Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A Sul do Céu - crónica semanal

por Fernando Melro dos Santos, em 01.11.14
Semana de 22 a 31 de Outubro

Comecemos por ignorar que uma semana tem sete, e não dez dias. É seguro, correcto e recomendável agora que todas as fronteiras do ridículo e da fantasia parecem ter sido galgadas, com o anúncio de que a Santa Inquisição Fisco-Liquidatario-Social (SIFILIS) vai propor-se a facilitar a sodomia ao contribuinte, ora sócio à força deste pacto demente, por débito directo em conta bancária. 

Ainda neste contexto, chegou-me indirectamente um comentário aposto num dos tópicos dedicados à notícia, que dizia assim, e cito entre estados de espírito contraditórios:

"parece-me bem; poupa-se nas multas por esquecimento em pagar o IUC".

 

Isto, para mim, é algo entre o já vir nascido para escravo desde a antepenúltima geração, e a completa lassidão do esfíncter mental. Causa-me vergonha de viver no mesmo país por onde respira gente desta índole.

 

Gás, gravatas e guilhotinas

Com o acordo alcançado entre a Rússia e a Ucrânia para fornecimento ininterrupto de gás natural até Março, respira-se de alívio a Norte, e ainda não se viu bem o outro lado da moeda a Sul. 

É que a Ucrânia, país que tanto os EUA do Cristo Misto como a Europa neo-Maoísta ardem por integrar na NATO abarbatando-se assim às commodities ali produzidas, cerceando geograficamente mais um pouco da Rússia de caminho,  está falida e vai precisar de injecções, urgentes e sucessivas, de dinheiro oriundo do FMI, do BCE e da Fed. Que é como quem diz, baixem lá as calcinhas mais uns anos. Nada que o regresso do imposto sobre isqueiros e barbas não resolva. 

Num país sub-desenvolvido como o Burkina Faso, queimava-se o Parlamento. Em Portugal, moderno e evoluído, acolhe-se o estupro com a candura de um coro monástico. Em França é que parece que a coisa se arrisca a regredir uns anos, segundo notícias sobejamente reiteradas que dão conta de três fenómenos em correlação perfeita: o aumento da "tensão social", a insolvência iminente do país, e a queda de outro Messias da esquerda aborígene.

 

Uma relíquia bárbara

Os Suíços vão referendar, a 30 de Novembro se não me falha a mielina, o repatriamento de uma fracção significativa das suas reservas de ouro armazenadas fora do território nacional. Supõe-se que finalmente alguém tenha achado estranho que a Reserva Federal Americana tenha dito à Alemanha que o seu pedido equivalente, feito há uns meses, demoraria sete anos (sete anos) a processar, em suaves prestações.

Suponha-se agora que o ouro Suiço, tal como o Alemão e provavelmente boa parte do Português e do de todas as nações falidas do Ocidente, que não obstante continuam a endividar-se como zombies viciados em crack, não esteja, de facto, onde deveria estar. Impossível? Nem de longe. Na verdade, o inventário actual de ouro (e prata) da COMEX e de vários outros mercados centrais onde se negoceiam metais preciosos é tão baixo que bastaria um punhado, literalmente, de ordens de entrega física (em mão, e não em papel, cujos preços actuais reflectem tanto o real valor dos metais como o meu escritório, hoje, reflecte o aprumo e a organização) para estoirar com a ilusão de controle que os planeadores centrais ainda mantêm.

Junte-se a isto a sucessão de evidências que mostram a China a acumular febrilmente ouro, prata, cobre, e terras raras; e tempere-se com a fresquíssima loucura do Banco do Japão, a quem Kuroda o Suicidário acaba de mandar imprimir mais uns triliões de Yen, ao mesmo tempo realizando o sonho molhado de Mário Soares e confirmando a morte tripla dos nipónicos num caldo de radiação, deflação e declínio demográfico - em suma, um perfeito bukakke-fest social.

E temos mais um pavio curtinho para o Armagedão.

 

Milhafres, Tordos e Papagaios

Esta semana andaram por perto dos Açores uns aviões Russos, em concreto uma célula de bombardeiros Tu-95 acompanhados por reabastecedores Il-78. A nova doutrina da Força Aérea Russa é pautada pelo conceito de BVRE (Beyond Visual Range Engagement), ou combate além do alcance visual. Neste sentido, o serviço (chamemos-lhe assim) tutelado pelo vice-PM, e magistral twitter-troll, Dmitry Rogozin (um dos tipos mais engraçados e com melhor sentido de pragmatismo que jamais vi no mundo da política) vem vindo a efectuar modernizações vertiginosas sobretudo em duas tecnologias: propulsão e orientação.

Com efeito, munidos dos mísseis de cruzeiro AS15, Yakhont, Kh555 e BrahMos, e acompanhados pelas múltiplas variantes - também actualizadas - de caças interceptores Flanker, Foxhound e Fullback, aos bombardeiros Russos bastará aproximarem-se a cerca de 1500 milhas náuticas (bué quilómetros) dos seus alvos, largar uma salva de foguetes hipersónicos, e era uma vez oito cidades. Os caças estão armados com misseis ar-ar AA9, AA12, e AA13 - qualquer dos quais com alcance superior (no caso do AA13, 5x superior) aos brinquedos que os F15, F16, F22 e F35 transportam. É o resultado dos investimentos marcianos em políticas sociais a Oeste, e da manutenção de uma higiene mental apurada a Leste. Assim, cairiam que nem tordos os nossos obsolescentes aviõezitos.

Depois é giro ver Nuno "Saddam tem Cidades Subterrâneas" Rogeiro e José "Sacerdote Ortodoxo" Milhazes a debitar alucinações frenéticas onde Obama nos salva projectando relâmpagos pelos olhos, os aparelhos Russos são feitos de ferrugem e Portugal está sólido.

 

Uma palavra para os "stress tests"

Ahahah.

 

Um filme: "Fury", de David Ayer. Por vezes é preciso desligar o complicómetro. 8.5/10.

 

Um álbum: "Écailles de Lune", dos Alcest. A eloquência de uivos ferais numa atmosfera feérica. 8/10

publicado às 09:54


Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds