Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




PàF com 75% dos votos dos emigrados

por John Wolf, em 14.10.15

shutterstock_28213324.jpg

 

O voto dos emigrantes produziu três deputados para a coligação Portugal à Frente (PàF) e um para o Partido Socialista (PS). Ou seja, 75% dos emigrantes e portugueses residentes no estrangeiro votou na PàF. Não sei que malabarismos matemáticos o PS pode inventar, mas desde já podemos concluir o seguinte: os emigrados entenderam que o governo de coligação tentou ao longo dos últimos quatro anos colocar Portugal no caminho do desenvolvimento. Porventura a enfermeira Claúdia Silva, que trabalha no Hospital Central de Oslo, gostaria de ver o seu país ter o nível de prosperidade da Noruega. Se calhar o doutorando Amândio Gomes, que foi trabalhar na equipa de investigação em fibra de carbono na Universidade de Princeton, interpretou o esforço contra-natura do governo de coligação do seu país como um mal necessário. Pois é. Estou pra´ aqui a especular, mas se os excomungados-trabalhadores quiséssem o PS de volta teriam oferecido quatro deputados aos socialistas. Não sei se me faço entender. Os emigrantes socialistas são uma minoria também neste capítulo de ultramarinidade. Ponto final.

publicado às 20:14


5 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 15.10.2015 às 01:38

Pra lá da baixíssima 11 %  de votantes o resultado não se alterou em relação ao embuste político de há 4 anos atrás....  3 ppd e 1 ps
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 15.10.2015 às 11:23


Não gostámos do resultado? Temos pena. Mas olhe que não vale contabilizar os abstencionistas na coluna da esquerda, porque quem não votou foi porque não gosta nem da direita nem da esquerda.
E embuste é pôr os programas na gaveta para não espantar o PS (até ver...), ou esconder do eleitorado as verdadeiras intenções quanto ao projecto de governo (não é Costinha?). Por menos do que isto vocês chamaram o Passos e o Portas de mentirosos, mas esses têm a desculpa de que tiveram que levar com a "troika". Já a esquerda é apenas a sua maneira de ser, de quem acha de que tudo lhe deve ser permitido.

Comentar post







Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas