Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Era matá-los!

por Nuno Gonçalo Poças, em 08.02.16

Não importa que a eutanásia afronte a ideia da vida humana como digna por si só. Não importa que a eutanásia passe por cima da necessidade de cuidados médicos de qualidade para todos. Não importa que a eutanásia passe por cima do princípio da eliminação da doença para atingir o grau de eliminação do doente. Não importa discutir o que seja "viver com dignidade". O direito à vida é hoje um direito higiénico. Tens direito à vida se tiveres a certeza, à nascença, de que vais ter uma vida de sorrisos. Se tiveres a certeza que vais ser forte, saudável, bonito, inteligente, com rendimentos, com estudos. Se não se adivinhar nada disto, aborta-se. Perdão, "interrompe-se voluntariamente a gravidez". Se estás doente, se te apetece morrer, então o teu direito a escolher morrer é maior que o direito à vida, que um dia já foi inviolável e inquestionável. Não importa nada que viver seja mesmo isso - viver. Com dificuldade, com aspereza, com obstáculos, com doença, com estados lamentáveis. Não importa que os cuidados paliativos não cheguem a todos. Mate-se. Matemo-nos, então. Perdão, "suicidemo-nos com assistência". Já que se arranjou, como sempre, um eufemismo, agora é esperar que se legalize. Eu baixo os meus braços perante uma cultura que banaliza o direito à vida, perante uma cultura que entende a vida como um estádio de saúde, de força, de vivacidade, de felicidade. Josef Mengele deve estar a adorar.

publicado às 12:50


4 comentários

Sem imagem de perfil

De ali kath a 08.02.2016 às 18:15

a esquerda só tem lixo humano
basta um tiro na nuca e acaba-se a xuxadeira
com escassos custos para os contribuintes
Sem imagem de perfil

De Rodolfo a 08.02.2016 às 18:55

Fala em 'direito à vida', mas fala como se a vida fosse um dever'. Afinal a vida é um direito ou um dever? Porque se não me posso ver livre dela, se não posso escolher não a ter, então não é direito, mas um dever. Na nossa sociedade, tenho o dever de viver, não o direito.
Sem imagem de perfil

De Tó a 10.02.2016 às 14:29

Se existe o aborto a pedido (usado como contraceptivo), você já não tem o direito à vida!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 09.02.2016 às 14:56

Eu talvez não fosse tão radical. Poderia abrir uma excepção, a Eutanásia para os filiados no Bloco de Esquerda.

Comentar post







Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas