Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




depositphotos_151016684-stock-illustration-square-

Após um interregno de quase seis anos, por razões de ordem académica, tenho alguma dificuldade em reintroduzir-me neste ambiente e redigir um texto digno deste blog. Paradoxalmente, estive ocupado durante este tempo todo com a redação e a entrega da minha tese de doutoramento que espero poder defender em breve. Ou seja, fartei-me de escrever e não menos pesquisar. Mas isso não me habilita particularmente para a tarefa do escrutínio analítico do estado da arte do comentário político em Portugal. As campanhas seguem a todo o gás e os comentadores da praça (com rarissímas exceções) não são mais do que filiais falantes dos partidos de sua eleição. Ou seja, perderam, se é que alguma tiveram, a equidistância analítica objectiva que se exige na e da ciência do comentário político. De um modo despudorado inclinam os pratos da balança, servem-se de figuras de distorção ou simplesmente deixam-se guiar pelas emoções da ideologia desenfreada que os cega. O apelo às emoções que afirmam representar um perigo para a democracia são precisamente as mesmas que já os contaminaram. Se a democracia corre sérios riscos, o comentário político não. O comentariado político já caiu no marasmo que dá azo à perda da credibilidade, que apunhala a objectividade e destrói a possibilidade do contraditório. A espécie de ultra-ortodoxia de género ideológico que destilam não tolera o contraditório e aniquila a possibilidade de estabelecer pontes e consensos. Mas os comentadores não têm culpa. Foram doutrinados pelos gurus que seguem na bruma que tolda o pensamento e a reflexão. Resta saber quais são as contrapartidas esperadas ou os favores que ainda são devidos. Tenham medo, muito medo. O extremismo do comentário político já se encontra entre nós. Está vivo e é pouco recomendável. Não sei o que é preferível: comentário político que não é comentário político, ou silêncio total.

 

publicado às 17:20


10 comentários

Sem imagem de perfil

De Manuel da Rocha a 20.02.2024 às 12:56

Comentadores, jornalistas, analistas e 6500000000000000 outras designações, é tudo ligado à direita. 
3 directoras da Rádio Renascença, 5 presidentes do Diário de Notícias, 11 jornalistas da TVI, 16 da SIC, 4 da RTP, 2 da CMTV, 3 da Rádio Comercial e 5 da TSF, são ou já foram, candidatos por partidos de direita a alguma eleição. Isto sem falar nos milhares de comentadores, que se dizem apartidários e aparecem nas reuniões do Chega, nos "debates" do Iniciativa Liberal ou jantares da AD. 
Daí que os comentários é sempre "sobre os 500000% de resultados positivos das propostas do partido (inserir Chega, IL ou AD)". Mesmo que os jornalistas nem saibam o que é que estão a ler.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 21.02.2024 às 16:43

Querido Manuel da Rocha, és uma aberração. Pareces o emplastro do FCP. 
Sem imagem de perfil

De Carlos Marques a 21.02.2024 às 21:51


Em Portugal, são todos de Direita ou de Extrema-Direita, todos avençados do império genocida ocidental com sede em Washington, todos belicistas (ou nos bolsos dos oligarcas donos do Complexo Militar Industrial), todos colaboradores de UkraNazis, todos colaboradores de naZionistas, todos cúmplices da €uro-ditadura, e todos com a ideologia extremista e assassina do NeoLiberalismo na economia e dos NeoCon na política externa.


Lá pelo meio convidam 1 ou outro do PCP ou BE só para disfarçar uma aparente pluralidade, que na verdade já não existe. Até o BE já tem medo desta ditadura do pensamento único, e um partido que nunca tinha ido a Cuba (nem ao lado do Marcelo Rebelo de Sousa), já foi visitar glorificadores de Nazis e criminosos de guerra a Kiev...


Em cima disto há a comunicação social mainstream que em geral só dá FakeNews e manipulação, omite notícias importantes que são negativas para o regime ocidental, e repete narrativas ridículas vindas da Casa Branca, de Londres, e Bruxelas.


No final de tudo, digo com 100% de certeza que mais de 2 terços das pessoas na Europa, e mais de 95% em Portugal (somos caso de estudo) não sabem o que realmente se passa no Mundo nem em que realidade vivem.


Num país com offshore na Madeira, NeoLiberalização e privatização por todo o lado, salários miseráveis, desigualdade, cartelização, oligarquia, obediência cega a Bruxelas e Washington, é possível encontrar no eleitorado quem acredite que Portugal tem um problema chamado "socialismo"... Isto roça o atraso mental.


Em Portugal (e no ocidente em geral) a democracia não está doente. Está morte e enterrada. O ICC emitiu mandato de captura para Putin (por se atrever a defender os civis de Donetsk perante a agressão UkraNazi+NATO), mas não vê nada de errado nas acções do genocida naZionista Netanyahu. O maior jornalista de todos os tempos, Assange, está preso num gulag capitalista há 5 anos (fora os outros 5 fechado na embaixada), por ter cometido os "crimes" de dizer a verdade, fazer jornalismo de facto, e denunciar os crimes contra a humanidade cometidos pelo império genocida ocidental. Mas há 1 prémio Nobel DA PAZ para o assassino Kissinger, o assassino Obama, e várias propostas de Nobel para outros fascistas e assassinos ocidentais, desde Musk até Zelensky.


1/2
Sem imagem de perfil

De Carlos Marques a 21.02.2024 às 21:52


2/2


Repito, a democracia ocidental está morta e enterrada, e a sociedade está tão podre que aprendeu a viver bem assim. Nada a incomoda, nem 1 milhão de mortos no Iraque, nem 250 mil no Afeganistão, nem a Sérvia e a Líbia destruídas, nem os civis do Donbass a serem cravejado de bombas e estilhaços das ilegais ogivas de fragmentação, nem +30 mil humanos assassinados na Palestina ocupada em apenas 4 meses.


Não. O que os incomoda é Cuba enviar médicos para países necessitados, Rússia enviar cereais para países pobres, China fazer investimento em países até hoje abandonados, os corajosos Houthis do Iémen aleijarem um bocadinho o comércio europeu que colabora com o Apartheid dos naZionistas e lhes financia a máquina de genocídio, e o Lula da Silva a (muito bem) comparar Israel com a Alemanha Nazi. O que incomoda o ocidente é a verdadeira liberdade, a verdadeira justiça, a verdadeira democracia representativa soberana, os verdadeiros direitos humanos, e a verdadeira decência. Isso assusta esta corja ocidental tal como o heróico exército vermelho assustava Hitler.


Em Portugal os cidadãos que quiserem algo melhor não têm opção no boletim de voto. Eleições são uma farsa, devido a tudo o que descrevi. E devido à lei eleitoral rosa+laranja, que transforma 41% de votos em 52% de deputados, e atira quase 1 milhão de votos (nos partidos pequenos) para o lixo.
E esta não é a única violação do espírito da Lei Constitucional de 1976. Ao censurar (em obediência a corruptos não eleitos de Bruxelas ) os canais de notícias da Rússia, isso viola a Constituição. Ao enviar armas a UkraNazis, isso viola a alínea que fala do caminho em direção à neutralidade e também viola o princípio do Direito Humano à autodeterminação, ao apoiarmos o golpe Maidan e ao matar independentistas. Ao legalizar o Ch*ga e acolher UkraNazis do Svoboda e Azov, viola o princípio anti-fascista da Constituição. E ao ter FakeNews pro-USA e pró-UE e pró-NATO em todos os canais Mainstream, incluíndo a RTP, isso viola direito à verdade.


É preciso REVOLUÇÃO! Que os Zelenskys, Dudas, Sunaks, Macrons, Melonis, Scholz, Bidens, Trumps, Stoltenbergs, Leyens, etc, acabem todos pendurados como Mussolini. Aí sim, poderemos ter um Mundo melhor, com uma melhoria qualitativa semelhante à quye se deu entre 1945 e 1946...
Perfil Facebook

De Antonio Lopes a 20.02.2024 às 13:46

Absolutamente de acordo com a análise feita aos comentadeiros políticos que aparecem como cogumelos. São mais que muitos e quase todos eles com a cartilha do dono. Falam de cátedra, são exímios na defesa do dono e quem se mete com eles ,leva.
É um fartar vilanagem. Cartilheiros avençados que imitam os papagaios.
Parabéns pelo texto e boa sorte para o doutoramento.
Perfil Facebook

De andilpe a 20.02.2024 às 16:57

Parabéns
Sem imagem de perfil

De s o s a 20.02.2024 às 20:37

nao me inspira, alias se calhar por tao longo abandono, parece-me mofo.
Só falta no post, em vez de referir comentadores, dizer que o ideal seriam os carros com asas em vez de rodas. 
Confessa que despertou agora, compreende-se que todo o ruido pareça do outro mundo. 
Sem imagem de perfil

De FM a 21.02.2024 às 08:10

Muito obrigado pelo texto com o qual me identifico a 100%.
Direi mais, à semelhança dos EUA também entre nós temos a FOX NEWS com os seus jornalistas e comentadores bem avençados e é vê-los a endeusar os seus apaniguados e a diabolizar os adversários.
Enfim, na era das redes sociais a comunicação social encontrou forma de nos manter bem atentos ao que se passa.
Perfil Facebook

De José Gonçalves a 21.02.2024 às 11:52

Recordando...
João A. Faria: "A maioria das pessoas pensa que blá, blá...";
Pedro A. Silva: "Como é que sabe isso?";
João A. Faria: "Basta ver as redes sociais!".
E
José G. Ferreira, em directo, agarrou um 'tweet' de uma conta falsa de António Costa e começou a comentá-lo como se tivesse sido escrito pelo ainda primeiro-ministro.

Sem sombra de dúvida, prefiro ver as traquinices dos gatos no 'Youtube'...
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 21.02.2024 às 16:53

Jornalistas das TV's, comentadeiros das mesmas e magistrados do Ministério Público a levar mais porrada nos focinhos.

Comentar post







Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2007
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas