Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Uma das coisas que eu costumo pedir aos meus alunos é que façam por sentir-se úteis na profissão que escolheram. Em História da Arte ou em História somos geralmente tratados como aves raras da sociedade, delicados espécimes que a natureza criou como ornamento da vida selvagem. Os médicos são leões, os advogados majestosas baleias que patrulham o oceano, os arquitectos astutas serpentes predadoras e os engenheiros doutos milhafres. Um historiador é, por outro lado, um daqueles insectos de cores atractivas, cujo bater de asas delicia qualquer entemólogo. Mas ao contrário dos leões, das baleias, das serpentes ou do milhafre, o pequeno insecto multicor limita-se a existir num plano etéreo até ser consumido. Provavelmente por um batráquio bem falante.


Enquanto os médicos, os advogados, os engenheiros (mesmo os que se graduam ao domingo) ou os arquitectos valem o seu peso em ouro, um historiador deve justificar muito bem a sua existência. Não cura doentes, não constrói pontes, nem desenha arranha-céus, não defende criminosos nem ajuda a condenar inocentes. O seu tempo é todo livre, debruçado sobre livros e papéis velhos, olhando para quadros sem sentido aparente ou pedras inexpressivas cobertas de limo. Talvez por isso seja tratado como apêndice da ideia de progresso. Para alguns o mundo passaria bem sem esta casta, inexpressiva e frívola reunião de homens e mulheres cujo assunto se esgota no passado.


Pois bem, quando me falam na verdadeira epidemia de tudólogos que grassa pelas televisões, jornais, blogues e redes sociais, não fico assim tão admirado. Há anos que convivo com a tudologia em História e em História da Arte. Cada português é um potencial historiador (e não apenas a propósito do recente caso da venda dos Mirós, situação tão bem sintetizada por José Diogo Quintela) e cada terra para além do seu uso, tem um historiador para gáudio das câmaras municipais que convertem inaugurações de novos fontanários e rotundas em espectáculos do progresso.

 

Estes cursos, considerados por alguns como supérfluos, dispendiosos e mesmo contra produtivos por alguns burocratas são aliás os únicos para os quais a existência de um diploma é irrelevante. Qualquer médico, engenheiro, juiz ou jornalista pode tornar-se historiador, como provam os vários livros que todos os dias se publicam - nomeadamente as escandalosas biografias de reis e rainhas. Melhor, qualquer um, desde que saiba assinar, pode tornar-se emérito cultor do passado e até arriscar-se a ganhar um lugar de honra na Academia Portuguesa de História - vetusta instituição que escolhe «historiadores» deste os tempos do Estado Novo.


Quando nos levarão a sério? Provavelmente nunca, em Portugal. Há anos que o Brasil discute o ofício de historiador; nos EUA são várias as associações profissionais que pugnam pela redacção de guias deontológicos e no resto da Europa escrever história é firmar com honra um compromisso entre a sociedade contemporânea, a sua cultura e a educação. Por cá é ofício de publicista, actividade menor ou vulgar que qualquer um desempenha  tenha acesso a caneta e papel ou câmara de televisão. 


O panorama historiográfico português sintetiza-se na aparição mediática de alguns historiadores contra o partido no governo, apresentadores televisivos aspirantes à vaga deixada por J. Hermano Saraiva, uma ou outra entrevista sobre uma obra de arte notável tomada a alguém que nem é formado em História da Arte e uma instituição bancária que, por cima de todos, nos dá a lição maior: afinal de contas o Passado e a Arte - algumas dezenas de quadros com «manchas e rabiscos» - não constituem assuntos para entreter burguês. Podem valer muito.

 

Tanto que até contribuem para abater a dívida de um país.

publicado às 11:12


3 comentários

Imagem de perfil

De Nuno Gonçalo Poças a 26.02.2014 às 12:26

Os advogados não são majestosas baleias. Tirando o meu caso, que já estive mais magro... Eu diria que são peixe-balão.
Imagem de perfil

De Umbila a 26.02.2014 às 18:46

Foi com imenso prazer que li o seu "post".


Um abraco desde o Schwarzwald

Comentar post







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas