Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Pedro Nunca Santos

por John Wolf, em 06.03.24

licensed-image.jpeg

De maneiras que é assim, de acordo com Pedro Nunca Santos: vota como eu digo que vou fazer e não como não fiz enquanto lá estive. Basicamente, é este o mantra do candidato-socialista. O secretário-geral-ex-ministro-demitido é também juiz desembargador do supremo tribunal da memória ténue dos eleitores hipnotozados. Fez delete do seu cadastro enquanto governante de pastas e afins. Serve-se do mata-borradas para eliminar gralhas de ingestão política. E agora quer renascer, mas não se diz ressuscitado. Faz fé cega na carreira que saiu da plataforma da geringonça e que descarrilou no apeadeiro da maioria absoluta. O homem não consegue lipoaspirar-se, mas diz que já fez a dieta necessária. Identificou as verrugas que sobraram da cirurgia plástica para embelezar os últimos oito anos e afirma ter no bolso uma lima para desbastar as agruras. Este post é dirigido aos militantes-camaradas socialistas. Mas não é dirigido por mim. É take-away ou Uber político cuja plataforma de distribuição assenta arraial no Largo do Rato, onde uma poderosa máquina de comunicação há 50 anos tem vindo a aperfeiçoar o desempenho dos bytes de propaganda. Deveriamos estar a lamentar meio século de usurpação da coisa pública pelo Partido Socialista. A subtração que fizeram ao povo Português. Porque tiraram mais do que deram, embora afirmem o contrário. Não foram oito anos de governação. Foram muitos mais. Mas para contas certas é melhor pedir ao secretário-geral. Ao outro. O da ONU.

crédito imagem: Horácio Villalobos/Cerbis via Getty Images

publicado às 10:20


6 comentários

Sem imagem de perfil

De Ricardo a 06.03.2024 às 13:42

É fazer as contas que eu vou ali (à Onu) e já não volto.
Sem imagem de perfil

De IMPRONUNCIÁVEL a 06.03.2024 às 15:43

Mas pôs a TAP a dar lucro ao fim de 40 anos a dar prejuízo. 
Sem imagem de perfil

De Ricardo a 08.03.2024 às 14:44

No pelcebel,pode repeltil pol favol?
Sem imagem de perfil

De IMPRONUNCIÁVEL a 06.03.2024 às 16:43

PARA QUÊ VOTAR, SE SE VOTA EM QUEM NÃO MANDA?

 Ou dito por outras palavras: O ERRO DA ‘DEMOCRACIA’, E A NECESSIDADE DE PÔR-LHE FIM…

 O erro da Democracia é esse. De adoptar um ‘critério’ meramente ‘quantitativo’ do voto para se legitimar. O Poder é um acto político ‘qualitativo’, adquire-se e conquista-se por acções qualitativas, que subjugam e dominam os aspectos quantitativos. Por exemplo, a decisão de manter a soberania e independência de Portugal é, foi, e será uma questão de ‘quantidade de votos’, isto é, de ‘Democracia’? E ocuparem-nos a casa e prenderem-nos por causa das nossas ideias não serem conformes à maioria dos votos? E como Portugal obteve esse Poder em 1143, ou os EUA em 1776? Etc.

 'Governar' é o exercício do ‘Poder’. E o ‘Poder’ nunca está, nem nunca estará, apenas na ‘quantidade de votos’. Quem detém o Poder no atual Mundo governa acima e para lá dos ‘governos eleitos pelo regime do voto’ (dito ‘Democracia’). Quem detém o Poder no actual Mundo não está submetido ao escrutínio do voto.

 ...


Sem imagem de perfil

De IMPRONUNCIÁVEL a 06.03.2024 às 17:09

A ‘separação de poderes’, prescrita por Lei nas Constituições deste regime dito ‘Democrático’, obriga a que «quem decide sobre a culpa, a inocência, e as penas» (Juízes e Tribunais), «quem domina as armas e decide as guerras» (militares, organizações secretas de informação, indústria militar), e «quem manda na economia e no dinheiro» (bolsas, ‘mercado’, fundos transnacionais, sociedades anónimas transnacionais, paraísos fiscais, organizações internacionais) não estejam sujeitas ao escrutínio do voto. Logo, os ‘governos eleitos pelo voto’ não mandam nada, nem decidem nada sobre o actual viver humano em sociedade.

 Razão pela qual, o regime designado 'Democracia' é a causa de tantos males, guerras e assimetrias (ao fim de centenas de anos desse regime, 5% detém a riqueza produzida por 95%, seja qual for a riqueza que se produz ou produza no futuro) no mundo atual.

 É necessário mudar de Regime. Urge, encontrar um melhor do que a 'Democracia'. Todos os regimes foram inventados, logo, muitos mais podê-lo-ão ser.

 É necessário encontrar um regime melhor do que a ‘Democracia’ aprendendo com a história do passado. Percebendo como a adopção do regime da ‘Democracia’ foi fruto do positivismo e do racionalismo do séc. XIX e XX. Concretamente, do modo como se definiu o ‘Moderno’ por contraponto ao ‘Tradicional’. 

Sem imagem de perfil

De Ricardo a 08.03.2024 às 14:46

Mudar ee regime? Os bildebergs já estão a tratar disso faz algum tempo. 

Comentar post







Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2007
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas