Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Parem de tocar a sineta

por Nuno Gonçalo Poças, em 03.06.16

Um indignado é aquele que demonstra indignação, isto é, um sentimento de fúria ou desprezo provocado por algo considerado ofensivo, injusto ou incorrecto. Ao indignado, segundo as correntes regras de vida, responderá sempre uma desculpa, um baixar de olhos, uma mão a bater no peito em sinal de arrependimento. E, logo de seguida, nova indignação.

Uma pesquisa rápida no Google por "indignação e redes sociais" indica-nos, só em língua portuguesa, 508.000 resultados, maioritariamente vindos de ligações de páginas de media ou similares, o que exclui desde logo toda a densa floresta que são as redes sociais. Tudo serve para a indignação transformada em desporto nacional. Da cadela de Maria João Bastos a casos de violação no Brasil; das afirmações de José Cid sobre trasmontanos numa entrevista de paródia aos escritos de Henrique Raposo sobre algarvios ou alentejanos; de José Rodrigues dos Santos à Marta Melro, que desconheço quem seja, mas que foi ontem alvo de uma "onda de indignação nas redes sociais" por ter chamado "anjinho" a um animal e que hoje já se veio mostrar "de luto pelos humanos".

A indignação, no mar de informação em que vivemos, não conhece distinções. A indignação contra a morte de um animal de estimação pode ser tão ou mais dura que a indignação causada por uma violação. Vargas Llosa tem razão quando diz que desapareceu uma instituição que, no passado, cumpria uma importante função na vida cultural e política: a crítica. Nas redes sociais, acarinhadas por um jornalismo preguiçoso, não há valoração de informação, não há uma distinção clara entre o essencial e o secundário.

A imprensa podia estar a desempenhar esse papel, mas, indolentemente, não está. Os jornais, instrumentos fundamentais ao exercício das liberdades, estão a alimentar uma sociedade onde impera a censura, já não pela mão do Estado, mas pela mão de cidadãos ávidos por um escândalo, desejosos de ter algo que defender com unhas e dentes, pouco tolerantes a opiniões diferentes. Pouco tolerantes, até, ao humor. Porque o humor ofende – e nós não temos capacidade para tolerar a ofensa – e a liberdade tem limites – e nós temos os nossos limites cada vez mais apertados.

Pavlov treinou cães para que estes salivassem sem comida por perto. Sempre que os cães eram alimentados, Pavlov tocava uma sineta. Com o tempo, os cães passaram a salivar só de ouvir a sineta, mesmo não tendo comida. Naturalmente, isto não significaria que os cães salivassem eternamente sempre que ouvissem uma sineta – o reflexo não é infinito. O que nós estamos a precisar, neste momento, é que parem de tocar a nossa sineta.

 

publicado às 15:30


1 comentário

Imagem de perfil

De José Lima a 04.06.2016 às 18:05

Estas "indignações" sempre existiram, mas antigamente, no caso dos homens, cingiam-se às tascas, às praças de táxis e às barbearias, e, no caso das mulheres, às mercearias, às portarias dos prédios e aos cabeleireiros. Actualmente, para desgraça de quem ainda tem um mínimo sensatez e vergonha na cara, tais "indignações" vazaram das cloacas onde dantes estavam contidas para os "foros de cidadania" das redes ditas sociais, e com elas toda a oligofrenia que lhes está adstrita... Hoje fala-se cada vez mais e diz-se cada vez menos...

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.







Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds