Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Especulação à Costa

por John Wolf, em 21.05.18

speculation.jpg

 

António Costa é o vosso primeiro-ministro. É o CEO de Portugal que deveria ter uma visão de investimento baseada em fundamentals - ou seja, o exacto oposto de especulação. Fica demonstrado, citando Nassim Taleb, que não tem skin in the game na política que apregoa. Ou seja, tem a sua personalidade repartida por ideologia da treta e a ânsia de ganhar uns cobres. A operação de compra e revenda do apartamento, com o intuito de realizar uma mais-valia considerável é inegavelmente a expressão máxima de capitalismo feroz, cego, surdo e mudo perante as agravantes e atenuantes dos intervenientes em questão. António Costa & Tadeu, Lda visaram o lucro, o ganho fácil. Substituíram os azulejos rachados da casa de banho da ex-senhoria, desbastaram as madeiras carunchadas do corredor, passaram Rouboiliac pelas paredes e remataram com um novo valor de mercado, aproveitando a onda tuc-tuc do Turismo para forasteiros que Medina apregoa como fé maior do seu sucesso. Isto é socialismo - a oportunidade flagrante para rasgar por um atalho para ganhar umas massas, doa a quem doer, custe a quem custar. Sórdido, deplorável e miserável que o primeiro-ministro se tenha esquecido do prazo legal para comunicar ao Tribunal Constitucional a promoção imobiliária da Remax. Mas há mais. A escalada monetária e a ambição destes arrivistas pode revelar alguns défices de sofisticação. Continua prática comum apostar no cavalo imobilário. E isso acontece porque os proponentes são genuinamente ignorantes em relação a veículos de investimento que, dada a sua natureza, exigem estudo, saber geracional e considerações espraiadas numa dimensão temporal mais alargada do que a mera especulação momentânea. A noção de património e riqueza é algo cultivado de pais para filhos e de um modo ético. Não me supreende a arte de feirante que António Costa usou para arbabatar o T0 à velha. No entanto, o Pablo Iglésias e senhora já foram mais longe. António Costa e esposa lá chegarão. Mas ainda têm que fazer crescer o seu portefólio.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:07


3 comentários

Sem imagem de perfil

De Weltenbummler a 21.05.2018 às 15:45

Prof com quem trabalhei em Paris 
chamar-lhe-ia 'emmerdeur' 
por ser pior que um Phtyrus inguinalis pubis
porque 'il y a beaucoup de merde ici'.
 'il faut qu'il se demmerde tout seul'
porque 'nos emmerde tout le temps' 


'il travaille pas ... is s'agite'
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 22.05.2018 às 10:39

Será que nomear deputados é lucrativo. Sucessivas ARs sempre foram constituidas, e continuam a ser, por nomeados pelos seus respectivos. Trabalham para os seus respectivos partidos. Basta ouvir as acaloradas defesa que fazem dos seus respectivos Sportings e Benficas, pelo que afinal deviam ser (bem) pagos, clubisticamente, com fundos próprios dos seus respectivos partidos.
Se algum dia tiverem que ser eleitos -por via de serem os vencedores- nos seus respectivos círculos eleitorais, aí sim, os Srs. candidatos a Deputados, eles mesmos, poderão optar entre serem Srs. Deputados, com um digno e adequado vencimento, ou enriquecer fora do então Honroso Hemicíclo. Por conta própria ou mesmo com um bom emprego no privado.
Serviço público ao mais alto nível, no Legislativo, tem que ter por base mérito, e será sobretudo valorizado -pessoalmente e pela colectividade- com Honra e ... consequente re-eleição. Não valorizado por discutíveis benesses ainda por cima provenientes de um parco erário público. Assim só inspiram indiferença, desprezo e/ou inveja. Tudo muito constitucional, diga-se.
Perfil Facebook

De Martim Moniz a 22.05.2018 às 19:22

Mas parece que o maior perigo(se acreditarmos nos populistas do regime abrileiro)afinal é o "populismo"e  a "nãoseiquêfobia).

Comentar post







Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas