Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




A moral e o dinheiro

por Nuno Gonçalo Poças, em 08.06.16

É verdade que a esquerda intelectual (perdoe-se a redundância) não gosta do capitalismo e odeia o lucro. Primeiro, porque são intelectuais e os intelectuais sabem mais que todas as outras pessoas juntas. O intelectual, ainda para mais de esquerda, sabe mais que um empresário, por exemplo. E sabe perfeitamente o que é melhor para cada um de nós. E o lucro é detestável, na medida em que a esquerda intelectual vê em tudo um conflito entre opressores e oprimidos, entre explorados e exploradores, e não consegue enquadrar determinados factos da realidade social. Para a esquerda, uma derrota nunca é uma derrota. A vitória de alguém é sempre conquistada graças a um roubo a outrem. É a transferência deste para aquele. O ganho de um é obrigatoriamente a perda de outro. Roger Scruton, em “As Vantagens do Pessimismo”, desconstrói esta argumentação melhor do que eu alguma vez faria, e Ludwig von Mises, em “Acção Humana”, mostra-nos o caminho.

Na economia de mercado, tudo aquilo que é comprado e vendido em termos de moeda tem o seu preço estabelecido em dinheiro. É natural que se consiga determina, monetariamente, quanto ganhou ou perdeu um indivíduo e tal não significa que isso tenha sido conquistado à custa de outro. Mais, esta constatação não nos permite avaliar o aumento ou a diminuição de satisfação dos indivíduos. De facto, lucro procuramos todos. Lucro financeiro, lucro social, lucro pessoal. O lucro não é perigoso. Pelo contrário, é o que nos move a todos. O lucro é, no fim de contas, a satisfação. Perigosa é a obsessão pelo lucro económico. A incapacidade de olhar a meios para atingir esse lucro. A sociedade ocidental tem os olhos postos no consumo, no dinheiro, no trabalho, na renda. O objectivo final é poder comprar e ter coisas. Para tanto, é preciso ter dinheiro. E para ter dinheiro é preciso trabalhar.

Não me interpretem mal. Eu gosto de ter coisas, gosto de ganhar dinheiro e gosto de trabalhar. Mas também me julgo capaz de viver com menos e de ter menos coisas, se viver com muito e ter muitas coisas me roubar coisas imateriais que considero essenciais. Não caio no erro de considerar que o dinheiro é dispensável, que o trabalho é todo igual ou que consumir é abominável. Mas acredito no bom senso e na modéstia.

A história é antiga, mas ouvi-a recentemente pela voz do P. Carlos Azevedo Mendes. Conta-se que um professor universitário levou para a sala de aula alguns objectos com os quais pretendia apresentar aos seus alunos uma experiência que se assemelhava à vida de cada um. Os objectos eram: pedras grandes, pedras pequenas, areia, água e uma garrafa de vidro com boca grande. No início da aula, colocou uma pedra grande dentro da garrafa e perguntou aos alunos se ainda cabiam mais. Face à resposta positiva, foi enchendo a garrafa com as pedras grandes até que não coubesse mais. Depois, foi deitando pedras pequenas e areia na garrafa, que lá cabiam nos intervalos das pedras grandes. No fim, despejou a água dentro da garrafa. Coube tudo. E perguntou aos alunos o que significava aquilo. Um aluno respondeu que há sempre tempo para tudo, mesmo quando achamos que temos tempo para mais, conseguimos sempre arranjar mais algum. E o professor esclareceu: o que lhes queria, de facto, demonstrar era que, na vida, algumas coisas devem ter prioridade; que se tivesse primeiro enchido a garrafa com água e depois com areia, já não restaria espaço para as pedras grandes ou, se restasse, a água transbordaria. E o leitor pergunta agora: e o trabalho? E o dinheiro? São água e areia. Se as nossas prioridades não forem o trabalho e o dinheiro, cabe tudo nas nossas vidas.

O que tem isto a ver com o capitalismo e o lucro? Tudo. O capitalismo e o lucro não têm nada de errado. Nada. Mas sem moral, sem dignidade e sem fecundidade, não há capitalismo algum. Fica só a selva.

publicado às 18:00







Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas