying and doing many things which you have been accustomed to hear from others, and which, as I say, are unworthy of me. But I thought that I ought not to do anything common or mean in the hour of danger: nor do I now repent of the manner of my defence, and I would rather die having spoken after my manner, than speak in your manner and live. For neither in war nor yet at law ought any man to use every way of escaping death. For often in battle there is no doubt that if a man will throw away his arms, and fall on his knees before his pursuers, he may escape death; and in other dangers there are other ways of escaping death, if a man is willing to say and do anything. The difficulty, my friends, is not in avoiding death, but in avoiding unrighteousness; for that runs faster than death. I am old and move slowly, and the slower runner has overtaken me, and my accusers are keen and quick, and the faster runner, who is unrighteousness, has overtaken them. And now I depart hence condemned by you to suffer the penalty of death, and they, too, go their ways condemned by the truth to suffer the penalty of villainy and wrong; and I must abide by my award - let them abide by theirs. I suppose that these things may be regarded as fated, - and I think that they are well.

 

And now, O men who have condemned me, I would fain prophesy to you; for I am about to die, and that is the hour in which men are gifted with prophetic power. And I prophesy to you who are my murderers, that immediately after my death punishment far heavier than you have inflicted on me will surely await you. Me you have killed because you wanted to escape the accuser, and not to give an account of your lives. But that will not be as you suppose: far otherwise. For I say that there will be more accusers of you than there are now; accusers whom hitherto I have restrained: and as they are younger they will be more severe with you, and you will be more offended at them. For if you think that by killing men you can avoid the accuser censuring your lives, you are mistaken; that is not a way of escape which is either possible or honorable; the easiest and noblest way is not to be crushing others, but to be improving yourselves. This is the prophecy which I utter before my departure, to the judges who have condemned me.

 

Friends, who would have acquitted me, I would like also to talk with you about this thing which has happened, while the magistrates are busy, and before I go to the place at which I must die. Stay then awhile, for we may as well talk with one another while there is time. You are my friends, and I should like to show you the meaning of this event which has happened to me. O my judges - for you I may truly call judges - I should like to tell you of a wonderful circumstance. Hitherto the familiar oracle within me has constantly been in the habit of opposing me even about trifles, if I was going to make a slip or error about anything; and now as you see there has come upon me that which may be thought, and is generally believed to be, the last and worst evil. But the oracle made no sign of opposition, either as I was leaving my house and going out in the morning, or when I was going up into this court, or while I was speaking, at anything which I was going to say; and yet I have often been stopped in the middle of a speech; but now in nothing I either said or did touching this matter has the oracle opposed me. What do I take to be the explanation of this? I will tell you. I regard this as a proof that what has happened to me is a good, and that those of us who think that death is an evil are in error. This is a great proof to me of what I am saying, for the customary sign would surely have opposed me had I been going to evil and not to good.

 

Let us reflect in another way, and we shall see that there is great reason to hope that death is a good, for one of two things: - either death is a state of nothingness and utter unconsciousness, or, as men say, there is a change and migration of the soul from this world to another. Now if you suppose that there is no consciousness, but a sleep like the sleep of him who is undisturbed even by the sight of dreams, death will be an unspeakable gain. For if a person were to select the night in which his sleep was undisturbed even by dreams, and were to compare with this the other days and nights of his life, and then were to tell us how many days and nights he had passed in the course of his life better and more pleasantly than this one, I think that any man, I will not say a private man, but even the great king, will not find many such days or nights, when compared with the others. Now if death is like this, I say that to die is gain; for eternity is then only a single night. But if death is the journey to another place, and there, as men say, all the dead are, what good, O my friends and judges, can be greater than this? If indeed when the pilgrim arrives in the world below, he is delivered from the professors of justice in this world, and finds the true judges who are said to give judgment there, Minos and Rhadamanthus and Aeacus and Triptolemus, and other sons of God who were righteous in their own life, that pilgrimage will be worth making. What would not a man give if he might converse with Orpheus and Musaeus and Hesiod and Homer? Nay, if this be true, let me die again and again. I, too, shall have a wonderful interest in a place where I can converse with Palamedes, and Ajax the son of Telamon, and other heroes of old, who have suffered death through an unjust judgment; and there will be no small pleasure, as I think, in comparing my own sufferings with theirs. Above all, I shall be able to continue my search into true and false knowledge; as in this world, so also in that; I shall find out who is wise, and who pretends to be wise, and is not. What would not a man give, O judges, to be able to examine the leader of the great Trojan expedition; or Odysseus or Sisyphus, or numberless others, men and women too! What infinite delight would there be in conversing with them and asking them questions! For in that world they do not put a man to death for this; certainly not. For besides being happier in that world than in this, they will be immortal, if what is said is true.

 

Wherefore, O judges, be of good cheer about death, and know this of a truth - that no evil can happen to a good man, either in life or after death. He and his are not neglected by the gods; nor has my own approaching end happened by mere chance. But I see clearly that to die and be released was better for me; and therefore the oracle gave no sign. For which reason also, I am not angry with my accusers, or my condemners; they have done me no harm, although neither of them meant to do me any good; and for this I may gently blame them.

 

Still I have a favor to ask of them. When my sons are grown up, I would ask you, O my friends, to punish them; and I would have you trouble them, as I have troubled you, if they seem to care about riches, or anything, more than about virtue; or if they pretend to be something when they are really nothing, - then reprove them, as I have reproved you, for not caring about that for which they ought to care, and thinking that they are something when they are really nothing. And if you do this, I and my sons will have received justice at your hands.

 

The hour of departure has arrived, and we go our ways - I to die, and you to live. Which is better God only knows.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:00

O Eclesiastes tem a resposta para isto

por João Pinto Bastos, em 16.04.13

O Rui A. e o Manuel Parreira têm razão (aqui e aqui). De facto, o regresso de Sócrates às lides da parlapatice não tem corrido muito bem: audiências decrescentes e um estilo que não inova. Nada que surpreenda. Quando o ego sobrepuja o bom senso, o resultado é a desgraça em crescendo. Como dizia o grande Kohelet, "vanitas vanitatum, et omnia vanitas". Não é, caríssimo engenheiro?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:35

A hollywoodização portuguesa

por João Pinto Bastos, em 29.03.13

 Francis Bacon, After the life mask of William Blake III

 

Sócrates conseguiu o que queria: ser falado ad nauseam pela "Lesboa" das intrigas palacianas e pela chusma de opinaristas que vivem do comentário fácil e desinformado. De facto, o seu regresso meticulosamente preparado com a ajuda prestimosa de Relvas e Alberto da Ponte, revelou-se uma aposta ganha. Zurziu em todos, sobretudo em Cavaco, e mostrou, se dúvidas existissem, que não mudou nada. E o essencial da entrevista é justamente essa não mudança. Sócrates continua igual a si próprio, apostando, novamente, na mentira desbragada e na falsificação ardente dos números da sua péssima governação. Há coisas que não mudam, e Sócrates é um bom exemplo. Por mais que alguns queiram afivelar-lhe uma pretensa "star quality" (Sousa Tavares no seu avatar mais ridículo), Sócrates, não obstante os seus inegáveis dotes de comunicador, não tem nada de bom para oferecer ao país. A entrevista, uma espécie de monumento à frivolidade da política contemporânea -aquele número do spot inicial, com um Sócrates "poseur", a desfilar como se fosse um Brad Pitt grisalho foi algo de surreal -, resumiu-se basicamente a isto: uma narrativa feita do mesmo material falacioso a que Sócrates desde sempre nos habituou. Com um upgrade fundamental: o líder sombra do inseguro Seguro não tem culpa de nada. A culpa é das conspirações à la "Brutus" de Cavaco, da crise, da imprensa, da oposição. A culpa é de todos, menos de Sócrates. Por último, last but not the least, a austeridade deve terminar o quanto antes. Com um material destes não é difícil imaginar o que sairá do espaço de comentário caninamente servido pela RTP ao ex-exilado: mentira, loucura e demagogia a rodos. A hollywoodização da política portuguesa começou ontem. E seguirá infrene nos próximos tempos. O certo é que a liderança da oposição passou definitivamente para Sócrates. Seguro, politicamente, deixou de existir, se é que alguma vez existiu. Por fim, eu, humilde escriba que tem dedicado o seu tempo livre a perorar sobre o nada, aconselharia aos não-socialistas pátrios algum cuidado. Por uma razão bem singela: Sócrates não voltou para ficar confortavelmente sentado numa cadeira televisiva a discretear sobre a habilidade política de Seguro ou a truculência de Relvas. Sócrates quer o poder, deseja-o desesperadamente, vive para ele, consome-se por ele. E tudo fará para ludibriar os portugueses, com o apoio de todos os que sempre viveram da mesmice que nos trouxe a esta desgraça. Há narrativas e narrativas, como diria o ex-exilado, porém, há narrativas fáceis que, em alturas de crise, tendem a ser escolhidas pelo populacho. As coisas são o que são. E, como recordou o Miguel Castelo Branco, as pessoas perante a demagogia "escolhem o pior, aplaudem e sentem-se livres".

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:51

Psicose Pós-Sócratica

por John Wolf, em 28.03.13

 

Começo seriamente a pensar que Portugal deseja sofrer. Quase não tenho dúvidas que Portugal tem o que merece. No rescaldo de um programa de televisão que ontem não vi, e das palavras discorridas por um senhor que não escutei, mas baseando-me na vox populi das redes sociais, posso concluir que este país está condenado. Está arrumado por não ter meios intelectuais para realizar a destrinça entre a arte de ludubriar e o valor substantivo das acções e palavras. O país parece cair que nem um patinho na sedução gasta de um vendedor de banha da cobra. Uma pessoa desprovido de nojo, das sensações que equipam os homens sensatos, uma condição simultaneamente profunda e cutânea a que chamamos consciência e que torna, os convictos caídos em si, caídos em desgraça - humildes e arrependidos. Chamemos-lhe "ser cristão", se quiserem. Nem a matriz católica do país parece servir para actos de constrição. Em vez disso temos erva daninha que cresce em redor do templo, da reserva. Apenas os indivíduos dotados de um super-ego podem atropelar sem hesitações os direitos dos outros, e julgarem-se os primeiros mesmo que já estejam derrotados. Parece que Portugal sofre de uma doença regressiva, uma especie de Alzheimer político e selectivo que oblitera o percurso negativo de um homem e que elogia a capacidade para arranhar quem quer que se lhe atravesse pelo caminho. O regresso às cavernas parece um dado adquirido - quando a população aplaude o espernear de um bicho ferido. O desempenho instantâneo e brutal tomou conta do país político. Os ganchos e os socos dados por cima e por baixo. Assistimos à potência hiper-ventilada de faladores desprovidos de ética, que demonstram os seus talentos em duelos absurdos, em concursos para ver quem consegue botar-abaixo mais vómitos, e ainda maiores indisposições. Os assistentes são como claques de mentecaptos que anulam a grande obra humana. O país requer urgentemente um movimento sem face, sem aparência, sem hábitos ou vestimentas. Os intelectuais que invocam a liberdade de expressão e a Democracia, podem também invocar outras emendas que não a quinta, para salvar o país. A esquerda caviar ou a direita esclarecida, culpadas por esta transmissão televisiva e igual número de eleições, pode sair do seu falso exílio, o paradigma de cocktails e cultura onde discutem justiça social en passant, em redor de uma mesa de politicamente correctos. E essa corja que diz que nada tem a ver com o estado em que se encontra o país, também tem um pouco do DNA do mesmo embuste. O desejo de uma vida glamour, de privilégio, de sobranceria intelectual, de Paris. O que se nos apresenta é um caso de psicose colectiva, um comportamento desviante praticado por uma larga maioria televisiva pouco interessada em política, mas muito dada a novelas. Estou raivoso, sim senhor.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:37

Perguntinha difícil (2)

por João Pinto Bastos, em 27.03.13

Que tal o entrevistador de logo à noite perguntar a Sócrates o porquê de ter aprovado, em 2007, uma lei que permite a qualquer espião avençado pelo Estado português ter emprego para o resto da vida, ao fim de seis anos de contrato, independentemente do que faça? 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:52

Sócrates, cuidado, amigos!

por João Pinto Bastos, em 26.03.13

O Ricardo Arroja alertou aqui para um ponto que, curiosamente ou não, tem alguma lógica. E se Sócrates se tornar num defensor da saída de Portugal do euro? Há algumas variáveis em jogo que não deveriam ser desprezadas. Claro que isto são meros exercícios preditivos, mas, com vaidosos incorrigíveis, é melhor não ter certezas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:54

I'll be back!

por João Pinto Bastos, em 21.03.13

Por diversas vezes disse e escrevi que Sócrates voltaria. Recordo-me das respostas dos meus interlocutores, "não, não volta", "a vida política dele acabou", " jamais", "nunca", coisinhas assim, porém, sempre fiz questão de enfatizar um pequeno facto que, em bom rigor, comprovaria a apetência de Sócrates pelo regresso: uma vaidade tresloucada que não conhece limites. Sócrates é vaidoso. Sempre foi. Sob a capa de uma pretensa sofisticação, desenvolveu um marketing bastante pessoal assente, sobretudo, numa imagem polida e numa ambição ao nível de um Afonso Costa do século XXI. Sócrates vai voltar e vai querer apropriar-se do palco mediático. As suas ambições políticas continuam intactas e ele, mais do que ninguém, sabe que com uns pózinhos de amnésia e de retórica oca, devidamente ministrados, conseguirá desviar a atenção da populaça dos imensos sacrificios a que tem estado sujeita. É evidente que este regresso baralha muitas contas e algumas ambições pessoais. O futuro encarregar-se-á de dirimir essas lutas intestinas. Porém, num tempo em que o país é sujeito a uma dieta austeritária brutal, em que a miséria campeia e a desesperança assenta arraiais, um regresso deste calibre merece um forte protesto. Entendo a posição do Paulo Gorjão, também não gosto de silenciar ninguém, respeito a democracia e o direito de todos, sem excepção, de dizerem de sua justiça. Sócrates pode e deve falar, é livre de fazer o que bem entenda, não pode é esperar a benevolência de quem foi espoliado pelo seu projecto oligárquico que durou exactos seis anos. O protesto é lícito, mais, é uma obrigação moral de todos os que não se revêem nas patranhas de uma III República falida e gasta. Por último, last but not the least, tenho de recordar um pequeno pormenor que, infelizmente, tem sido menosprezado pelos muitos indignados que têm vertido, nas últimas horas, a sua revolta nas redes sociais a propósito desta estória: este convite tem a mão do Governo. Num momento em que o executivo vê-se apertado por todos os lados, nada melhor do que promover o retorno do responsável pela confusão presente. Jogada de mestre, dirão alguns. Génio político, dirão outros. Total falta de vergonha na cara, direi eu. Falta de vergonha, de escrúpulos e de tacto político. Passos e Relvas só provam com isto que têm de sair rapidamente. O seu tempo acabou definitivamente. Utilizar a televisão pública - sim, tem de ser imediatamente privatizada ou fechada, pouco importa a saída encontrada - para joguinhos políticos tão baixos, denota que este regime está a chegar a uma zona bastante perigosa: a zona em que a desconfiança da cidadania é já absoluta. Por isso, e com isto em mente, apelo aos organizadores das petições já em movimento para não se esquecerem do Governo nos seus protestos. Não se esqueçam, por favor. Relvas e companhia limitada são tão culpados quanto Sócrates. Ponto. Sim, protestem, gritem, digam não a isto, mas não se esqueçam dos preclaros senhores que convidaram o exilado parisiense. É só isso que vos peço.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:14

Safe Rabbit International Corporation, PLC

por John Wolf, em 27.02.13

 

Restringindo-me ao conceito de grande História de Portugal, pergunto, onde estarão Passos Coelho e António José Seguro por daqui a dez anos? Será que os encontraremos exilados em Paris, a vender a uma multinacional os contactos político-económicos que coleccionaram ao longo das suas carreiras públicas? Ou de um modo utópico, mas em perfeita sintonia com o que agora afirmam fazer (servir o país!), emprestarão os seus "talentos" a Portugal em nome do superior interesse nacional e a título gratuito? A questão também se coloca retroactivamente. Será que antes de escolherem a vocação política, foram cidadãos activos na construção do interesse público? Será que serviram as gentes dos seus bairros e as comunidades onde cresceram? São políticos naturais ou nem por isso? Como podem invocar o princípio de serviço público, se as suas vidas civis não foram pautadas por trabalho comunitário na sua acepção mais pura? A genuína obra que gira em torno de pessoas, de uma escala humanamente mensurável, e que deve obrigatoriamente preceder o sacerdócio político? Porque é disso que se trata. A coerência integral e plena, a indivisibilidade do cidadão e da causa pública que distingue o estadista do oportunista. Se tivéssem realizado obra na sociedade civil, teriam um track-record para mostrar, um currículo que não requer um aval partidário ou ideológico, mas que aufere grandes níveis de credibilidade junto da população. Pergunto novamente, onde estarão estes senhores, por daqui a quinze anos, e onde estará Portugal? A questão deveria implicar um debate profundo, com implicações jurídicas, por forma a estabelecer um período de nojo para o envolvimento de ex-governantes em negócios, onde fazem uso despudorado do manancial de privilégios e segredos de Estado que acompanham posições governativas. A questão que resulta destas considerações também tem a ver com um debate filosófico profundo. O que define o político? E se formos bem sucedidos em estabilizar esse conceito, também poderemos determinar o que contraria essa condição. Quais os comportamentos passíveis de constituirem uma traição aos desígnios nacionais? Será que pegar no telefone a partir de Paris e ligar para o Hugo Chavez e pedir ajuda para vender comprimidos é legítimo? Ou, será que, no intervalo que ocorre entre ser primeiro-ministro e ocupar um cargo na União Europeia, facultar conselhos e sugestões a instituições financeiras deve ser considerado normal? Nem vou responder. Não vale a pena. Não é um assunto de Estado. É uma matéria detestada.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:05

Plágios, Demissões, Relvas e Sócrates...

por John Wolf, em 10.02.13

Não existe um país no mundo que não tenha o seu cardápio de plagiadores. Os copy-pasters vêm em todas as cores e feitios. Não há nada que possa ser feito para limpar o sebo ao conhecimento, à sabedoria que encerra em si o DNA do seu autor e que sai da boca para fora. Ladrões de intelecto operam na China, nos EUA, na Guatemala, na Alemanha, e também em Portugal. Existe porém uma diferença abismal entre o ministro Miguel Relvas e a ministra de educação da Alemanha que foi apanhada volvidos trinta anos sobre a atribuição do seu "alegado" doutoramento. Se em Portugal, a Universidade que o certificou, tomasse uma decisão para despromover Relvas, provavelmente ao homem seria dada a equivalência ao quinto ano de escolaridade. Enquanto muitos nativos se regozijam com as escorregadelas dos alemães, em virtude do estado de sujeição política e económica em que o país se encontra, pecam por não integrar na sua análise um aspecto fundamental. Refiro-me às consequências políticas que resultam da fraude. Independentemente do assalto à tese de doutoramento ser verdade ou não, a ministra alemã apresentou quase de imediato a sua demissão à semelhança de outro colega de fraude. Não arrastou um país inteiro para um tira-teimas privado, que apenas a si e à sua consciência dizem respeito. Teria sido simpático se o José Sócrates, que esteve envolvido em sérias dúvidas académicas, tivesse aberto o precedente ético, abandonando de imediato a posição que ocupava. Se o tivesse feito facilitaria a vida ao colega Relvas e provavelmente a tantos outros com graus académicos conferidos administrativamente. Muitos sabem do que falo. Refiro-me a licenciaturas que foram "dadas" no calor da Revolução de Abril e que autorizam, mas não capacitam muitos indivíduos para exercer a sua profissão. Felizmente, para mandar umas postas de pescada em blogs, não careço de autorização prévia. Afinal "the grass is not always greener over there".

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:16

Regras de ouro

por João Pinto Bastos, em 07.02.13

Há pouco, num esforço titânico, consegui ler até ao fim, hossana!, uma entrevista de Edmundo Pedro. Respeito o seu passado, a sua biografia, aquilo que fez e não fez, respeito até o facto de ele, nas mais variadas situações, circunstâncias e momentos, ter sido mais homem do que a maioria dos homenzinhos que circulam, hoje, nesta democracia tumeficada. Mas ler que com Sócrates "fizeram-se coisas muito importantes" e que o actual governo é "ultraliberal" é demasiado para o meu estômago. Demasiado mesmo. Há, em Portugal, um certo espírito que infelizmente perpassa todo o espectro partidário: o espírito da apologia acrítica dos "nossos". A essência da partidocracia é, justamente, a defesa até ao limite do inaceitável dos companheiros de bando. É desnecessário dizer que as democracias, enfeudadas nestas lógica, tenderão forçosamente a perder gás. A crise já não é pertença exclusiva do mirífico Estado Social, ela é, em si mesma, uma crise da actual versão das democracias liberais. Democracias em que a política é espectáculo, foguetório, burocracia, adormecimento, passividade e uma boa dose de doublespeak. É pena que Edmundo Pedro caia na tentação, tão frequente no seu espaço político, de branquear passados e memórias.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:23

Uma questão pertinente

por João Pinto Bastos, em 25.01.13

Qual é o banco que está a conceder o generoso crédito que permite ao engenheiro da falência colectiva da nação levar uma vida nababa na cidade luz? É que com tanta abundância de crédito para Sócrates começo a perguntar-me o porquê de as pequenas e médias empresas não terem acesso com a mesma facilidade ao crédito concedido pela banca. A solidez das contas de Sócrates é assim tão superior à segurança creditícia fornecida pelas milhares de empresas que labutam todos os dias pela sua sobrevivência?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:14

Passos e Sócrates

por João Pinto Bastos, em 03.12.12

Passos é definitivamente uma nulidade política. Ponto. Fazendo um exercício comparativo com o maior parlapatão da III República, José Sócrates, o talento comunicacional da equipa passista fica a léguas de distância do socratismo. Sócrates foi exímio na arte da mentira e soube dourar a pílula como poucos. Foi, no fundo, um Afonso Costa moderno, sem o talante político deste símbolo da terrorista I República. Passos é um aluno da pré-primária no que toca a estes arranjos marqueteiros. Anuncia e retira, clama e nega logo a seguir. A acção comunicacional deste Governo é má, péssima, horrível. Não há adjectivos que a qualifiquem. E, como eu mencionei na posta anterior, o letargo da cidadania não é eterno. Fiem-se na virgem e não corram.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:57

A resposta é sim.

por João Quaresma, em 16.09.12

Respondendo à pergunta abaixo do Pedro Quartin Graça.

Caro Pedro, a resposta é: sim, fizeram. O anterior governo andou na China, no Brasil, em Angola, nos Emirados Árabes Unidos, até em Timor (!!!) a tentar convencer esses governos a comprarem dívida portuguesa. A ainda passámos pela humilhação de Dilma Rousseff dizer que não comprava por os títulos de dívida portuguesa não serem de qualidade prime.

A seguir, Teixeira dos Santos obrigou os bancos portugueses a comprarem e foi só depois destes pararem de comprar que o PS pediu ajuda internacional. Toda a gente nos fechou a torneira. Se não fosse a Troika, o Estado Português tinha falido.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:25

Vira o disco e toca o mesmo

por Pedro Quartin Graça, em 11.09.12

Homem detido por fotografar carro mal estacionado ao serviço de Aguiar-Branco

Um homem foi detido para identificação no Porto, após fotografar um carro estacionado no passeio que estava ao serviço do ministro da Defesa, José Pedro Aguiar-Branco.

 

Confusão em comício de Sócrates acaba em detenção


A PSP fez hoje uma detenção e identificou alguns membros do grupo que hoje se manifestou contra o Governo nas imediações do comício do PS em Faro, que terminou em ambiente de confusão.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:21

Nos idos de Março

por Pedro Quartin Graça, em 06.07.12

Março de 2013 vai ser a prova de fogo de Passos Coelho, quando começarem a chegar às caixas de correio de centenas de milhar de portugueses os novos e astronómicos valores que estes irão pagar pelos IMI´s de suas casas. Aí se verá se Paços resiste à varridela que correu com o seu antecessor. É que até o "Zé Povo" já percebeu que, afinal, os dois são iguais. A diferença está nos números e na comum (in)capacidade de governar seja o que for para além das simples contas de mercearia, o deve e haver da triste política nacional, e mesmo estas mal, muito mal feitas.

A verdade é que Passos conseguiu já um feito único: desprovido de qualquer ideia, uma ideiazinha que seja, para o País, consegue ser ainda mais incompetente do que o seu antecessor... Para um simples ano de "governo", é "obra"!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:39

Será defeito meu....

por Carlos Santos, em 06.06.12

Mas julgava que tinhamos passado da fase documentada no cartaz! Espanta-me esta fé trans-partidária de que um Governo consegue despejando dinheiro na Economia, criar empregos. Não foi exactamente isto que nos conduziu ao ponto em que estamos? Eu julgava que se tinha percebido finalmente que quem cria empregos é a economia real, quando percebe oportunidades de investimento. E o que o Estado pode fazer é potenciar essas oportunidades, retirando entraves regulamentares e fiscais. Querem ver que ainda teremos Passos Coelho a anunciar 150000 novos empregos?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:49

Foi bonita a festa, pá!

por Samuel de Paiva Pires, em 11.04.12

Maria de Lurdes Rodrigues: "A Parque Escolar foi uma grande festa para o País".

 

Pelo PS, a deputada Gabriela Canavilhas defendeu a existência de candeeiros de Siza Vieira em espaço escolar por se tratar de "um grande artista", acusando a maioria parlamentar de querer "nivelar por baixo".


Entretanto os portugueses que paguem os desmandos festivos dos socialistas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:02






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas