Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Carlos César: o défice político

por John Wolf, em 24.03.24

carlos18843be0_base.jpg

Carlos César nunca teve pudor ou sentido de Estado. Foi sempre um socialista ferrenho que passou ao lado do interesse nacional. O excedente orçamental a que se refere, a grande glória do desgoverno do Partido Socialista (PS)  — são dinheiros subtraídos aos portugueses ao longo dos últimos oito anos. São rosas de cativações, senhor. Nada mais. O excedente não resulta de uma visão estratégica da economia, da geração de valor ou do acréscimo na capacidade produtiva. César serve-se agora, sem surpresa, do orçamento de Estado como arma de arremesso. As contas certas, de que se orgulham os socialistas, não são nada mais do que uma manobra contabilista para poder acusar a Aliança Democrática (AD) de delapidação do erário público. Assistiremos a algo paradoxal. A AD, ao ser mais humanista e equitativa, com sentido de justiça económica e social mais apurado do que aquele que os socialistas venderam ao longo de décadas, será acossada pelos socialistas por fazer o que não fizeram.  A Covid, a inflação, as Guerras da Ucrânia e de Gaza foram os argumentos-alibi dos socialistas para meterem a mão ao bolso dos portugueses. É muito feio o que Carlos César faz e diz ainda antes da AD começar a governar. O seu comportamento revela a sua infantilidade, o seu cinismo e um enorme défice democrático. Não sei como, mas César é outro que deveria ter ficado de fora do nosso campo de visão e consternações,  como o seu grande camarada Augusto Santos Silva. Quanto a Pedro Nuno Santos, ando muito desconfiado com tanta bonomia e compreensão. E devemos estar mesmo muito preocupados. Os barões do Rato são mestres da ilusão e da elevação. E no momento seguinte, se for necessário, sacam o tapete ao recém-inaugurado secretário-geral do PS. Deixo Medina para outras considerações em post futuro. Para já concentremo-nos no défice político que representa este César.

publicado às 18:39


5 comentários

Sem imagem de perfil

De Manuel da Rocha a 24.03.2024 às 19:35

"A AD, ao ser mais humanista e equitativa, com sentido de justiça económica e social mais apurado" Você recebeu, mais de, 200000 euros para escrever isto ou está só bêbado? 

Aumento de 520% nos salários dos funcionários judiciais? Aumento de 200% nos salários das forças policiais? Aumento de 160% nos salários dos médicos e enfermeiros? Aumento de 30% nos salários dos professores (pois vão gastar 5000 milhões de euros em algo que vai demorar, entre, 10 a 40 anos a acertar, para além de 200000 milhões de euros que vão para advogados dos milhões de processos judiciais para acertar os valores dos ordenados e das pensões)? Ou será pela redução de 99% de impostos para empresas e 70% (para quem ganhe mais de 80000 euros anuais, pois os que ganhem de 20000 para baixo vão passar a pagar mais 25%) no IRS? 
Já pensou que a "almofada" é só para este ano? Aumentar a despesa pública em 16700 milhões (valores contabilizados por baixo, pois o valor da despesa pode chegar a 140000 milhões, em 2025, cumprindo o que prometeram) vai obrigar a irem buscar mais 32000 milhões de euros em receitas fiscais. Ora de reduzem 13000 milhões (IRC e IRS), faltam 45000 milhões para conseguirem cumprir as promessas. Será que podemos pensar num crescimento económico de 11% e que se mantenha por aí durante os 2 anos seguintes? Pois... você deve saber a resposta a isso. 
Pior é que ainda há outro jackpot, que ZERO especialistas perceberam: no IRS o governo irá ganhar 1100 milhões de euros, só na parte de juros, pois a alteração de Julho, vai permitir poupar juros e ainda cobrar aos contribuintes, no pagamento do IRS. Uma receita extraordinária que nunca mais se irá repetir mas, que o PSD continua a imaginar crescimento de 5000% na receita fiscal, se reduzirem 90% no valor das taxas...  
Lembre-se das promessas de redução de 60%, no preço dos combustíveis... aumentaram 38% no mês seguinte. Lembre-se da promessa do preço do pão, que subiu 400%. Lembre-se da promessa de aumento de receitas fiscais de 8900 milhões, na redução do IVA na restauração, que deu uma perda de 2200 milhões. É desses que você diz que se preocupam com a sociedade... 
Preocupam tanto que há ZERO ZERO ZERO deputados que tenham usado transportes públicos... em toda a sua vida. Entraram nas universidades e andavam de BMW, Mercedes e Audi, qualquer coisa abaixo disso é para pobretanas que não interessam a si, correcto? 
Imagem de perfil

De John Wolf a 24.03.2024 às 19:50

Sugiro que releia. Entendeu tudo ao contrário, caro Manuel.
Imagem de perfil

De O apartidário a 24.03.2024 às 19:49

Será caso para dizer 'a César o que não é de César'.
Perfil Facebook

De Marques Aarão a 24.03.2024 às 22:25

A PNS até lhe tremem as pernas só de pensar que possa vir a ter que governar.
Imagem de perfil

De O apartidário a 25.03.2024 às 09:59

Entretanto chegou ao último conselho de ex-ministros(na Caixa geral de contas certas)às 9,55 o sr Rebelo de Sousa. Consta que o primeiro a chegar foi o sr Carneiro (ainda ministro) e os temas são o PRR e os sem abrigo.

Comentar post







Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2007
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas