Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




croquetes-carne-grandes-lm-50-un.jpg

Daniel Oliveira é acérrimo defensor dos direitos, das liberdades e das garantias, um genuíno campeão da liberdade de expressão e intransigente adepto da democracia — porventura aquela forjada no 25 de abril. Mas não admite que, em nome da justiça e da transparência, alegados envolvidos em esquemas corruptos possam ser escrutinados. Prefere o debate de distração semântica que equipara as escutas à vigilância. Parece esquecer que foram as escutas de diversos serviços secretos que tornaram possível no século passado a derrota dos nazis. Quando a podridão é estrutural, o varrimento auditivo parece ser a única hipótese para realizar a distinção entre os falidos e os eticamente verticais. O Ministério Público é público por alguma razão. Tem a missão inabalável de ser garante da observação da lei. Segundo Oliveira, os políticos não devem ser controlados no exercício das suas funções. Estão acima de qualquer suspeita, imunes a qualquer forma de inquérito. Sabemos que a política é a arte do flagrante e da dissimulação. Só não percebemos o que têm a ganhar comentadores que gostariam de virar a cara às responsabilidades que decorrem da verdade e das suas consequências. Croquete, é o que me ocorre.

publicado às 19:18


2 comentários

Sem imagem de perfil

De JgMenos a 23.06.2024 às 18:46

Muito decorre de faltar algo de muito simples: criminalizar a falta de transparência.
1) É direito de qualquer pessoa, singular ou colectiva, diligenciar no sentido de fazer alterar leis, regulamentos, ou interpretações e procedimentos associados. 
2) Nenhum político ou funcionário público está imune a que se lhe dirijam e com ele interajam no exercício desse direito.
3) Abram a porra de um portal onde se crie uma referência que assinale todas essas diligências, e em vez de lhe chamarem o piroso 'lobbying' ponham-lhe um nome que venha no dicionário como a óbvia 'Declaração de interesse nº....'.
Perfil Facebook

De Marques Aarão a 28.06.2024 às 05:36


AFINAL QUAL ERA A PRESSA? 
Não puxando o histórico mais para trás que nos levaria à convenção partidária de 2009 onde o ex-primeiro-ministro se mostrou indignado com jogos partidários para formar governos, eis senão quando mais tarde perdidas as eleições se atirou com unhas e dentes à geringonça em ruidoso silêncio. 
Mas passando à frente , desde a relação de 8 anos com o PR salpicada de chamadas de atenção e elogios q.b. que mais pareciam joguinhos de Lego, passando pelo paragrafo que alegadamente provocou a demissão do nosso antigo 1º prontamente aceite por Sua Excelência o PR, culminando agora com a subida aos altos comandos da Europa, pode ou não justificar-se uma investigação que possa detectar quaisquer comportamentos mais cinzentos e menos apropriados lá pelas altas esferas? 
Onde, como e por quem se for o caso. 
Ou limitamo-nos a ficar todos alegres e contentes à laia do nosso comandante supremo, porque foi engendrado com mestria um  negócio mais valia de exportação de geringonças.

Comentar post







Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2007
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas