Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O drama do Ocidente

por Samuel de Paiva Pires, em 22.07.16

Assisti há pouco a uma entrevista a um alemão cuja mulher está numa sala, com outras pessoas, no centro comercial de Munique que foi alvo de um ataque terrorista. Dizia que tinha enviado mensagens à mulher a encorajá-la e às outras pessoas na sala a reagir caso um terrorista entrasse na sala, visto que "não se consegue falar com esta gente", e a não implorar pelas suas vidas, devendo imediatamente atacar o terrorista e "matá-lo".  É o resumo perfeito daquilo que enfrentamos e devíamos fazer. Enquanto os líderes ocidentais continuarem a pensar que isto se resolve com diálogos entre civilizações  e religiões e teimarem em negar a mais que evidente natureza violenta do islão e a sua perspectiva sobre o mundo moderno e o Ocidente - essencialmente, pretendem aniquilar-nos e ao nosso modo de vida -, vamos continuar a assistir, infelizmente, à ascensão da extrema-direita um pouco por todo o Ocidente, pela simples razão de que esta está ciente da necessidade de defender os valores do Ocidente perante a barbárie inspirada pelo islão e da mensagem que o alemão acima mencionado transmitiu: ou matamos, ou morreremos às mãos desta gente. Mas continuem a eleger Obamas e Merkels - verdade seja dita que, entre estes e personagens como Marine Le Pen ou Donald Trump, venha o diabo e escolha, e que infelizmente não se vislumbra ninguém capaz de assumir a liderança de uma ofensiva ocidental contra quem nos ameaça permanentemente - que o caminho para o desastre continuará a ser alegremente percorrido.

publicado às 23:04


5 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 23.07.2016 às 00:12

Só para chamar a atenção que o porta-voz da polícia de Munique se chama Marcus da Glória Martins, tudo aponta para que seja um luso-descendente.
Sem imagem de perfil

De João José Horta Nobre a 23.07.2016 às 10:49

O que é que o Samuel de Paiva Pires tem contra os nacionalistas a que chama de "extrema-direita"? Que mal é que os nacionalistas lhe fizeram?
Imagem de perfil

De José Lima a 23.07.2016 às 13:19

Não vislumbra porventura Marine Le Pen? O que falta a esta na liderança forte e decidida por que o Samuel Paiva Pires clama?..
Sem imagem de perfil

De :P a 25.07.2016 às 04:39

 Concordando com a afirmação " ... a mais que evidente natureza violenta do islão e a sua perspectiva sobre o mundo moderno e o Ocidente ... " convém, ainda assim, ver https://www.youtube.com/watch?v=Re8ZokeNho4 (em francês e sem legendas) e também recordar a recente notícia, salvo erro no Público, de que o apoio ao estado islâmico entre os jovens árabes entre os 15 e os 24 anos caiu dos 19% em 2015 para 13% em 2016. Parece que só o Egipto tem quase 8 milhões de jovens rapazes naquela faixa etária e que o país não árabe mas muçulmano, o Paquistão onde suspeito que aquele apoio é muito maior, tem 20 milhões de rapazes naquela mesma faixa etária e outro tanto de raparigas. Imaginando que as raparigas não se farão explodir ainda assim, só estes 2 países poderão fornecer um imenso exército de loucos de deus. Acreditando na liberdade de crença religiosa talvez não fosse má ideia abrir uma excepção para os crentes do mafoma. Islamofobia? Pois claro, como não sê-lo? O islão, pelo menos uma parte significativa, além de uma religião é também um sistema político ideológico que os noticiários mostram ter muitos pontos comuns com os fascismos.
Imagem de perfil

De tron a 26.07.2016 às 14:49

Se alguém como Le Pen ou Trump defenderem a expulsão destes terroristas ou proto-terroristas das suas nações estão no seu direito, não é como em Lisboa que vão despejar os comerciantes da Rua de S. Lázaro com a desculpa de construir habitação, mas é para fazer a nova mesquita de Lisboa

Comentar post







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas