Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A eterna incompetência na "gestão das bandeiras"

por Pedro Quartin Graça, em 16.11.15

12247039_824110961031006_4446658796516957990_n.jpgDepois do célebre caso da bandeira invertida no Município de Lisboa, agora foi a vez da Assembleia da República onde a solidariedade se estendeu...à Holanda!!! Os Protocolos de Lisboa e da AR não acertam uma...

 

 

publicado às 19:39


9 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 16.11.2015 às 19:55

Nem sabem o que é o protocolo. Que amadorismo. 
Mas isto é transversal às instituições políticas portuguesas, embora tenha de reconhecer que por exemplo com Cavaco Silva a parte "cénica" da apresentação do presidente da República (desde o palanque presidencial até ao site da presidência) melhorou imenso. Não tem nada a ver com o amadorismo das presidências socialistas de Soares e do Sampaio.
Mesmo o último governo também melhorou bastante neste aspecto, embora seja de esperar um retrocesso se a bandalhagem de esquerda tomar posse. Ver a assinatura dos papéis entre o Costa e a extrema-esquerda. Aquilo não se faz nem numa junta de freguesia. É mesmo uma gente que não tem brio nenhum e por arrasto desprestigiam o Estado.


Sem imagem de perfil

De Rodolfo a 16.11.2015 às 20:39

A nossa Assembleia sempre combateu as desigualdades. Não é justo toda a gente apoiar a França e ninguém apoiar a Holanda. Os socialistas devem estar muito orgulhosos haha
Sem imagem de perfil

De José Domingos a 16.11.2015 às 21:50


Dá para perceber o nível da malta que anda por aí, nos corredores do "poder".
São as elites.
Para que tinha dúvidas.........
Sem imagem de perfil

De Nulo a 17.11.2015 às 14:12

"Depois do célebre caso da bandeira invertida no Município de Lisboa, ..."


Nunca vi o assunto convenientemente esclarecido e até agora também não fiz nada para ajudar a esclarecer, por isso cá vou eu ao passado para ajudar no presente.


Para melhor compreensão do que vou dizer facilitava o acesso às imagens desse momento histórico que devem começar 1 ou 2 minutos antes para toda a acção ser bem visível.


No momento, e descrevo de memória, em que protocularmente o PR com a linha/corda correcta se apresta a içar a bandeira, a criatura, provávelmente imbuído do mais alto fervor exibicionista, literalmente apodera-se do momento e da outra linha/corda que não passa da mesma que o PR tem na mão depois depois de passar pela roldana no topo do mastro desce até à bandeira. Não esquecer que a bandeira ainda está em baixo.
Dá-se o momento caricato em que estão os dois a puxar um contra o outro.


Dádo o impasse, da troca de olhares  a criatura acaba por perceber que está a mais e, é aqui que tem origem o problema da bandeira, impinge ao PR  a linha/corda que tem na mão. Este tentando manter a calma iça a bandeira puxando sem se aperceber, o lado errado que lhe tinha sido passado pela inefável criatura.


O resto toda a gente "sabe e viu", faz parte da "pequena história" recente, de salientar a capacidade de encaixe do PR, pois o assunto foi devidamente analisado e compreendido, e a desfaçatez do verme que se manteve calado "ni vue ni connu" enquanto a histérica comunicação social galhofava à custa do PR.


Penso ter ajudado a compreender a criatura.






  
 
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 18.11.2015 às 09:31

alguém já esclareceu que o pendão está correcto: https://www.facebook.com/photo.php?fbid=983759108313758&set=p.983759108313758&type=3
Imagem de perfil

De Pedro Quartin Graça a 18.11.2015 às 15:56

Esse "alguém" está enganado, lamento informar.
Sem imagem de perfil

De Nuno a 18.11.2015 às 13:42

É erro achar-se que a faixa tem que rodar 90º em relação à bandeira. A faixa é um prolongamento da bandeira na vertical.
Imagem de perfil

De Pedro Quartin Graça a 18.11.2015 às 15:56

Na verdade não o é. Trata-se de uma regra protocolar que não foi seguida.

Comentar post







Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas