Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ainda a noite de ontem nas hostes socialistas

por Samuel de Paiva Pires, em 05.10.15

Costa deu a entender, finalmente, que não fará uma coligação negativa, mas não se demite. Em parte é responsável, mas, por outro lado, não retira as devidas consequências da sua derrota. Provavelmente, aposta agora num cenário de eleições antecipadas. Isto não impediu, contudo, que alimentasse, durante a campanha eleitoral, o cenário da tal coligação negativa, que o seu correlegionário Augusto Santos Silva ainda ontem à noite, na RTP1, também alimentava.  Alguns socialistas parecem mesmo crer que conseguiriam formar governo com o BE e a CDU. Alguém - Costa, por exemplo - que os chame de volta à realidade. Não só a coligação Portugal à Frente venceu as eleições, como BE e CDU nunca aceitariam anular-se e sair dos respectivos pedestais ideológicos e programáticos. Há um abismo a separar o PS da extrema-esquerda, bastando apenas lembrar as posições sobre a permanência no euro, o respeito pelo Tratado Orçamental ou a permanência na NATO. A sede de chegar ao poder é tanta que nas hostes socialistas até se acredita no impossível, o que é particularmente preocupante para um partido tido como realista e pertencente ao "arco da governação". Por mais que custe ao PS - e, particularmente, a António Costa -, a bem da governabilidade e por respeito à vontade democraticamente expressa pelos portugueses, os únicos partidos com quem pode negociar e comprometer-se são o PSD e o CDS. As coisas são o que são, como costuma dizer Paulo Portas.

publicado às 10:21


Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds