Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A ditadura da relatividade eleitoral

por John Wolf, em 29.09.15

Governo-de-Portugal.jpg

 

Ponham de lado as sondagens. Esqueçam os estatísticos da praça. Façam-se de surdos e não escutem o ruído dos comentadores de sempre. Olvidem a ideologia que vos doutrinou sem que dessem por isso. Distraiam-se dos partidos e concentrem-se no essencial. O que aconteceu a Portugal nos últimos 4 anos poderia ter acontecido a qualquer governo. Se estivesse lá um outro grémio de poder, de outra cor política, o resultado seria o mesmo. Em 2011 Portugal rebentou pelas costuras e a responsabilidade desse facto recai sobre todos os portugueses sem excepção. Desde o 25 de Abril que os cidadãos deste país tiveram oportunidades e mais oportunidades para experimentalismos doutrinários na escolha dos seus magnos representantes. Puderam colocar estes ou aqueles no poder, puderam cultivar a sua discórdia, puderam fazer parte da construção política do país. Em ambiente de escolha livre e democrática, puderam colocar quem bem entenderam nas diferentes cadeiras do poder. Portugal e o seu parlamento espelham essa diversidade de posições. Em suma, sempre houve sabores para todos os gostos. Mas essa oferta variada não se traduziu necessariamente na ideia de prossecução do bem colectivo. Houve quem se apropriasse da titularidade do cargo para avançar interesses parcelares. Quando no dia 4 de Outubro os portugueses forem chamados à liça, mais uma vez poderão exercer o magistério desse direito inalienável. Se não votarem, perdem, na minha opinião, a chance de contribuir para o desenvolvimento nacional. Se faltarem a esse chamamento deixam de poder vaticinar sobre o que poderia ter sido ou o que deveria ter sido. E este apelo à missão cívica também diz respeito aos visados no processo electivo, mas de um modo particular e no que diz respeito a princípios de exequibilidade governativa. Temo  que uma derrota socialista se traduza noutro prolongamento de rancores e bloqueios, atrasos e intransigências. O aviso foi feito por António Costa no que diz respeito ao Orçamento de Estado e deve ser levado à letra como se fosse uma séria ameaça. Se eu fosse integralmente prático, e concebesse um cenário de mal menor, a solução de maioria absoluta seria a exclusiva, a melhor. Se por hipótese o Partido Socialista assumisse essa vitória esmagadora, mais rapidamente as fragilidades da sua utopia governativa conheceriam a luz do dia e morderiam a própria cauda. Ou seja, um governo socialista extinguia-se no auge da contradição e  da quebra de promessas eleitorais. Por outro lado, se a coligação se afirmar novamente enquanto governo de maioria, poderá mais rapidamente fechar um ciclo de medidas penosas que foi obrigado a implementar para salvar um país à beira da catástrofe. Em suma, o resultado que melhor serve Portugal deve ser inequívoco. Um desfecho que não seria peixe nem carne. Votem bem que eu fico a ver. E esperemos que Portugal não fique refém da ditadura da relatividade eleitoral.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:37


8 comentários

Imagem de perfil

De José Lima a 29.09.2015 às 18:48

<i>Em 2011 Portugal rebentou pelas costuras e a responsabilidade desse facto recai sobre todos os portugueses sem excepção.</i>

Desculpe, mas na parte que me toca, não aceito essa responsabilização! E com que descaro pode V. arrogar-se aafirmar o que afirma?!
Sem imagem de perfil

De PiErre a 29.09.2015 às 19:09

O partido socialista já nem devia existir sequer. A Constituição devia prever a ilegalização dos partidos que, quando no governo, levassem o país à bancarrota, que é um crime gravíssimo. Mais, os políticos responsáveis deviam ficar privados de direitos políticos durante um tempo prolongado após se ter verificado a bancarrota e até que fossem reparados os prejuízos que causaram. Isto seria o mínimo que um país verdadeiramente civilizado devia fazer.
Mas tal não acontece. A Constituição só se preocupa em abrir o caminho para as pestilências do costume: para o socialismo, para o “tendencialmente” gratuito disto e daquilo, como se os bens de consumo caíssem do céu e não fosse preciso pagar nada por eles, etc., etc..
A Constituição é pobre, muito pobre mesmo. E ninguém se preocupa em melhorá-la, o que é pena.

Sem imagem de perfil

De Armando Marques Guedes a 29.09.2015 às 22:47

John, this José Lima guy just made me laugh. Who does HE think he is, the poor little man. While you were obviously trying to be fair, I think by trying to say that everyone who did not come out and protest was "objectively an accomplice", or something of the sort, he simply decided to discharged his hatred pretending he did not understand your drift. And want to apologise, as a Portuguese, for his lack of basic manners. I do not know who he is. I surely know what he is: a painfully rude dude. Blogs do seem to attract the lunatic fringes, don't they? Makes one wonder... Maybe he is using the wrong dosages of the anti-depressants, or something. Amazing, how people in bad faith so often just ooze anger and blind hatred. It must be difficult for him to have to live with himself, every day... on and on, and on. Form when he goes to sleep to when he wakes up, maybe even when dreaming. Ouch!
Imagem de perfil

De José Lima a 30.09.2015 às 10:50

Meu caro senhor Armando Marques Guedes, tenho apenas uma coisa a dizer-lhe: em matéria de boas maneiras e boa educação, já aprendi há muitos anos e com quem de direito e dever o que tinha de aprendi, e não é agora V. que vai questionar isso!


 


Quanto ao mais do seu comentário, se alguém é bem definido nele (e eu não tenho o desprazer de o conhecer de lado algum), esse alguém é V. e não eu...

Sem imagem de perfil

De Zé Muacho a 29.09.2015 às 23:57


Lew Rockwell:


"Temos aí uma descrição sucinta do Estado moderno: trata-se apenas de uma disputa de poder entre quadrilhas, cada qual visando seus próprios interesses e os da sua base de apoio".


O voto, no dia 4, só serve para legitimar as acções do bando vencedor.
Sem imagem de perfil

De Armando Marques Guedes a 30.09.2015 às 14:11

hahahahahaha!
which part, the "tinha que aprendi" bit, or the pills and the rage? The connections show. Xenophobic and rude people have no place here. Self-defense does. The response is so infantile... poor man.
Imagem de perfil

De José Lima a 01.10.2015 às 10:56

Para o que interessa, V. percebeu perfeitamente a minha a resposta! De resto, para quem escreve comentários em inglês num blogue redigido em português, não deixa de ser estranha e sintomática do seu carácter, a implicância com uma notória gralha de escrita…


 


Quanto ao mais, com respeito a eventuais rudezas, o único que aqui recorreu à desqualificação “ad hominem” e ao insulto, desde o começo, foi V. e não eu, e portanto isso qualifica-o a si (com quem não perderei mais tempo) e não a mim.

Sem imagem de perfil

De umbila a 02.10.2015 às 09:43


Geherter Marques Guedes,



Da sie sich auf englisch geäußert haben, erlaube ich mir nun auf deutsch zu schreiben.
Sie sind, was Umgangsformen, Respekt, Niveau, Erziehung, etc. betrifft ein Null. Menschen die sich so verhalten, haben kein Platz in ES.



Achtungsvoll,


Viegas

Comentar post







Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas