Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Francisco Fernando e Sofia

por Nuno Castelo-Branco, em 28.06.14

O arquiduque Francisco Fernando era uma personalidade pouco estimada numa Viena muito ciosa do status quo instaurado pelo Compromisso austro-húngaro de 1867. Detestado pelos mais acérrimos nacionalistas austro-alemães e húngaros, o indigitado sucessor do Kaiser Francisco José I representava a inevitabilidade de profundas modificações na estrutura do grande império da Europa central. Julgava imperioso conceder um estatuto paritário aos eslavos da dupla Monarquia e mesmo na sua vida pessoal, desafiara abertamente as regras dinásticas, casando-se com Sofia Chotek, uma aristocrata checa.

 

A visita a Sarajevo consistia num daqueles rotineiros acontecimentos que marcavam o exercício da soberania. Bem ao contrário daquilo que os mais eslavófilos querem fazer crer, aquele mortal inimigo  que não desejavam ver no trono da Áustria-Húngria, consistia num não menos mortal perigo para as ambições expansionistas dos radicais nacionalistas sérvios que viriam a tornar-se tristemente célebres ao longo de todo o século XX. Em Viena não existia então qualquer dúvida quanto às profundas ligações entre a organização terrorista Narodna Obrana e os mais altos responsáveis pela estrutura militar do Reino da Sérvia, daí a imediata responsabilização do atentado que as autoridades austro-húngaras apontaram ao governo de Belgrado. 

 

Os magnicidas têm sempre garantidos admiradores.

 

Esta manhã, os nostálgicos da terrorista Narodna Obrana - a correspondente à Carbonária que por cá tivemos - inauguraram uma estátua a Gavrilo Princip, num daqueles actos de evidente homenagem ao aborto estatal que durante algumas décadas se chamou Jugoslávia. Cada um tem o Buíça que merece e se o do extremo ocidental europeu abriria o caminho a uma república sangrenta e inepta, a uma longa ditadura e às consequências que conhecemos e ainda sofremos, quanto ao balcânico Gavrilo, ete  bem pode ser considerado como a espoleta da granada que transformou a Europa num destruidor inferno. Aqueles tiros desferidos na manhã de 28 de Junho de 1914, soaram a dobre de finados do Velho Continente. 

 

Como dizia hoje um indignado habitante de Serajevo a repórteres da televisão, os Balcãs continuarão a ser aquilo que sempre foram, um violento tugúrio de loucos. Por outras palavras, nem todos estão dispostos a uma reedição de velhos erros.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:30


Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.







Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds